PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras

Para Abel Ferreira, dérbi foi decidido em lance individual do Corinthians

Abel Ferreira tecnico do Palmeiras durante partida contra o Corinthians  - Ettore Chiereguini/AGIF
Abel Ferreira tecnico do Palmeiras durante partida contra o Corinthians Imagem: Ettore Chiereguini/AGIF

Colaboração para o UOL, de São Paulo

25/09/2021 22h13

Classificação e Jogos

Em entrevista coletiva após a derrota no clássico contra o Corinthians, o técnico palmeirense Abel Ferreira avaliou que o Corinthians alcançou o 2 a 1 graças ao lance individual que resultou no segundo gol de Roger Guedes, já nos minutos finais da partida.

"Quando estava 0 a 0 e quando tava 1 a 1, na minha opinião, o Palmeiras foi o protagonista do jogo. Os números valem o que valem, mas o que conta no final é o resultado. Podemos falar se o Dudu encontrou espaço ou não, se finalizamos 16 vezes, se eles finalizaram 8... O futebol é isso, eficácia, eficiência, e esse jogo foi decidido por um lance individual de um jogador que deu a vitória ao seu time", declarou Abel.

Ele elencou algumas chances que o Palmeiras teve de ampliar o placar antes de sofrer o segundo gol alvinegro, mas por fim admitiu que o Palmeiras foi castigado pelo clássico estigma do "quem não faz, toma".

"Antes de o adversário fazer o gol, que foi um belo gol, nós tivemos quatro oportunidades. A mais flagrante talvez tenha sido a do Verón na trave, teve outra de escanteio que o Luan pode fazee, outra do Verón que ele pode marcar de cabeça. O futebol penaliza muito quem não faz os gols. Não adianta dizer que fizemos um jogo bom, porque no final eles ganharam e levaram os três pontos. A verdade é essa".

Abel novamente citou a opção da diretoria alviverde em valorizar os garotos da base na temporada em detrimento à busca de reforços e como essa falta de experiência impacta em momentos decisivos, como um clássico contra o maior rival ou a semifinal de uma Libertadores.

"O primeiro gol do nosso adversário vou ter que mostrar aos jogadores, a um jogador em particular. Este nível de agressividade sem bola tem que ser de outra forma, e ela se ganha muitas vezes com experiência. Aos 19 anos é um risco. São bons jogadores, de boa qualidade, o futuro do clube é esse, quando o clube foi por esse caminho assumiu os riscos, que ganharíamos coisas e perderíamos outras".

Por fim, Abel revelou uma conversa breve que teve com Cuca antes da partida de ida contra o Atlético-MG e destacou que a disputa do Brasileirão, que tem o justamente o Galo como líder, ainda está em aberto.

"É uma maratona. Eu não atiro a toalha ao chão e temos aqui uma competição. O Cuca, antes do primeiro jogo, me cumprimentou e disse que se estamos os dois aqui é porque as equipes são boas, e é isso que vai acontecer no próximo jogo, vamos fazer de tudo para que a vaga fique com o nosso Palmeiras", disse.

Palmeiras