PUBLICIDADE
Topo

Agora na LOUD, Luizinho e Quintas levam o skate para os esports

Maria Eduarda Cury

24/07/2021 11h00

Desde sua essência, os esportes eletrônicos possuíam uma relação distante com as modalidades tradicionais. Mas com inúmeros exemplos de jovens atletas que desistiram do campo físico para trilhar o caminho do digital, grandes nomes do esporte que hoje atuam nos esports e até clubes de futebol com seus próprios times em videogames, essa distância foi aos poucos diminuindo.

Com mais de 10 anos de solidificação dos cenários brasileiros e migrações entre os mesmos — incluindo Counter-Strike, League of Legends e Rainbow Six —, agora são as organizações de esports que estão indo atrás do mundo esportivo. No clima de Olimpíadas, a brasileira LOUD contratou os atletas olímpicos Luiz Francisco e Pedro Quintas como influenciadores da equipe. Gigante no Free Fire, Fortnite e League of Legends, a organização também é a mais popular do Brasil.

Anunciados na última quinta-feira, 23, os skatistas — que viajarão com a Seleção Brasileira para os Jogos Olímpicos pela primeira vez — conversaram com o UOL Esporte sobre a entrada para a organização, sua relação com os videogames e o que virá pela frente.

Nascido em Lorena, Luiz, 21, é o terceiro colocado da categoria de park mundial. Tendo desenvolvido sua carreira profissional nas modalidades park e bow, sua história com o esporte começou aos 5 anos de idade, quando sua avó lhe deu seu primeiro skate. "Construíram uma pista do lado da minha casa, e eu ia literalmente todos os dias com meus pais e primos. Era papo de ir para a escola, voltar e ficar na pista o dia inteiro".

Foi nessa mesma pista que ele começou a ter um interesse mais sério pela prática. Na época, seu estilo de preferência era o street e, com 7 anos, venceu seu primeiro campeonato de bairro da modalidade.

"Eu sempre fui muito competitivo e, desde então, não parei mais. "Quando fiz 10 anos, decidi que era isso que queria para a minha vida". - Luiz Francisco

Quando completou 14 anos, o atleta recebeu seu primeiro convite para prestigiar um campeonato no exterior. Com família de origem humilde, o jovem atleta precisou recorrer a doações e empréstimos de amigos e parentes para conseguir realizar a viagem para os Estados Unidos — quando chegou lá, porém, os donos do torneio excluíram todos os convidados do campeonato sem aviso prévio. Frustrado, ele contou que retornou para o Brasil com a ideia de desistir do cenário nacional de street.

Chegando aqui, Luiz trocou para a modalidade bowl, onde acabou conhecendo Pedro Quintas, que hoje está com ele na LOUD. Para não atropelar as coisas, ele ficou fora do competitivo por dois anos para aprender tudo sobre os estilos bowl e park — nos quais realmente se profissionalizou. Enquanto isso, Quintas permanecia crescendo no cenário amador e, quando Luiz completou 15 anos de idade, retornou para a cena profissional.

Enquanto isso, Quintas, de 19, trilhava seu próprio caminho até os Jogos Olímpicos atuais. Apaixonado pelo skate desde os 3 anos de idade, o atleta também teve bastante apoio familiar para seguir na carreira. Com cinco anos de idade, já estava viajando pelo Brasil descobrindo pistas cada vez mais desafiadoras e, com 9 anos, estava na Califórnia com seu pai - estado norte-americano considerado o centro do esporte.

O investimento externo na carreira de Quintas começou bem cedo - antes mesmo do atleta completar 10 anos de idade -, enquanto o primeiro patrocínio de Luiz veio em 2017, após conquistar os títulos do Campeonato Brasileiro Amador nas modalidades Bowl e Skate Park. Tendo passado por diversas dificuldades financeiras quando criança, Luizinho, como é conhecido, e sua família receberam a ajuda do apresentador Gugu Liberato para a reforma de sua casa com o quadro "Sonhar Mais um Sonho". Ele e o irmão André, que também anda de skate, se tornaram populares no país pelo apelido "os irmãos skatistas".

O destino dos dois atletas, porém, se aproxima cada vez mais. Em 2019, Luizinho já estava completamente imerso no cenário profissional, enquanto Quintas crescia no amador. No mesmo ano, porém, ambos conseguiram entrar para a Seleção Brasileira e, desde então, não se separaram mais.

Sobre a vida fora do skate, a vida de um é marcada por regras e, a do outro, pelo momento. Na cabeça de Quintas, que sempre visou a profissionalização, os cuidados com a mente e a saúde sempre foram essenciais em seu crescimento.

"Eu sempre me preparei, sempre curti cuidar da minha saúde. Eu surfava, fazia diversos outros esportes e, por isso, sempre cuidei da minha alimentação. Faço, também, treino funcional para outras áreas - o necessário para ser um atleta de ponta." - Pedro Quintas

Já para seu colega de modalidade, que deixou a brincadeira de lado alguns anos mais tarde, os cuidados com o corpo vieram somente após 2015, quando já tinha completado seus 15 anos. Para ambos, a Olimpíada veio para aprimorar ainda mais essa parte em uma atividade com histórico de marginalização. "A Seleção e a entrada nos Jogos Olímpicos abriu portas para reduzir o preconceito contra o skate e, também, para que toda a comunidade tratasse o esporte com mais seriedade", completou.

Das pistas para a LOUD

Como típicos adolescentes, tanto Quintas como Luizinho possuem suas próprias histórias com videogames. Compartilhando do gosto pelos jogos de tiro - Call of Duty, para Quintas, e VALORANT para Luiz - e também pelo GTA RP atualmente, os amigos e colegas de profissão também passam seu tempo livre jogando juntos.

O primeiro a ser contatado pela organização de esports foi Luizinho, que recebeu uma mensagem particular de Jean Ortega, um dos donos da LOUD. Ele conta que acompanha a equipe desde sua criação, e ficou emocionado com a mensagem.

"Fortnite, Free Fire e tal são jogos que meu irmão sempre jogou - e ele é 10x mais fissurado do que eu. Quando a LOUD surgiu, ele me apresentou e eu também comecei a jogar junto e acompanhar as lives - principalmente as do Coringa. Hoje, eu jogo mais GTA RP - também por causa dele. Então eu topei na hora a proposta do Jean, sem nem saber dos detalhes direito". - Luiz Francisco

A ideia de fazer algo fora do skate sempre foi uma realidade pensada pelo atleta, que imediatamente abraçou a causa. O amigo mostrou a mensagem para Quintas, que logo se animou e também entrou em contato com a organização querendo fazer parte do projeto. "Eu sempre curti acompanhar a LOUD e, para mim, isso é mais uma oportunidade para apresentar ao público de esports o nosso mundo e, talvez, fazê-los conhecer esse esporte lindo".

Sobre o famoso "efeito LOUD" - isto, é, o aumento gigantesco de seguidores e fãs para cada novo membro da organização, ambos os jovens estavam ansiosos por esse momento. "Eu estava em choque e com medo por ser a primeira vez que eles iriam sair, de fato, do esport - e fiquei com receio de a torcida não curtir muito a ideia. Mas eu só tenho a agradecer, foi uma loucura que mudou a minha vida. Em menos de 24 horas, eu já estava com mais de 50 mil de seguidores no Instagram e não parava de subir.", comentou Luizinho.

Já Quintas estava um pouco mais positivo em relação aos fãs. "Eu vi o que aconteceu quando a Bianca "Thaiga" entrou e fiquei pensando se iria rolar conosco de forma similar - e rolou. Ver toda aquela comunidade te abraçando, mandando boas-vindas traz um carinho e um amor muito grande e ficamos eufóricos o dia inteiro", completou o atleta.

Mesmo com o amor pelos games, os dois garantem que vão continuar dando total prioridade para o skate. Eles adiantam que conversaram com Jean sobre a possibilidade de, assim que retornarem para o Brasil, fazerem lives na pista de skate enquanto conversam com os fãs. O intuito da presença dos jovens na LOUD é, essencialmente, apresentar os fãs para o seu estilo de vida.

Quintas ainda comentou que tem a intenção de poder realizar algumas transmissões - sem uma agenda fixa, no início - durante a semana para se aproximar da comunidade. E Luiz, que já tem alguma experiência com lives casuais antes mesmo da LOUD, disse que tem muita vontade de conhecer mais esse mundo e, quem sabe, participar das transmissões de GTA RP com os membros da organização.

Ele ainda entregou que Victor "Coringa", um dos streamers da equipe, já está aprendendo a andar de skate com eles.

"Os espaços do esporte eletrônico e o do tradicional são muito diferentes, mas cada vez mais eu e o Luiz vamos nos esforçar para aproximá-los. Queremos apresentar todo mundo para o skate, assim como eles vão nos apresentar novos jogos. Eu diria que a junção dos dois mundos tem tudo para ser revolucionária no meio". - Pedro Quintas