PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Cristiano Ronaldo já disse que nunca jogaria pelo City

Cristiano Ronaldo e Carlos Tevez comemoram gol em partida contra Manchester City e Manchester United no dia 10 de Maio de 2009, em Old Trafford. -  Alex Livesey/Getty Images
Cristiano Ronaldo e Carlos Tevez comemoram gol em partida contra Manchester City e Manchester United no dia 10 de Maio de 2009, em Old Trafford. Imagem: Alex Livesey/Getty Images

Colaboração para o UOL

26/08/2021 16h48

O português Cristiano Ronaldo, que já tem um princípio de acordo para deixar a Juventus rumo ao Manchester City, afirmou, anos atrás, que "nunca" jogaria pelo clube inglês.

Em 2009, quando atuava pelo Manchester United, o craque foi incisivo ao falar sobre a possibilidade de atuar pelo rival:

"Nunca. O City tem uma série de bons jogadores e pode ser um problema para o United, para o Arsenal, para o Chelsea. Mas isso não me interessa. Eu só estou interessado em jogar pelo Real Madrid ou times como Barcelona e Valência", disse o português na oportunidade.

Seis anos mais tarde, quando já atuava pelo clube merengue, Cristiano Ronaldo ainda reforçou seu "nunca". O craque foi perguntado se uma transferência para o City seria uma opção caso o "dinheiro certo" fosse oferecido.

"Você acha que dinheiro vai mudar minha mente aos 30 anos de idade? Eu não acho. Se você está falando sobre dinheiro, eu poderia ir para o Catar, eles provavelmente têm mais dinheiro que o City", respondeu, mais uma vez taxativo, o jogador eleito cinco vezes melhor do mundo.

Cristiano Ronaldo aceitou um contrato válido por duas temporadas, até junho de 2023, com um salário de 15 milhões de euros (R$ 92,5 milhões) por ano, para atuar pelo Manchester City.

Neste momento, o clube inglês tenta desbloquear a negociação com a Juventus, com quem o craque português tem vínculo até junho de 2022. Os italianos querem no mínimo 30 milhões de euros (R$ 184 milhões) para avançar com a transferência.

Errata: o texto foi atualizado
Cristiano Ronaldo foi eleito cinco vezes o melhor jogador do mundo, e não seis, como havia sido publicado no texto. A informação foi corrigida.

Futebol