PUBLICIDADE
Topo

Futebol

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Perrone: "É muito cedo para comparar Flamengo de Renato ao de Jesus"

Do UOL, em São Paulo

29/07/2021 04h00

Classificação e Jogos

Bastaram cinco jogos para Renato Gaúcho despertar a empolgação dos torcedores do Flamengo. Com um aproveitamento de 100% sob o comando do treinador, o time rubro-negro reencontrou o futebol vistoso, acumula goleadas e, fato inevitável, desperta cada vez mais comparações com a época de Jorge Jesus. Exagero?

No Fim de Papo, live pós-rodada do UOL Esporte - com os jornalistas Luiza Oliveira, Ricardo Perrone, Marluci Martins e Maria Victoria Poli - os comentaristas falaram sobre estas comparações entre os times de Renato Gaúcho e Jorge Jesus. Eles preferem adotar um tom cauteloso ao falar sobre o atual momento do time.

Perrone considera muito prematuro fazer qualquer comparação entre os dois. "Está muito no começo. Temos que esperar. O que se nota é que vai ser mesmo a cara do Renato jogador: ofensivo, com um futebol alegre. Se pega um adversário de divisão inferior não vai se contentar em fazer 2 a 0; vai para cima para fazer cinco, seis. É muito cedo comparar com o do Jesus. Aquele time fez muita coisa durante muito tempo. É injusto com todo mundo a gente querer começar essa comparação agora", ponderou.

Embora a passagem de Jorge Jesus tenha sido marcante pelo Fla, Mavi também acha cedo demais para fazer comparações. "O Jesus está no coração de todos os torcedores e do elenco, mas tem que ter calma e deixar espaço para o Renato construir esse capítulo da história dele como treinador. Sempre rolou essa identificação dele com o clube", afirmou.

Marluci destacou que Renato deixou o ambiente mais leve na equipe, e isso tem importância fundamental na forma como o time tem jogado. "Esses gols estão saindo na base da confiança que ele está dando aos jogadores. Autoconfiança e alegria. Qualidade, esse time nunca perdeu", comentou, ressaltando a força ofensiva da equipe nos últimos cinco jogos: foram 21 gols marcados e apenas dois sofridos. A última vítima da fúria ofensiva do Fla foi o ABC, goleado por 6 a 0 nesta quinta-feira (29) no jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

Perrone elogiou a postura de Renato Gaúcho ao chegar à Gávea e pegar pontos positivos da passagem de Rogério Ceni. "Acho que o torcedor que se empolgar, mas se fizermos uma análise mesmo, é muito cedo. Ele mal começou o trabalho dele. O Renato tem o grande mérito de não querer chegar mudando tudo. Ele aproveita o trabalho que seu antecessor estava fazendo. Isso é muito importante em um técnico. Há treinador que quer destruir tudo e fazer do seu jeito", avaliou.

Para Mavi, Renato adotou uma atitude mais discreta em seu retorno ao Flamengo. "Vemos uma diferença de postura nas coletivas, um pouco mais comedido. Talvez para mudar essa percepção de que ele não entende tanto de tática, só trabalha o mental e deixa o time solto. Ele é muito bom nisso, mas está tentando fazer essa mudança e se segurando no deboche para passar essa sensação de técnico sério, que quer fazer um bom trabalho. É difícil não se empolgar com essas goleadas", concluiu.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol