PUBLICIDADE
Topo

Libertadores - 2021

Em clima eleitoral, Landim e Leila têm Libertadores como trunfo político

Rodolfo Landim, presidente do Flamengo, e Leila Pereira, futura presidente do Palmeiras - Alexandre Vidal / Reprodução/Instagram
Rodolfo Landim, presidente do Flamengo, e Leila Pereira, futura presidente do Palmeiras Imagem: Alexandre Vidal / Reprodução/Instagram

Diego Iwata Lima e Leo Burlá

Do UOL, em Montevidéu (URU)

27/11/2021 04h00

Classificação e Jogos

A Libertadores da América tem enorme peso esportivo, mas pode vir a fazer também diferença política nos próximos mandatos dos dirigentes máximos de Palmeiras e Flamengo.

Leila Pereira foi confirmada como presidente do Palmeiras há uma semana, quando sua chapa, única no pleito, recebeu o número de votos necessário para ser ratificada. De modo que o resultado do jogo já não altera esse panorama.

Por outro lado, é evidente que ela terá um caminho administrativo menos complicado se puder iniciar seu mandato com a Libertadores na prateleira. Já enfraquecida, a oposição terá ainda menos munição contra a proprietária da Crefisa. Isso sem falar do caixa. O time campeão da Libertadores receberá R$ 49 milhões a mais que o vice-campeão.

Landim joga por (mais) paz e caixa abarrotado

Presidente do Flamengo desde janeiro de 2019, Rodolfo Landim busca a reeleição no Flamengo na condição de amplo favorito ao pleito do dia 5 dezembro, que irá eleger o mandatário do clube para o próximo triênio.

Com títulos em seu cartel e o clube saneado financeiramente, Landim não deve ter problemas na eleição, mas sabe também que uma possível segunda Libertadores poderia fazer com que sua segunda gestão começasse sem questionamentos e com a promessa de cofre abarrotado.

O resultado em campo dificilmente mudará os rumos das urnas, porém o clima na Gávea na semana que vem estará muito condicionado ao jogo do Centenário. Em um duelo direto com o maior oponente no futebol do Brasil, Landim optou por não acirrar os ânimos e valorizou o encontro de hoje.

"Fla e Palmeiras são adversários, não inimigos. Considero o Mauricio Galliote um amigo. Todo mundo quer ganhar. Vai ser uma final dos dois últimos campeões, um tira-teima importante", disse ele, que acrescentou:

"Para começar, esse jogo tem um impacto direto no valor do prêmio, pois são 9 milhões de dólares de diferença. Ainda tem o Mundial de Clubes, uma série de coisas. Tem o impacto econômico, mas o esportivo é superior".