PUBLICIDADE
Topo

MMA


MMA

Muay thai, música e drinks: em bar na Tailândia você é cliente e pode lutar

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

20/11/2021 04h00

Que tal bons drinks e música para se distrair após um dia em ilhas paradisíacas e passeios com experiências culturais incríveis na Tailândia? Esta é boa pedida noturna para muitos que vão visitar o país asiático, certo? Mas e se no roteiro lhe fosse sugerido um bar que, além destas duas opções relaxantes, te oferecesse um ringue, luvas, caneleiras e protetor de cabeça para você, literalmente, trocar socos e chutes em uma luta de muay thai? Pois bem, pode não parecer verdade, mas este lugar existe e já foi opção para vários turistas que quiseram incrementar doses mais cavalares de adrenalina na viagem.

O local em questão se chama "Reggae Boxing Bar" e fica nas Ilhas Phi Phi, um dos endereços mais procurados e badalados da região. A entrada costuma ser grátis e basta apenas fazer qualquer tipo de consumação para permanecer por lá. Também não é obrigatório que você lute. Se quiser, pode apenas assistir, embora este não tenha sido o caso do administrador Rafael Amorim, de 33 anos, que esteve no estabelecimento em dezembro de 2017.

Praticante de muay thai durante quase uma década, o carioca já tinha o desejo de pôr em prática suas técnicas no país, que é o berço desta arte marcial e que por lá é considerado um desporto nacional.

"Descobri o bar em algumas pesquisas antes de viajar para a Tailândia. Sempre gostei muito de muay thai, então já treinava aqui no Brasil como hobby. Pesquisando para montar meu roteiro, descobri esse bar nas ilhas Phi Phi, que era uma das ilhas que eu queria conhecer, então incluí esse bar no meu roteiro", declarou Rafael Amorim, explicando como se dá a dinâmica para quem quer lutar:

Carioca Rafael Amorim praticou Muay Thai durante anos e subiu ao ringue para lutar no Reggae Bar, na Tailândia - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Carioca Rafael Amorim praticou Muay Thai durante anos e subiu ao ringue para lutar no Reggae Bar, na Tailândia
Imagem: Arquivo Pessoal

"Quando você chega no bar, tem um ringue no meio. O bar é bem temático, com diversas mesas, algumas arquibancadas e garçons servindo bebida. Então você chega para o garçom e fala que quer participar da brincadeira. E aí, caso tenha alguém já esperando, ele te indica a pessoa para você aceitar ou não a luta. Caso não tenha ninguém esperando, ele sobe com você no ringue e te mostra para a plateia para ver se alguém quer te desafiar. A partir do momento que tem um desafiador, ele te entrega as luvas, caneleiras, protetor de cabeça, short...Aí você coloca tudo e aguarda seu momento de lutar."

Apesar de ser um bar totalmente incomum, ele está longe de ser um "clube da luta" clandestino e perigoso. Além de todo o equipamento de proteção fornecido, há regras como a proibição de cotoveladas e joelhadas e uma arbitragem para controlar o desenrolar do duelo.

A dinâmica do combate é da seguinte forma: três rounds de um minuto cada. Caso não haja um nocaute, o próprio público se torna jurado e decide quem ganhou. O vencedor é presenteado com uma medalha e um "bucket shop", que é um balde com uma bebida típica local. Rafael foi agraciado com os mimos.

"Foi uma experiência extraordinária, ainda mais por praticar aqui no Brasil durante muito tempo", declarou Amorim, que foi aluno da academia "Fighting Strike", do mestre Bruno Azevedo, que fica no Rio de Janeiro (Veja um trecho de sua luta no vídeo abaixo. Ele veste calção azul).

"Nada se comparou à adrenalina daquele dia"

As lutas no "Reggae Bar" não ficam restritas somente aos marmanjos. Acontecem também duelos femininos que costumam agitar o público. E quem viveu essa experiência foi a professora de squash e youtuber Carolina Raucci.

"Eu cheguei lá no bar e estava com muita vontade de lutar. Mas, querendo ou não, dá um medo. Tinha treinado muay thai por um ano e meio, mas fazia muito tempo que não treinava e nunca tinha chegado nem perto de campeonato. Fazia por recreação mesmo", se recordou em seu canal no YouTube chamado "Esportise".

Público animado na beira do ringue no Reggae Boxing Bar, na Tailândia - Facebook / Reggae Bar - Facebook / Reggae Bar
Público animado na beira do ringue no Reggae Boxing Bar, na Tailândia
Imagem: Facebook / Reggae Bar

Carolina, que em sua luta ficou no empate com a adversária e também foi presenteada com os mimos, descreve a experiência como algo incomparável.

"Dá muito medo porque você não sabe se a pessoa sabe lutar ou não. Eu estava tão nervosa que nem lembro de que país ela era. A adrenalina é tão grande, tão grande, que vocês não fazem ideia. Já fiz muita coisa na minha vida: já pulei de paraquedas, mergulhei... Fiz de tudo, mas nada se comparou à adrenalina que senti naquele dia. Você fica com um receio de se machucar, ainda mais por não conhecer o outro oponente".

Bar já ganhou cino premiações do TripAdvisor

Programa romântico? Casal assiste a uma luta no Reggae Boxing Bar, na Tailândia - Facebook / Reggae Bar - Facebook / Reggae Bar
Programa romântico? Casal assiste a uma luta no Reggae Boxing Bar, na Tailândia
Imagem: Facebook / Reggae Bar

Embora, aparentemente, seja um pouco "assustador" para a pessoa que não é ambientada ao mundo da luta, o "Reggae Boxing Bar" é bastante conhecido e é visitado por turistas do mundo inteiro. Além disso, já recebeu cinco premiações da "TripAdvisor", conceituada plataforma de dicas e trocas de informações de viajantes.

Entre 2016 e 2019, ganhou os "certificados de excelência" por ser um dos mais bem avaliados estabelecimentos dos usuários. Já ano passado foi premiado com o "Traveler's Choice" da empresa, como campeão de boas avaliações.

"Reggae Bar", em Phi Phi Islands, na Tailândia: bar onde você pode lutar Muay Thai no ringue que fica ao centro - Facebook / Reggae Bar Phi Phi Islands - Facebook / Reggae Bar Phi Phi Islands
"Reggae Bar", em Phi Phi Islands, na Tailândia: bar onde você pode lutar Muay Thai no ringue que fica ao centro
Imagem: Facebook / Reggae Bar Phi Phi Islands

MMA