PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Julio Gomes: Juventus ganhou do Chelsea parecido com o que fez o Palmeiras

Do UOL, em São Paulo

30/09/2021 14h16

Classificação e Jogos

Em uma semana na qual o Palmeiras se classificou para a final da Libertadores em um empate com o Atlético-MG no qual o time alviverde atuou se defendendo e explorando os contra-ataques, o mesmo ocorreu no jogo em que a Juventus bateu o Chelsea, atual campeão europeu, pela fase de grupos da Liga dos Campeões.

No UOL News Esporte, Julio Gomes destaca como o jogo da Juventus comandada por Massimiliano Allegri diante do Chelsea foi parecido ao praticado por Abel Ferreira no Palmeiras.

"A gente vai vendo, o futebol tem várias repetições ao longo dos anos. Um jogo muito parecido com Palmeiras e Atlético-MG, para dar razão ao Abel, ao nosso mala da vez aqui", diz Julio.

"Foi um jogo em que a Juventus abdicou um pouco do jogo, curioso, porque o Chelsea jogou assim contra o City na final da Champions League, mas ontem foi o Chelsea que teve a bola, que precisou criar jogo, que se instalou no campo da Juventus, mas tal qual o Atlético-MG, não conseguiu criar muita coisa, o Chelsea teve dificuldade para criar jogo contra a Juventus e a Juventus só no contra-ataque, recupera a bola e acelera", completa.

Julio Gomes também comenta que era óbvio que o tal vizinho para o qual Abel Ferreira dirigiu seu desabafo depois da classificação do Palmeiras na Libertadores não existia, comparando a postura do treinador palmeirense com a de José Mourinho, que é referência do português finalista da Copa Libertadores.

"Quando eu vi a entrevista coletiva do Abel, eu falei 'mas que vizinho?', ele está falando com o pessoal que mete o pau nele, isso era óbvio. Aliás, como o Abel é igual ao Mourinho, que cópia, é igualzinho, eles fazem as mesmas coisas, se a gente for recuperar as coletivas, a boa matéria seria recuperar todas as coletivas da vida do Mourinho, vai aparecer algum vizinho lá", diz Julio.

"O que o Abel traz ao Brasil é trabalho muito bem feito, é a meticulosidade, conseguir convencer os jogadores a terem disciplina, resiliência, montar um plano, uma estratégia e ficar com ela, mas se defender e contra-atacar no futebol não já não era novidade em 1960, não era novidade nem, como diz o Felipão, de quando se amarrava cachorro com linguiça. Não é novidade nenhuma e a Juventus foi mais um time que se deu bem ontem fazendo isso", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol