PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Homem é preso pela 2ª vez por aliciar jovens com promessa de jogarem no RJ

A Polícia Civil do Rio prendeu ontem um homem suspeito de aliciar jovens atletas de futebol com a promessa de que receberiam treinamento para ingressarem em grandes clubes do Rio de Janeiro. Os policiais encontraram 17 jovens - seis do estado do Pará e do Amazonas - em um sítio em Xerém, distrito de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.  - Divulgação/Polícia Civil
A Polícia Civil do Rio prendeu ontem um homem suspeito de aliciar jovens atletas de futebol com a promessa de que receberiam treinamento para ingressarem em grandes clubes do Rio de Janeiro. Os policiais encontraram 17 jovens - seis do estado do Pará e do Amazonas - em um sítio em Xerém, distrito de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Imagem: Divulgação/Polícia Civil

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

23/07/2021 11h01

A Polícia Civil do Rio prendeu ontem um homem suspeito de aliciar jovens atletas de futebol com a promessa de que receberiam treinamento para ingressarem em grandes clubes do Rio de Janeiro. Os policiais encontraram 17 jovens que vieram de outros estados, como Amazonas e Pará, em um sítio em Xerém, distrito de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Essa foi a segunda vez em menos de um ano que Jorge dos Santos foi preso pelo mesmo crime. Em dezembro do ano passado, ele foi preso em flagrante por manter 13 meninos em cárcere privado. Jorge ficou seis meses preso e menos de dois meses após ser solto, voltou a cometer o mesmo crime.

De acordo com a delegada Juliana Emerique, da Delegacia de Xerém (61ª DP), o aliciador cobrava uma taxa de R$ 400 a R$ 500 das famílias dos jovens para custear o suposto treinamento e estadia dos garotos. O grupo era composto por crianças, adolescentes e jovens e chegou no RJ há um mês.

"Ele vai responder por estelionato. Ele brincava com o sonho das crianças, dos adolescentes e dos jovens, pois tinham maiores de 18 anos [no grupo]. Ele vai responder por supressão de documentos, embora ele tenha instruído os jovens de que eles tinham os documentos, na verdade, quando a noite chegava, eles ficavam trancados. E por isso vai responder também por cárcere privado", explicou a delegada ao UOL.

A ação de ontem contou com apoio do 4º Conselho Tutelar de Duque de Caxias. A conselheira Sabrina Torres disse que, após serem resgatados, os meninos foram levados para uma casa de passagem na cidade e que o órgão está solicitando junto ao município o retorno dos jovens para casa.

"O conselho está encaminhando uma inicial à Promotoria de Duque de Caxias solicitando o recambiamento dos adolescentes, ao qual o município iria custear as passagens de volta. As falas deles tangem ao sonho de serem jogadores de futebol".

Segundo Torres, as vítimas também contam com apoio psicológico para identificar possíveis atos de violência física, psicológica ou verbal cometidos.

Primeira prisão em dezembro

Jorge Valnei dos Santos já havia sido preso pelo mesmo crime em dezembro de 2020. Na época, os policiais encontraram no sítio 13 jovens mantidos em cárcere privado. As vítimas eram de vários estados: Alagoas, Pará, Amazonas e Paraíba. Todos foram atraídos com a promessa de que seriam inseridos em grandes clubes do futebol carioca.

"Os meninos eram trancados em alojamentos sem qualquer proteção contra incêndio e com pouca iluminação. Os menores não tinham acesso a seus documentos e tinham contato com seus familiares controlados", recordou a Polícia Civil.

Os próprios garotos faziam tarefas domésticas, como limpar e cozinhar. O grupo não estudava. Um pequeno campo de futebol na propriedade era usado para alguns treinamentos.

Na ocasião, o Fluminense ofereceu o CT do clube em Xerém para que os meninos fizessem testes de futebol e não desistissem de seus sonhos.

Futebol