PUBLICIDADE
Topo

Cruzeiro

O adeus de Sóbis: líder comprou a briga do elenco e agora vai 'enlouquecer'

Sóbis se emociona após último jogo da carreira: "Acabou, fica a história" - Alessandra Torres/AGIF
Sóbis se emociona após último jogo da carreira: 'Acabou, fica a história' Imagem: Alessandra Torres/AGIF

Victor Martins

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte (MG)

12/11/2021 04h00

Classificação e Jogos

"Aí eu vou enlouquecer mesmo. Vou aproveitar para fazer tudo o que eu não podia fazer".

Foi assim que Rafael Sóbis anunciou em abril que se aposentaria no fim da temporada, em entrevista ao programa 98FC, da Rádio 98, de Belo Horizonte. Fã de motos e de rock, o agora ex-atacante já tinha em mente exatamente o que fará assim que deixasse Belo Horizonte. Sóbis tem uma Harley-Davidson guardada em Porto Alegre. Viagens de moto para a Serra Gaúcha e para o interior da Argentina estão nos planos do ex-jogador, que faz parte de um grupo de motociclistas.

Na entrevista concedida no primeiro semestre, Sóbis previa que a partida diante do Náutico, marcada para o dia 28 de novembro seria sua última apresentação como jogador profissional. Quando falou pela primeira vez sobre parar de jogar futebol, o então camisa 10 do Cruzeiro queria encerrar a carreira comemorando o acesso. Não aconteceu. A Raposa, aliás, esteve mais perto da Série C do que da Série A.

Foi um ano desgastante. Não só dentro de campo, mas principalmente fora dele. O 2021 do Cruzeiro foi ainda mais problemático do que o ano seguinte ao rebaixamento. Esse cenário caótico é o álibi para explicar o desempenho ruim de Rafael Sóbis na sua última temporada como jogador de futebol. Foram somente três gols anotados, em 41 jogos, o pior número nos 17 anos como profissional.

Ao mesmo tempo que a bagunça no Cruzeiro serviu de álibi para o ano ruim, foi esse cenário caótico que também reforçou a importância que o ex-atacante teve para o elenco e para os funcionários. Aos 36 anos e com uma enorme bagagem no futebol, Rafael Sóbis era um dos líderes do clube. Foi ele quem segurou as pontas muitas vezes, inclusive com suporte financeiro aos funcionários da Toca 2, que por vezes não tinham condições de pagar a conta de luz, ou até mesmo não tinham dinheiro para irem trabalhar.

A postura de líder fez com que Sóbis batesse de frente com o presidente Sérgio Santos Rodrigues e também com o técnico Felipe Conceição, que dirigiu o time nos primeiros meses da temporada. Neste caso, não apenas ele, mas outros atletas também não se davam bem com o antigo treinador e nem com o atual mandatário do clube.

Sóbis tem muito dinheiro a receber do Cruzeiro

Rafael Sóbis encerrou a carreira com duas passagens pelo Cruzeiro. A primeira foi entre 2016 e 2018, quando conquistou todos os títulos que tem com a camisa celeste - entre os troféus estão duas Copas do Brasil. Além das vitórias e das boas lembranças, essa primeira passagem deixou uma dívida do clube. Sóbis ganhou na Justiça o direito de receber R$ 3,2 milhões.

O retorno à Toca da Raposa aconteceu em novembro do ano passado, dois meses após o ex-jogador vencer o clube na Justiça. Quando procurado pelo Cruzeiro, Sóbis não pensou duas vezes em topar o desafio. Naquele momento o time estrelado não estava bem na Série B de 2020, mas ainda havia a expectativa de brigar pelo acesso. Rafael Sóbis topou o convite sem nem sequer negociar o salário.

Toda a negociação ficou sob responsabilidade do empresário Jorge Machado. Foi o agente de Sóbis que acertou os valores e negociou o pagamento da dívida pendentemente, inclusive com desconto para o clube. O salário atual de Sóbis gira na casa dos R$ 100 mil, muito abaixo do que ele recebia na passagem anterior. O Cruzeiro, entretanto, atrasou alguns pagamentos e Sóbis encerrou a carreira com uma boa quantia a receber.

Avesso a entrevistas

Para quem é de fora, Rafael Sóbis é visto com uma pessoa fechada, mas a visão é muito diferente para quem convivia com ele no vestiário ou no dia a dia do clube. Amigos realmente são poucos, aqueles com quem o ex-atacante gostava de fazer suas brincadeiras - muitas delas são descritas como de "5ª série". Mas Sóbis era companheiros de todos, ajudava e aconselhava sempre que necessário. Um dos líderes do elenco cruzeirense, tinha a noção da sua importância nos corredores da Toca.

Um bom exemplo sobre a relação com os demais está nas músicas tocadas no vestiário. Roqueiro, Sóbis jamais brigou para impor seu gosto musical num ambiente que predominantemente tem fãs de pagode, forró e música sertaneja. "É uma democracia, a maioria vence", confidenciou uma vez, em entrevista à Revista do Cruzeiro. "Se um dia eu for diretor ou presidente de um time, só vai ter rock no vestiário", completou em tom de brincadeira.

As entrevistas de Sóbis sempre foram raras, pois ele não gostava de falar, fosse em coletivas ou exclusivas. Falar sobre música ou motos sempre deixou o gaúcho de Erechim mais à vontade do que quando o assunto é futebol.

Aposentadoria antecipada surpreendeu

Sóbis já tinha avisado que encerraria a carreira em 2021. Até aí, a aposentadoria não é nenhuma surpresa. Mas todos dentro do Cruzeiro esperavam pelo último jogo da Série B, contra o Náutico, como ele próprio havia estipulado. O ano ruim da Raposa, entretanto, fez com que ele antecipasse a aposentadoria em algumas rodadas.

Com o time livre do risco de rebaixamento à Série C, Sóbis aproveitou para colocar um ponto final na carreira. Poucos sabiam da decisão. Para o grande público, a aposentadoria só foi notada pela reação dos companheiros e do árbitro Marcelo de Lima Henrique, que presenteou o atacante com os cartões da partida.

Para que a torcida tenha a oportunidade de se despedir de um jogador que marcou época no clube e para que o próprio Rafael Sóbis receba todas as homenagens que merece, o Cruzeiro lançou a campanha #SóMaisUmaSóbis. O intuito é fazer com que o camisa 10 enfrente o Náutico, na última rodada da Série B.

Cruzeiro