PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Vasco põe diretor do Palmeiras e Ricardo Gomes na mira para liderar futebol

Anderson Barros, hoje no Palmeiras, trabalhou no Vasco em 2017, ano em que o clube se classificou para Libertadores - Paulo Fernandes / Flickr do Vasco
Anderson Barros, hoje no Palmeiras, trabalhou no Vasco em 2017, ano em que o clube se classificou para Libertadores Imagem: Paulo Fernandes / Flickr do Vasco

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

25/11/2021 04h00

Em clima melancólico para apenas cumprir tabela na última rodada da Série B, neste domingo (28), contra o Londrina, o Vasco segue com seu departamento de futebol "esvaziado" 14 dias após demitir o diretor-executivo, Alexandre Pássaro, e o técnico Fernando Diniz. O clube, porém, já tem definidos alguns nomes prediletos para comandar o setor em 2022, e os favoritos no momento são Anderson Barros e Ricardo Gomes.

O primeiro, atualmente, é diretor de futebol do Palmeiras e fez um bom trabalho no Cruzmaltino em 2017, quando mesmo com limitações financeiras montou um elenco que se classificou para a Copa Libertadores. Sua continuidade na próxima temporada no Alviverde ainda é uma incógnita e será debatida após a decisão deste sábado, no torneio continental, contra o Flamengo, em Montevidéu (URU). A informação inicial do interesse do Vasco no dirigente foi dada pelo jornalista Gilmar Ferreira, do "Extra".

O segundo é um velho conhecido do Cruzmaltino e chegaria em um novo cargo a ser criado, para trabalhar diretamente com o executivo de futebol e fazendo um elo entre o elenco e a diretoria. Como técnico, Ricardo Gomes foi campeão da Copa do Brasil com o Vasco em 2011. Já em 2013 exerceu a função de diretor técnico. Conta a seu favor o bom ambiente que possui em São Januário. A informação inicial do interesse foi dada pelo "ge".

Ricardo Gomes, diretor executivo do Vasco, durante entrevista em São Januário (22/07/2013) - Vinicius Castro/ UOL - Vinicius Castro/ UOL
Ricardo Gomes foi campeão da Copa do Brasil pelo Vasco como técnico, em 2011, e trabalhou como diretor, em 2013
Imagem: Vinicius Castro/ UOL

Diferentemente de Anderson Barros, que está em atividade, Gomes não trabalha em um clube desde 2019, quando deixou o cargo de diretor do Bordeaux, da França.

Outros nomes ventilados nos bastidores do Vasco para a função de diretor-executivo são Alexandre Mattos — atualmente sem clube — e Eduardo Freeland, do Botafogo. O primeiro ainda não foi contatado e divide opiniões. Já o segundo deve permanecer no Alvinegro após o trabalho que culminou no acesso do clube.

Treinador será 2º passo

A estratégia do Vasco é a de primeiro definir a estrutura profissional da gestão do departamento de futebol para somente então focar no nome do treinador para 2022. A diretoria entende que a escolha do técnico deverá ter a participação dos futuros dirigentes já dentro da filosofia de trabalho que eles pretendem implementar.

Com uma campanha pífia e frustrante mesmo tendo a maior folha salarial da Série B, o Vasco não tem mais chances matemáticas de acesso e permanecerá na Segunda Divisão do futebol brasileiro na próxima temporada.

Futebol