PUBLICIDADE
Topo

Fluminense

Fluminense joga bem, bate Cerro no Paraguai e abre vantagem na Libertadores

Nenê abriu o placar e comandou o Fluminense em vitória sobre o Cerro Porteño pela Libertadores - Getty Images
Nenê abriu o placar e comandou o Fluminense em vitória sobre o Cerro Porteño pela Libertadores Imagem: Getty Images

Caio Blois

Do UOL, no Rio de Janeiro

13/07/2021 21h13

No Paraguai, o Fluminense jogou bem e venceu o Cerro Porteño por 2 a 0, com gols de Nenê e Egídio. Agora, o Tricolor volta para o Rio de Janeiro com grande vantagem nas oitavas de final da Libertadores.

Mesmo fora de casa e sem Fred, machucado, o Flu não tomou conhecimento do adversário e foi melhor em todo o jogo. O placar de 2 a 0 foi até pouco para a superioridade brasileira em Assunção.

Com a faixa de capitão no braço, Nenê não só abriu o placar como teve atuação de gala em La Olla Azulgrana, e contou com a ajuda de Caio Paulista, Luiz Henrique, André e companhia para trazer grande resultado de volta ao Brasil na competição continental.

Nenê comanda time e é o melhor em campo

Uma cobrança de falta no travessão, um gol e lindas jogadas. Se antes disputava vaga no time titular, Nenê ganhou de vez o lugar no 11 inicial de Roger Machado com a grande partida no Paraguai. O camisa 77 foi o melhor em campo do Fluminense na grande atuação em La Olla Azulgrana, e só saiu substituído para preservar a parte física. O meia de quase 40 anos teve atuação de gala.

Caio Paulista e Luiz Henrique levam paraguaios à loucura

Criticado em 2020, fundamental no Fluminense em 2021. Caio Paulista só faltou levar o carnaval do Rio de Janeiro para Assunção. Importante taticamente, o atacante também fez grandes jogadas pelo lado esquerdo e levou a melhor em quase todos os lances pelos dois lados do campo. Substituto de Gabriel Teixeira na direita, Luiz Henrique também entrou muito bem no jogo, fez a jogada do primeiro gol e cansou a defesa do Cerro no segundo tempo.

Flu começa melhor e leva perigo

Mesmo atuando fora de casa, o Fluminense se impôs em La Olla Azulgrana e colocou o Cerro Porteño na roda nos primeiros minutos de jogo. Ocupando o campo de ataque e cedendo poucos espaços na defesa, o Tricolor criou muitas chances, mas ficou faltando o gol. Aos seis, Nenê quase abriu o placar, mas Jean fez grande defesa. Três minutos depois, em uma blitz do Flu, Yago matou no bico da grande área e bateu cruzado com força, obrigando o goleiro brasileiro do time paraguaio a fazer mais uma intervenção.

Jean salva Cerro Porteño do pior

Curiosamente, um brasileiro foi o vilão para o Tricolor no primeiro tempo. Jean, ex-São Paulo, Atlético-GO e Bahia, dono da meta do "Ciclón", salvou sua equipe do pior com grandes defesas. Nos primeiros 15 minutos, ele já tinha três defesaças, mas foi aos 24, em chute rasteiro de Abel Hernández, que o goleiro teve seu grande lance no jogo, tocando com a ponta dos dedos para evitar o que seria o primeiro gol do Flu.

Nenê carimba travessão em falta

O Fluminense era o dono do jogo quando aos 28, Gabriel Teixeira puxou contra-ataque e foi derrubado por Duarte na entrada da área. A falta perigosa quase fez o Tricolor abrir o placar. Na cobrança, Nenê bateu com capricho, mas parou no travessão. Herói até então, o goleiro Jean ficou estático no meio do gol e não teria chance de fazer nada no lance.

Cerro assusta com Boselli

Outros velhos conhecidos da torcida tricolor quase complicaram o Flu aos 34: ex-atacante do clube, Mateus Gonçalves cruzou na cabeça de Boselli, mas o experiente atacante, com passagem pelo Corinthians, parou em Marcos Felipe. A cabeçada à queima-roupa encontrou uma grande defesa do goleiro tricolor para salvar o Fluminense. Antes, Morales já havia assustado o time das Laranjeiras, em chute para fora na grande área.

