PUBLICIDADE
Topo

Seleção Brasileira

Atitudes de Messi e Scaloni decepcionaram Tite e agitam Argentina x Brasil

Tite e Lionel Scaloni durante confusão em Brasil x Argentina, em setembro; papo desencadeou estremecimento da relação - Lucas Figueiredo/CBF
Tite e Lionel Scaloni durante confusão em Brasil x Argentina, em setembro; papo desencadeou estremecimento da relação Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Gabriel Carneiro e Igor Siqueira

Do UOL, em São Paulo e San Juan

16/11/2021 04h00

Classificação e Jogos

O último clássico entre Brasil e Argentina foi suspenso depois que agentes da Anvisa entraram no gramado da Neo Química Arena para impedir que quatro jogadores da seleção visitante que descumpriram normas sanitárias do país disputassem a partida. Isso foi no último mês de setembro. Após 72 dias, as equipes se reencontram hoje (16), às 20h30 (de Brasília), com resquícios daquele episódio quentes nos bastidores.

Para além da resolução do caso na Fifa, existe um ingrediente de estremecimento de relação pessoal que agita este confronto da 14ª rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo do Qatar. Segundo ouviu o UOL Esporte, o técnico Tite se mostrou muito decepcionado com atitudes e declarações de Lionel Scaloni, o treinador da Argentina, e do astro Lionel Messi.

Apesar de Tite não ter planejado qualquer reação que torne público seu descontentamento no jogo de hoje, sempre que o assunto é mencionado por pessoas de seu convívio o brasileiro não economiza olhares de incômodo, bufadas e uma frase que já usou em outras situações.

O custo de vencer não pode ser o custo da dignidade."

O caso é o seguinte: logo após a invasão dos agentes da Anvisa ao gramado, autoridades se organizaram para discutir a possível retomada do jogo mediante concessões. Enquanto isso, uma rodinha foi formada perto das áreas técnicas entre Tite, Scaloni, Messi, Neymar e Juninho Paulista, coordenador da seleção brasileira. O dirigente disse: "Fizeram [agentes da Anvisa] da maneira errada, mas avisaram antes que os jogadores estavam irregulares".

Anvisa - Alexandre Schneider/Getty Images - Alexandre Schneider/Getty Images
Agentes da Anvisa interromperam partida entre Brasil e Argentina no último mês de setembro
Imagem: Alexandre Schneider/Getty Images

Messi reagiu no mesmo instante, em tom de revolta: "Eles não nos avisaram. Estamos aqui há quatro dias. Eles deveriam ter vindo no primeiro dia e não assim." Tite interrompeu com uma pergunta direta: "Não avisaram?". Messi e Scaloni confirmaram ao técnico do Brasil que a delegação argentina não tinha sido notificada de que o goleiro Emiliano Martínez, o zagueiro Cristian Romero, o volante Lo Celso e o meia-atacante Emiliano Buendía, que vieram da Inglaterra, estavam impedidos de entrar em campo porque deveriam cumprir quarentena no Brasil.

A conversa foi flagrada por microfones da transmissão para a Argentina e rapidamente viralizou na internet e em portais brasileiros.

Messi - Lucas Figueiredo/CBF - Lucas Figueiredo/CBF
Éder Militão, Neymar, Messi, Cléber Xavier, Tite e Marquinhos durante confusão
Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

A questão é que as informações tornadas públicas depois da suspensão do jogo levaram Tite à certeza de que Scaloni e Messi mentiram ao dizer que os argentinos não tinham informações sobre o veto aos quatro jogadores vindos da Inglaterra.

A CBF disse ter avisado três vezes e a Anvisa disponibilizou uma linha do tempo em que diz ter informado à AFA (Associação Argentina de Futebol) que os jogadores deveriam ficar isolados e também que foram oferecidos lanches e bebidas pela organização do jogo para sinalizar "uma situação de obstrução ou protelação". Na tentativa de acesso ao vestiário da Argentina os agentes foram direcionados a uma sala para que o tempo passasse. Também está em investigação a falsificação de documentos da Polícia Federal assinados pelos jogadores dizendo que não tinham passado pelo Reino Unido nos dias anteriores, o que é mentira. Tudo isso está na defesa da CBF enviada à Fifa.

