PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Flu volta às quartas da Libertadores após 8 anos, mas precisa evoluir

Fred é o principal goleador do Fluminense na Libertadores - Lucas Mercon/Fluminense FC
Fred é o principal goleador do Fluminense na Libertadores Imagem: Lucas Mercon/Fluminense FC

Do UOL, em São Paulo

04/08/2021 04h00

Assim que chegou ao fim a partida contra o Cerro Porteño, ontem (3), no Maracanã, o centroavante Fred já tinha em sua mente o tempo de ausência do Fluminense nas quartas de final da Copa Libertadores da América. Foi uma de suas observações na vitória por 1 a 0 que colocou o Tricolor novamente entre os oito melhores do continente depois de oito anos.

O torneio de 2013 foi justamente o último que o Fluminense disputou. O Tricolor entrou como campeão brasileiro e foi líder de um grupo que tinha Grêmio, Huachipato e Caracas. No mata-mata, o time então dirigido por Abel Braga estreou com vitória sobre o Emelec, mas caiu diante do Olimpia com uma derrota de virada. E Fred estava em campo.

Essa foi uma das três vezes que o Fluminense atingiu o grupo dos oito melhores da América. Em 2012, o Tricolor ganhou um grupo em que também tinha Boca Juniors, Arsenal-ARG e Zamora-VEN. No mata-mata, superou o Internacional, mas caiu diante do próprio Boca na Bombonera nas quartas de final.

A outra vez foi mais especial ainda, pois o Flu conseguiu chegar até a final de 2008 com um time que contava com jogadores como Thiago Silva, Arouca, Cícero, Conca, Dodô e Washington.

Comandado pelo técnico Renato Gaúcho, o Tricolor foi o líder de seu grupo, com LDU, Arsenal-ARG e Libertad-PAR. No mata-mata, estreou vencendo o Nacional de Medellín antes de um confronto emocionante com o São Paulo. O gol da classificação saiu nos acréscimos da segunda partida, marcado por Washington, de cabeça.

Na semifinal, o Fluminense se tornou um dos poucos brasileiros que superaram o Boca Juniors em um mata-mata. Mas na decisão, o Tricolor sucumbiu em um reencontro com a LDU. Perdeu o jogo de ida por 4 a 2 e venceu a volta por 3 a 1. Nos pênaltis, foi derrotado por 3 a 1 em pleno Maracanã.

Nas demais edições de que participou, o Fluminense não conseguiu ir tão longe. Foi eliminado na primeira fase em 1971 e em 1985. Em 2011, caiu nas oitavas de final após perder por 3 a 0 para o Libertad, no Paraguai.

Em 2021, o adversário das quartas de final não tem tanta tradição, mas requer cuidados. O Barcelona de Guayaquil venceu na primeira fase um grupo que tinha Boca Juniors e Santos. Nas oitavas de final, saiu atrás do Vélez Sarsfield, na Argentina, mas se classificou com um triunfo por 3 a 1 em casa.

"A Libertadores é especial. A gente sabe a importância que ela tem para nós, tricolores, o tamanho. É a maior competição", comentou Fred, para logo depois mostrar que o Fluminense precisa melhorar para chegar entre os quatro melhores.

"Lógico que a gente tem que aumentar alguma coisa para chegar à semifinal. Tivemos momentos em que a gente jogava mal e ganhava. Fizemos questionamentos internamente. E a gente tem que encontrar o equilíbrio. O mais importante é evoluir sempre, e ninguém se cobra mais do que a gente", complementou o artilheiro do Tricolor na Libertadores, com cinco gols -o último deles ontem contra o Cerro.

Nesta reta final de Libertadores, uma das possibilidades especuladas é o encontro de Flamengo e Fluminense na semifinal. Para isso, o Tricolor tem de passar pelo Barcelona-EQU, enquanto o Rubro-Negro tem de superar o Olimpia.

Essa hipótese, contudo, ainda não é debatida por Fred. "A nossa motivação agora é o Barcelona. É uma equipe que tem muita qualidade e vamos ter que evoluir muito para passar. Já mostramos nessa competição que, quando a gente tem que mostrar personalidade e precisa se impor tecnicamente, emocionalmente e fisicamente, a gente consegue."

Enquanto isso, o Fluminense volta suas atenções para o Campeonato Brasileiro. No próximo domingo (8), o Tricolor encara o América-MG, em Belo Horizonte (MG), precisando se recuperar após sofrer duas derrotas consecutivas.

"A gente não pode abrir mão do campeonato. Mas é quase impossível jogar todos os jogos, de Libertadores, Brasileiro e Copa do Brasil, em alto nível, até pelo perfil que o time tem, de muita briga e entrega. Mas o que a comissão determinar, a gente vai fazer", explicou. "Esse é o nosso calendário. A gente não reclama, só agradece por estar disputando essas três competições."

Futebol