PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: "Pelo modo como jogou, fica claro que foco do São Paulo é o G-9"

Do UOL, em São Paulo

18/10/2021 23h32

Classificação e Jogos

O São Paulo, enfim, deixou seu torcedor satisfeito de novo. Nesta segunda-feira (18), o Tricolor venceu o clássico contra a Corinthians por 1 a 0, no Morumbi, no encerramento da 27ª rodada do Brasileirão. Além do triunfo sobre o arquirrival, que fez o time se afastar da zona de rebaixamento, a boa apresentação da equipe comandada por Rogério Ceni animou a torcida e a faz até voltar a pensar em voos mais altos no campeonato.

Na Live do São Paulo, programa do UOL Esporte após os jogos do Tricolor, os jornalistas Marcelo Hazan e Menon analisaram a vitória são-paulina. Ambos elogiaram o desempenho do São Paulo e veem a equipe ganhar força para a disputa de uma vaga na Libertadores. O fantasma do rebaixamento parece estar mais distante do Morumbi.

"Foi uma vitória muito boa para o São Paulo pelo lado emocional. O time foi muito aguerrido e lutou muito por essa vitória. Agora não tem mais dúvida. Pelo modo como jogou, pela dedicação e, lógico, pelos três pontos, fica claro que o foco do São Paulo é o G-9. Não tem mais essa de rebaixamento. Não há possibilidade alguma se mantiver essa pegada, esse estilo de jogo. Foi um jogo para delimitar: xô Z-4", comentou Menon.

Com a vitória, o São Paulo chegou a 34 pontos e ocupa a 12ª posição no Brasileirão. O Tricolor abriu uma distância de seis pontos para o Juventude, primeiro time da zona do rebaixamento. O clube do Morumbi tem apenas um ponto a menos do que o Cuiabá, nono colocado e que seria o dono da última vaga para a Libertadores, caso se confirme o G-9 como zona de classificação para o torneio continental.

Hazan destacou que o Tricolor teve o domínio da maior parte das ações. "O São Paulo venceu e convenceu. Mereceu os três pontos diante do Corinthians. Desde o começo do clássico colocou suas cartas na mesa. Na única mudança que o Rogério fez no time titular, entrou Arboleda, que estava com a seleção do Equador, no lugar do Miranda, suspenso. O São Paulo fez o gol com Calleri e continuou melhor no clássico. O Corinthians ficou quase o tempo inteiro tentando correr atrás da bola, com o São Paulo dominando e trocando passes", analisou.

Para Menon, um dos pontos fortes do Tricolor foi a forte marcação em cima dos rivais. "O São Paulo fez 21 faltas no jogo e o Corinthians, oito. Quer dizer que foi um time violento? Não. Foi um time que disputou muitas bolas e não deixou o Corinthians tocar quando recebia. Às vezes havia uma marcação dupla e até tripla. Picotou o jogo quando era necessário fazer isso. O São Paulo foi muito diferente do Corinthians. Entrou em campo a mil, marcando a saída de bola", analisou o colunista do UOL.

Hazan reforçou que o Tricolor quebrou a sequência de seis empates e jogando bem na segunda partida sob o comando de Ceni. "Precisava ganhar os três pontos. Além de vencer, jogou bem. Contra o Ceará, o São Paulo já tinha jogado bem. Não fez um jogo ruim na reestreia do Rogério Ceni. Hoje, foi o pacote completo para o São Paulo: vitória, desempenho, bom público, e em um clássico", disse, citando o público de quase 24 mil torcedores no Morumbi.

Embora reconheça que a equipe ainda tem muito a evoluir, Menon considera que a vitória no Majestoso motiva o Tricolor para as próximas partidas. "Teve muita coisa boa para o torcedor do São Paulo. Não é um super time, nem está tudo resolvido. Há muita coisa para acertar. Se o time jogasse bem e levasse um gol no finalzinho, seria um desastre. Era mais um empate e, de pontinho em pontinho, não iria longe. Foi ótimo ganhar hoje", completou.

Não perca! A próxima edição da Live do São Paulo será no domingo (24), logo após a partida contra o Red Bull Bragantino pelo Brasileirão. Você pode acompanhar o programa pelo Canal UOL, no app Placar UOL, na página do São Paulo no UOL Esporte ou no canal do UOL Esporte no Youtube.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol