PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Trajano: "Brasil x Argentina terá duelo de craques fora de forma"

Do UOL, em São Paulo

03/09/2021 04h00

Classificação e Jogos

No próximo domingo (5), Brasil e Argentina se enfrentam na Neo Química Arena, em duelo que coloca frente a frente o líder e o segundo colocado das eliminatórias sul-americanas da Copa do Mundo-2022. A partida também marca o encontro entre Neymar e Lionel Messi, agora companheiros de equipe no PSG. Porém, o fraco desempenho das duas seleções em suas últimas partidas reduz as expectativas para um bom jogo.

No Fim de Papo, live pós-rodada do UOL Esporte - com os jornalistas Luiza Oliveira, Renato Maurício Prado, Marluci Martins e José Trajano - os comentaristas demonstraram pouca empolgação com o embate entre Brasil e Argentina. Ao falar sobre o que esperam do jogo, eles se mostraram pessimistas.

Trajano acha que o jogo será nivelado tecnicamente por baixo. "Tudo tem que ser mudado, no Brasil e na Argentina, que está muito mal também. Espero, vendo os times jogando, um 0 a 0. A Argentina só fez 1 a 0 na Venezuela quando um zagueiro venezuelano foi expulso. O Messi também não está bem. Assim como o Neymar está fora de forma, o Messi também está. Vai ser um confronto entre dois craques fora de série fora de forma. Torço por um grande jogo e merece ser por tudo o que tem em volta. Mas se as seleções jogarem o que estão apresentando, não dá para esperar muito. Pode ser um bom jogo, mas não tenho muitas esperanças", comentou, citando a vitória por 3 a 1 dos argentinos sobre os venezuelanos.

Renato lembrou que a decisão da última Copa América, que reuniu as duas seleções e que terminou com a Argentina campeã, não foi uma partida de encher os olhos. "Não foi um grande jogo. Nenhum dos dois está jogando grande coisa. Eles têm potencial para fazer uma partida animada. Espero que o Tite comece com o Gerson. Quem ajeitou o meio-campo da seleção foi ele. O Vidal começou a cair quando o Gerson entrou, passou a marcá-lo mais de perto e ele não teve tanta liberdade", disse, destacando como o chileno teve mais dificuldades em campo na vitória por 1 a 0 do Brasil.

Marluci mostrou-se cética quanto às possibilidades de Tite promover mudanças na equipe para enfrentar os argentinos. "Não sei se ele vai mexer. Tenho minhas dúvidas. Ele é bem cabeça dura, como todo treinador da seleção normamente não se deixar pelas opiniões nem nas escalações e nem nas convocações. Não vai ser um grande jogo e periga ser um 0 a 0. Qunato à cabeça do Tite, não esperava que ele colocasse o Vinícius Júnior hoje [ontem], mas também esperava que ele botasse o Hulk", opinou.

Outra mudança que Renato gostaria de ver na seleção tem a ver com o posicionamento de Everton Ribeiro. "Ele tem que jogar pelo lado direito. No Flamengo, todos os técnicos que por lá passaram e tentaram colocá-lo no lugar do Arrascaeta viram que não deu certo. No jogo contra a argentina, o Gerosn deveria começar no meio-campo, com Everton Ribeiro pelo lado direito e com um centroavante de verdade", palpitou.

Para o jogo contra a Argentina, Marluci tem uma certeza: não repetiria a escalação usada por Tite contra os chilenos. "Gostei mais do time do segundo tempo. A entrada do Gerson foi fundamental. Eu insistira com o Gabigol. Apesar de tudo, ele não jogou mal. Quem foi mal mesmo, para mim, foi o Neymar. Fiquei bem decepcionada . Se fosse qualquer outro jogador teria saído", concluiu.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol