PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Mauro: Atlético-MG e Palmeiras é um jogo muito grande, que pede bom futebol

Do UOL, em São Paulo

28/09/2021 12h15

Classificação e Jogos

A classificação para a final da Libertadores para Atlético-MG ou Palmeiras valerá não apenas a chance de disputar o título mais importante do continente, como também uma quantia significativa para os cofres do clube, que garante pelo menos um valor aproximado de R$ 34 milhões, ainda em um período no qual não há arrecadação plena com público nos estádios e os efeitos da pandemia ainda são sentidos no futebol.

No UOL News Esporte, Mauro Cezar Pereira afirma que tanto pela questão financeira quanto no significado que tem a semifinal, o jogo entre Galo e Palmeiras é muito grande e merece um futebol melhor do que o praticado no encontro anterior entre as equipes, na última terça-feira, no Allianz Parque.

"A premiação da Libertadores se tornou bem mais interessante nas últimas temporadas, mas além do prêmio, uma possibilidade de chegar a uma final, o Atlético-MG só disputou uma vez a final da Libertadores, quando foi campeão, a chance é de voltar, o Palmeiras é o atual campeão, então é um jogo muito grande", diz Mauro.

O Galo chegou à final da Libertadores em 2013, quando foi campeão diante do Olimpia, do Paraguai, enquanto o Verdão foi campeão em 1999, diante do Deportivo Cali, e 2020, contra o Santos, além de ter ficado com o vice em 1961, contra o Peñarol, em 1968, contra o Estudiantes, e em 2000, contra o Boca Juniors.

"Um jogo muito grande eu acho que pela importância, pelo que está em jogo, está em disputa, eu acho que ele pede uma boa partida de futebol, esse é o ponto e a expectativa de que desta vez os times consigam protagonizar, se não for um jogo inesquecível, pelo menos uma partida que mereça status de semifinal da competição mais importante do continente sul-americano", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol