PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

RMP: CBF trouxe a Copa América, importou cepas e perdeu para a Argentina

Do UOL, em São Paulo

13/07/2021 11h58

Classificação e Jogos

A Argentina seria sede da Copa América ao lado da Colômbia, mas optou por abrir mão da realização do evento devido à pandemia, com o Brasil assumindo a competição, que nos últimos dias teve a informação de trouxe novas cepas da covid-19 para o país, além de no final a comemoração do título ser da seleção de Lionel Messi no Maracanã.

Em sua participação no programa UOL News Esporte, com Domitila Becker, Renato Maurício Prado ironiza a CBF por ter realizado a competição, criado o risco da vinda de novas cepas e ainda com a seleção brasileira perdendo a final em casa para a Argentina.

"A CBF, que beleza! Trouxe a Copa América para cá, que não precisava trazer, importou cepas diferentes de covid, como a gente já sabe que aconteceu, se não me engano, em Belo Horizonte ou Mato Grosso, não sei qual dos dois, mas já se identificou cepas de covid que o Brasil não tinha e ainda perdeu o título para a Argentina no Maracanã. Parabéns, CBF! Que lambança", diz Renato.

O jornalista também elogiou a atitude de Messi, que durante a comemoração ainda no gramado, se recusou a cantar música de provocação aos brasileiros.

"Mandou muito bem o Messi, os caras foram campeões, com todos os méritos, dentro do Maracanã, isso já é um feito espetacular, para quê provocar? Qual o sentido disso? Não existe provocação maior do que eles ganharem o título como eles ganharam, então o Messi está perfeito", diz Renato.

Renato Maurício Prado também comenta a ida do povo argentino às ruas de Buenos Aires, motivo de preocupação pelo ministério da saúde local. Para o jornalista, não seria semelhante no Brasil em caso de título, considerando também o significado para a Argentina devido ao fato de a seleção não vencer competições desde 1993.

"Se o Brasil fosse campeão, não iria juntar dez pessoas lá na Avenida Paulista, nem na Atlântica. Imagina. Agora, aí tem todo um simbolismo, que ajuda a entender isso. Primeiro que é ganhar do Brasil no Brasil, isso para os argentinos tem um valor enorme. Segundo que é o primeiro grande título do Messi, o Messi conquista o seu primeiro título com a camisa da seleção argentina na seleção profissional. E aí eu aproveito para lembrar como é que não vale nada o título olímpico, porque o Messi é campeão olímpico com a seleção argentina e ninguém lembra", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol