PUBLICIDADE
Topo

Série C - 2021

Walter é advertido após ser chamado de 'gordo' e tentar agredir Jorginho

Walter, durante partida do Botafogo-SP - Luiz Fernando Cosenzo / Agência Botafogo
Walter, durante partida do Botafogo-SP Imagem: Luiz Fernando Cosenzo / Agência Botafogo

Colaboração para o UOL, em Santos (SP)

20/10/2021 17h14

Classificação e Jogos

O atacante Walter, ex-Fluminense e hoje no Botafogo-SP, foi advertido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) depois de tentar agredir o técnico Jorginho, do Figueirense, por ser chamado de 'gordo' durante jogo da Série C disputado em setembro, no estádio Santa Cruz, ainda pela primeira fase.

O treinador também foi denunciado pelas ofensas, mas, assim como o auxiliar-técnico do Botafogo-SP, que contestou a expulsão de Walter, acabou absolvido. A decisão de primeira instância foi proferida nesta quarta (20), e cabe recurso.

A confusão aconteceu aos 30min do segundo tempo do jogo, vencido por 2 a 1 pelo Figueirense. Jorginho, ex-Portuguesa, e Argel Fuchs bateram boca, Walter entrou na discussão respondendo o treinador rival e foi ofendido: "Vai emagrecer, Walter, você está gordo".

Em seguida, o jogador partiu para cima de Jorginho. A dupla foi expulsa pelo árbitro Ivan da Silva Guimarães Junior, que relatou o seguinte na súmula: "Jorginho foi expulso por proferir as seguintes palavras: "Vai emagrecer, Walter, você está gordo" ao atleta substituído da equipe adversária, o sr. Walter, causando um princípio de tumulto generalizado de ambos os bancos".

Em seguida, Jorginho aproveitou a entrevista para se desculpar com Walter pelo ocorrido: "Venho a público pedir desculpa ao Walter, fui indelicado com ele. Nem tenho mais idade para isso. Peço desculpa a ele e aos seus familiares".

Jorginho e Glebson foram enquadrados no artigo 258 do CBJD, "conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva". Walter respondeu por tentativa de agressão física, prevista no artigo 254-A combinado com o artigo 157, ambos do CBJD.

O relator Cláudio Diniz não considerou as palavras proferidas pelo técnico ofensas passíveis de punição disciplinar e o absolveu, mas puniu Walter com uma partida de suspensão convertida em advertência com a desclassificação para o artigo 250 do CBJD, "ato desleal ou hostil".

Os auditores Éric Chiarello, Rodrigo Raposo e Bruno Tavares acompanharam o relator. Ficou vencido o presidente Luís Felipe Procópio, pois divergiu em relação ao técnico ao aplicar uma partida a Jorginho por considerar ofensivas e direcionadas as palavras ditas por ele.

"As palavras ditas tiveram sim caráter desrespeitoso. Ele o fez e utilizou as palavras no intuito de agredir o Walter, porque sabe que é o calcanhar de Aquiles do denunciado, o qual ele fez em forma de desrespeito, mesmo que as palavras sejam, à primeira vista, bestas, até pela reação do denunciado, são palavras que o agridem, então vou punir em uma partida", votou Luís Felipe Procópio, presidente da Comissão Disciplinar do STJD.