Árbitro faz lambança e anula gol do Cerro

As chances fizeram o time da casa crescer no jogo no fim do primeiro tempo. Aos 40, a zaga do Flu dormiu no ponto e Boselli recebeu bolão de Aquino, outro ex-jogador tricolor. O centroavante dividiu com Marcos Felipe, levou a melhor e, com o gol aberto, tocou para o fundo das redes. O auxiliar Julio Fernández prontamente levantou a bandeira assinalando impedimento, que foi confirmado pelo VAR. O problema é que o gol foi anulado incorretamente, pois o árbitro Facundo Tello apitou antes da conclusão do lance, impedindo o árbitro de vídeo de corrigir a marcação.

Flu volta melhor e abre placar

Assim como no início do jogo, o Fluminense começou muito melhor que o Cerro Porteño, com Luiz Henrique na vaga de Gabriel Teixeira. Dessa vez, entretanto, não demorou a balançar as redes. Aos três minutos, o jovem que acabara de entrar tabelou com André, foi à linha de fundo e cruzou para trás. Abel furou, mas Caio Paulista ajeitou para Nenê chegar batendo com força para abrir o placar.

Cerro perde chance clara

Pouco tempo depois, embora um tanto perdido no jogo, o Cerro teve chance clara de empatar, mas perdeu. Aos seis, Espínola recebeu uma bola após confusão na área e, sozinho, mandou por cima. Por pouco, os paraguaios não igualaram o marcador.

Egídio marca seu 1º gol pelo Flu e aumenta

O gol do Fluminense fez o Cerro Porteño se abrir mais e, com a defesa lenta, ceder muitos espaços. Sem nada a ver com isso, o Tricolor logo aproveitou. Aos 15, o Flu trabalhou bem pela esquerda e a bola chegou até Egídio, que soltou uma bomba para fazer o seu primeiro gol com a camisa tricolor e aumentar a fatura no Paraguai.

Tricolor quase marca o terceiro

Em mais uma jogada pela esquerda, o Tricolor quase marcou mais um em La Olla Azulgrana. Aos 20, Egídio aproveitou sobra de escanteio para pegar a zaga saindo e cruzar alto. Abel Hernández subiu mais que todo mundo e raspou no segundo pau, mas a bola saiu caprichosamente tirando tinta do gol de Jean. Seis minutos depois, em contra-ataque, Caio Paulista bateu com força, mas mandou para fora em contra-ataque.

VAR entra em ação, mas não marca pênalti de Egídio

O Cerro Porteño foi tão pior que o Fluminense que o árbitro de vídeo foi quem mais assustou o Tricolor no Paraguai. Aos 33, o VAR entrou em ação para checar um possível toque de mão de Egídio na grande área. O lance foi duvidoso e, sem clareza, o árbitro mandou o jogo seguir, mantendo sua marcação de campo.

Lucca isola grande chance no fim do jogo

O resultado podia ter sido ainda melhor se, na pequena área, Lucca não tivesse isolado a chance que teve aos 44 do segundo tempo. O camisa 7 não aproveitou rebote de cruzamento de Luiz Henrique, em grande jogada pela esquerda. Com a faca e o queijo na mão, já que o goleiro estava batido, o jogador perdeu oportunidade claríssima de praticamente selar o confronto já no primeiro jogo.

FICHA TÉCNICA

COPA LIBERTADORES DA AMÉRICA 2021

CERRO PORTEÑO 0x2 FLUMINENSE

Data e hora: 13/07/2021, às 19h15 (de Brasília)
Local: Estádio La Nueva Olla, Assunção (PAR)
Árbitro: Facundo Tello (ARG)
Assistentes: Cristian Navarro (ARG) e Julio Fernandez (ARG)
Árbitro de vídeo: Cesar Deishler (CHI)

Gols: Nenê, aos 3' do 2º tempo, e Egídio, aos 15' do 2º tempo
Cartões amarelos: Alexis Duarte (CP)

CERRO PORTEÑO: Jean; Espínola (Fernando Romero), Duarte, Delvalle, Alan; Villasanti, Morales (Adrián Martínez), Carrascal (Bobadilla), Claudio Aquino, Mateus Gonçalves (Giménez); Mauro Boselli (Fariña). Técnico: Francisco Arce.

FLUMINENSE: Marcos Felipe; Samuel Xavier, Manoel, Luccas Claro, Egídio; André (Wellington), Yago Felipe, Nene (Cazares); Gabriel Teixeira (Luiz Henrique), Caio Paulista (Kayky) e Abel Hernández (Lucca). Técnico: Roger Machado.

Fluminense