PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Comissão campeã em 2017 vai à Justiça contra o Corinthians e pede R$ 1,2 mi

Cássio, do Corinthians, levanta a taça de campeão brasileiro de 2017 - WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO
Cássio, do Corinthians, levanta a taça de campeão brasileiro de 2017 Imagem: WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO

Thiago Braga e Yago Rudá

Colaboração para o UOL e do UOL, em São Paulo

19/10/2021 04h00

O Corinthians começou o ano de 2017 desacreditado. O time saiu de ser a "4ª força" — expressão usada para definir aquela equipe no início do ano —, para conquistar os títulos Paulista e Brasileiro naquela temporada. Grande parte do mérito ficou com o treinador Fábio Carille, até então desconhecido do grande público, e da comissão montada pelo Timão na época. Nesta semana, três integrantes daquele corpo técnico, Denis Faria Luup, Leandro da Silva, Walmir da Cruz, entraram na Justiça contra o alvinegro.

Juntas, as ações do analista de desempenho Denis, do auxiliar-técnico Leandro "Cuca", e do preparador físico Walmir somam pedidos de mais de R$ 1,2 milhão. Entre os pedidos dos três ex-funcionários está o não recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), o valor devido a título de prêmios oriundos de vitórias de partidas disputadas em 2017, 2018 e 2019, multa com base na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) por atraso no pagamento da rescisão, além de juros e correção monetária.

A representação jurídica dos três alega que entrou em contato com a direção corintiana, inclusive protocolou como documentos mensagens trocadas via WhatsApp com Alessandro Nunes, gerente de futebol do Timão, e também com o presidente Duilio Monteiro Alves.

Além delas, foram protocolados e-mails trocados com funcionários do departamento de recursos humanos do Corinthians em que eles confirmam os valores devidos a Denis, Leandro e Walmir. O pedido dos ex-funcionários é referente às duas passagens dos três pelo Timão: de 10 de janeiro de 2017 a 28 de maio de 2018; e de 03 de janeiro de 2019 a 04 de novembro de 2019.

O ponto forte da equipe campeã paulista e brasileira era a sua defesa, formada na época por Cássio, Fagner, Pablo, Balbuena e Guilherme Arana. Depois de um início de ano claudicante, o time embalou, venceu os rivais locais e levantou a taça do Paulistão.

Com a confiança em alta, os comandados de Fábio Carille iniciaram o Brasileirão com uma campanha histórica, com a maior pontuação de um clube em um primeiro turno, com 47 pontos (desde 2006, quando o campeonato passou a contar com 20 participantes). Além disso, tornou-se o primeiro clube a terminar um turno invicto na ocasião. Procurado, o Corinthians não se manifestou sobre o caso.

Futebol