Informado destas versões é que Tite formou juízo sobre o assunto. "Tenho claro que antes do futebol existe saúde, existem leis e correção dos fatos", disse nesta semana preparativa para o reencontro. Anteriormente, como no dia 8 de setembro, tinha sido até mais duro.

O futebol não está acima de leis. Tem que ser respeitado. Estamos lidando com vidas. É saúde, sim. Quando tem saúde, tem vacina, vai ter emprego, trabalho. Associada ao trabalho vai ter a dignidade. Agora, vir e passar por cima de leis, isso não existe. Passar por cima de leis? Ah, não. Um pouco de respeito. Respeito a uma entidade, um país, um povo, a um clube, uma seleção. Shiu. Calma. Respeito, sim."

Não é a primeira vez que Tite se chateia com uma postura de Messi em seus pouco mais de cinco anos à frente da seleção. Em 2019, os dois se envolveram em uma discussão durante Argentina 1 x 0 Brasil, um amistoso na Arábia Saudita. O técnico reclamou de uma falta do argentino que, no seu entender, teria sido para cartão amarelo, ao que o astro respondeu prontamente mandando o brasileiro "calar a boca", segundo relato do próprio Tite, que teria respondido na mesma moeda.

Brasil - Thiago Ribeiro/AGIF - Thiago Ribeiro/AGIF
Neymar sofre entrada em disputa com Paredes no último clássico que valeu, pela final da Copa América
Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

É diante deste cenário de rivalidade em alta e relações pessoais estremecidas que acontece o clássico no Estádio Bicentenário, em San Juan.

Messi será titular

Utilizado por apenas 15 minutos da vitória da Argentina sobre o Uruguai na última sexta-feira (12), Messi será titular no clássico contra o Brasil. Ele está recuperado de uma lesão muscular na coxa esquerda e já foi confirmado por Scaloni. Leandro Paredes e Dybala são dúvida também por razões físicas. O restante do time deve ser o mesmo do jogo anterior.

Já no Brasil, Casemiro cumpre suspensão e será substituído por Fabinho. Neymar sentiu uma lesão na véspera do jogo e Philippe Coutinho é a provável reposição. Tite também testou duas alternativas de jogo para o clássico, com Éder Militão e Matheus Cunha nas vagas de Thiago Silva e Gabriel Jesus.

O jogo marca o encontro das melhores — e únicas invictas — campanhas das Eliminatórias Sul-Americanas. Enquanto o Brasil já está garantido no Mundial de 2022 com 34 pontos, os argentinos somam 28 e também se classificam em caso de vitória em San Juan.

Bicentenário - Divulgação Governo San Juan - Divulgação Governo San Juan
Vista aérea do Estádio Bicentenário, em San Juan, palco do clássico desta terça-feira
Imagem: Divulgação Governo San Juan

FICHA TÉCNICA
ARGENTINA x BRASIL

Competição: Eliminatórias da Copa do Mundo do Qatar, 14ª rodada
Local: estádio Bicentenário, em San Juan (Argentina)
Data/hora: 16 de novembro de 2021 (terça-feira), às 20h30 (de Brasília)
Árbitro: Andres Cunha (Uruguai)
Assistentes: Richard Trinidad e Nicolas Taran (ambos do Uruguai)
VAR: Esteban Ostojich (Uruguai)

ARGENTINA: Emiliano Martínez; Molina, Romero, Otamendi e Acuña; De Paul, Guido Rodríguez e Lo Celso; Di María, Lautaro Martínez e Messi. Técnico: Lionel Scaloni.

BRASIL: Alisson; Danilo, Marquinhos, Éder Militão e Alex Sandro; Fabinho e Fred; Raphinha, Matheus Cunha, Philippe Coutinho (Vinicius Júnior) e Lucas Paquetá. Técnico: Tite.

Seleção Brasileira