PUBLICIDADE
Topo

Liga dos Campeões - 2021/2022

Messi, Neymar e Mbappé chutam pouco e não resolvem na 1ª vez juntos

Neymar, Mbappé e Messi em ação, juntos, em jogo abaixo do esperado do PSG como um todo - KENZO TRIBOUILLARD / AFP
Neymar, Mbappé e Messi em ação, juntos, em jogo abaixo do esperado do PSG como um todo Imagem: KENZO TRIBOUILLARD / AFP

Arthur Sandes

Do UOL, em São Paulo

15/09/2021 17h52

Classificação e Jogos

Mbappé, Messi e Neymar finalmente jogaram juntos pelo Paris Saint-Germain, mas a estreia do trio não foi tão mágica quanto os mais ansiosos poderiam esperar. Pela primeira rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões, o PSG ficou no empate por 1 a 1 contra um Club Brugge atrevido, tendo Mbappé afiado, Messi com seus momentos, mas Neymar discreto demais.

Quis o destino —e principalmente o técnico Mauricio Pochettino— que o trio jogasse junto pela primeira vez no alternativo Estádio Jan Breydel, no interior da Bélgica. Vinte e nove mil pessoas testemunharam o momento, mas estavam ali mesmo era para ver o audacioso time da casa.

Era para os três craques dividirem o gramado já na estreia de Messi, na vitória sobre o Reims há quinze dias, mas na ocasião Pochettino botou o argentino justamente na vaga de Neymar. Trocando um pelo outro, adiou a formação do trio e virou piada nas redes sociais como "inimigo do entretenimento".

Desta vez Pochettino pensou como a galera e escalou os três na linha de ataque do PSG, à frente de três meio-campistas e uma linha de quatro na defesa. Não deu muito certo. A liberdade dos três é ótima ideia, mas faltaram chutes a gol, e o time como um todo também não ajudou.

Até por conveniência, os três combinaram jogadas o tempo todo. Originalmente com Messi pela direita, Mbappé por dentro e Neymar com maior liberdade na esquerda, chegando perto dos dois sempre que possível. Mas nada engessado, muito pelo contrário: foi com o francês de ponta que o PSG abriu o placar aos 15 minutos, em bela jogada e cruzamento dele para Ander Herrera emendar de primeira.

A postura corajosa do Brugge contribuiu muito para o jogo e também para o futebol do trio, que várias vezes pegou a defesa correndo para trás. Em uma delas, Messi deu passe primoroso a Mbappé, mas Mignolet —aquele ex-Liverpool— evitou o segundo. Depois Neymar encontrou Messi em velocidade, e o chute colocado bateu caprichosamente no travessão. Entre um lance e outro, a coragem do Brugge rendeu o empate aos 27 minutos.

O encaixe do trio durou 50 minutos. Mbappé já tinha sentido dores no pé esquerdo no primeiro tempo e não aguentou muito depois de voltar do intervalo. Sem ele, Icardi virou referência fixa no ataque enquanto Messi e Neymar se alternavam nas funções de ponta e camisa 10. O argentino chamou o jogo como sempre, já o brasileiro continuou discreto.

O segundo tempo foi deixando o jogo perigoso para o PSG, que tinha mais posse de bola e talento, mas dava espaços. Messi e Neymar até iam bem como garçons, mas faltava quem finalizasse, nem que fossem eles mesmos. Icardi perdeu boa chance após passe de Neymar, Draxler foi bloqueado após deixadinha de Messi, e quando os craques tentaram resolver entre eles, o brasileiro deu boa bola e viu o argentino parar em boa defesa de Mignolet.

No geral, porém, ficou a sensação de que o trio pode fazer mais. E muito provavelmente vai mesmo fazer mais, com o tempo a seu favor. Mbappé foi o que melhor jogou enquanto esteve em campo; depois Messi assumiu o protagonismo e apareceu em todos os ataques; mas Neymar terminou o jogo sem nenhum chute a gol, fato raríssimo.