PUBLICIDADE
Topo

Atlético-MG

Atlético-MG faz 3 a 1 no Santos, amplia série invicta e sobra no topo

Do UOL, em Belo Horizonte

13/10/2021 20h57

Classificação e Jogos

Mais líder do que nunca. Tendo o Flamengo na cola, o Atlético-MG fez o dever de casa e, de virada, venceu o Santos por 3 a 1 nesta quarta-feira (13). Dois gols foram de pênalti, marcados após ajuda do VAR. Com 56 pontos, o time comandado por Cuca manteve a distância de 11 pontos para o rubro-negro, vice líder, e aumentou a invencibilidade no Campeonato Brasileiro para 18 jogos.

Curiosamente, a última derrota do Galo na competição mais importante do país havia sido justamente para o Peixe, em junho. De lá para cá, se passaram 108 dias e, neste meio de semana, veio o troco dos mineiros.

No próximo domingo, o Galo encara o Atlético-GO fora de casa. A partida está marcada para 18h15 (de Brasília), em Goiânia. O Santos, por sua vez, encara o Sport-PE em Recife. A bola rola às 20h30.

Desfalques importantes

Sem poder contar o Arana, Alonso e Alan Franco, que defendem Brasil, Paraguai e Equador nas Eliminatórias, o Atlético-MG teve outros desfalques importantes nesta quarta-feira (13). O técnico Cuca também perdeu o atacante Hulk, artilheiro da equipe na temporada que foi diagnosticado com edema na coxa, e seguiu sem Savarino, que aprimora a parte física, e Eduardo Vargas, que segue sob cuidados do departamento médico.

Quem foi bem: Zaracho e Calebe

Como um 'motor' para o Atlético, o argentino fez grande partida contra o Santos. Bem na marcação e no apoio ao ataque, ele teve grande noite em BH.

Acionado por Cuca na segunda metade da etapa complementar, Calebe transformou a partida ao sofrer os dois pênaltis que construíram a importante vitória atleticana.

Quem foi mal: Diego Costa

Escalado entre os onze de Cuca, o atacante não conseguiu ser diferencial nos primeiros 45 minutos. Ainda buscando os 100% na parte física, ele acabou substituído antes da volta para o segundo tempo.

Domínio atleticano

Nos primeiros 45 minutos de bola rolando, o Galo fez valer o mando de campo e dominou o Santos. Criando as principais jogadas, os donos da casa e líderes do Brasileirão não tomaram sustos lá atrás e, na frente, quase abriram o placar em algumas situações. O Peixe, por sua vez, tentou explorar os contra-ataques, porém, sem sucesso.

Galo reclama possíveis pênaltis não marcados e sem consulta ao VAR

Ainda na primeira etapa, o Atlético-MG reclamou bastante de um pênalti não marcado no argentino Matías Zaracho, puxado na pequena área. O detalhe é que o árbitro Paulo Roberto Alves Júnior bateu no peito e ignorou a existência do Var.

Aos 38 minutos, foi a vez do colombiano Dylan Borrero reclamar de penalidade máxima não marcada. Ao entrar na área, em disputa com Wagner Leonardo, o meia de 19 anos foi derrubado, mas, mais uma vez, o dono do apito mandou o jogo seguir.

Peixe pula na frente

Logo na volta do intervalo, o Santos fez aquilo que não conseguiu na primeira etapa: ser efetivo no ataque. Aos 3 minutos, Raniel, que entrou no lugar de Léo Baptistão no início do duelo, deixou o dele e correu para o abraço. O atacante santista não marcava desde janeiro de 2020.

João Paulo salva, mas Atlético empata de pênalti

Aos 19 minutos, o goleiro João Paulo evitou o que seria, ali, o gol de empate do Atlético-MG ao defender cabeceio de Calebe, que havia acabado de entrar em campo no lugar do lateral direito Mariano. Contudo, no lance, o prata da casa teria sido empurrado na hora do domínio.

Na dúvida, o árbitro Paulo Roberto Alves acionou o VAR e apontou a penalidade. Na cobrança, Nacho Fernández, substituto de Dylan na segunda etapa, estufou a rede e deixou tudo igual no Gigante da Pampulha.

Resposta do Peixe

No minuto seguinte, quase o Santos pulou à frente no placar novamente em cobrança de falta de Marinho. Após excelente cabeceio, Zanocelo acertou o travessão de Everson.

Vira vira no Mineirão

Aos 29 minutos, aproveitando cobrança de falta vinda do lado direito, o zagueiro Nathan Silva subiu mais que os adversários e estufou a rede. Criticado pelas últimas atuações, o titular absoluto de Cuca correu para o abraço e lavou a alma.

Outro pênalti e vantagem ampliada

Aos 32 minutos, Calebe apareceu novamente. Ao tentar entrar na área, o volante foi ao chão após dividida com Velásquez e sofreu pênalti. Após análise do do VAR, o árbitro apontou a infração.

Na cobrança, Nacho bateu nas mãos de João Paulo mas, no rebote, de cabeça, fez o terceiro gol atleticano e encerrou a conta no Mineirão.

FICHA DO JOGO
ATLÉTICO-MG 3 X 1 SANTOS

Motivo: 26ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data e Horário: 13 de outubro de 2021, às 19h (de Brasília)

Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior (PR)
Assistentes: Bruno Boschilia (FIFA/PR) e Ivan Carlos Bohn (PR) VAR: Adriano Milczvski (PR)

Gols: Raniel, aos 3 minutos do segundo tempo, para o Santos; Nacho Fernández, aos 24 minutos do segundo tempo, e Nathan Silva, aos 29, para o Atlético-MG. Nacho, aos 35, para o Galo.

Cartão amarelo: Rainel, Jean Mota e Lucas Braga (SAN)
Cartão vermelho: -

Atlético-MG: Everson; Mariano (Calebe), Nathan Silva, Réver e Dodô; Allan, Jair (Tchê Tchê), Zaracho e Dylan Borrero (Nacho Fernández); Keno (Igor Rabello) e Diego Costa (Sasha). Técnico: Cuca.

Santos: João Paulo; Vinícius Balieiro (Diego Tardelli), Emiliano Velázquez e Wagner Leonardo; Marcos Guilherme (Madson), Camacho, Jean Mota (Pirani), Vinícius Zanocelo e Lucas Braga; Marinho e Léo Baptistão (Raniel). Técnico: Fábio Carille

Público: 16.514 presentes

Atlético-MG