PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

Ceni elogia atuação do Fla e diz que 'o certo de ontem é o errado de hoje'

Rogério Ceni, técnico do Flamengo, durante a partida contra o Fluminense - Alexandre Vidal / Flamengo
Rogério Ceni, técnico do Flamengo, durante a partida contra o Fluminense Imagem: Alexandre Vidal / Flamengo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/07/2021 19h27

Classificação e Jogos

A derrota por 1 a 0 para o Fluminense não deixou nada satisfeito o técnico Rogério Ceni. Muito incomodado na entrevista coletiva, O treinador destacou que o Rubro-Negro foi melhor em campo e sempre propôs jogo. No entanto, o revés na nona rodada do Brasileirão faz com que as críticas aumentem.

Um dos pontos que o treinador discordou foi sobre a necessidade de tirar o Michael do time. O comandante contou ele não estava desgastado e que o sacou para dar munição aos homens de frente e manter a defesa protegida, por isso acionou Thiago Maia e Max no embate.

"Nem por cansaço, nem por opção técnica, mas por opção tática. Curiosamente, no último jogo eu deixei e perguntaram a razão de eu ter deixado. Quando o resultado negativo acontece, o certo de ontem é o errado de hoje. Tentei deixar o Bruno Henrique aberto, primeiro troquei os dois de lado para ter dois de velocidade e dois 9 na frente. O Fluminense fez as trocas, posição por posição, e aí coloquei o Thiago Maia e o Max. É normal ir se cansando. Deixei três homens de frente com o objetivo de ganhar. Infelizmente, perdemos em um contra-ataque", contou em coletiva.

Ceni também fez questão de reforçar o domínio do Mengo na partida e maior criação ofensiva. "Nós só criamos 21 oportunidades de gol, finalizamos 21 vezes. Nossa média é muito alta, quase sempre o dobro de todos os adversários que enfrentamos na maioria das vezes. O importante é que se faça gols. Infelizmente, finalizamos bastante, mas pecamos muito na finalização", avaliou.

Outro ponto que não deixou o treinador satisfeito foi sobre a pouca utilização de atletas revelados no Ninho do Urubu. "Sempre tem que olhar com carinho da base. No último jogo, terminamos com seis da base em campo. Hoje trouxemos 9 para o jogo. O Muniz, que é da base, está com grandes propostas hoje. É um time que contrata jogadores caros e faz ou fez investimentos, além de ter jogadores da base. É sempre uma mescla e temos que usufruir o máximo da base", emendou.

Ceni também fez questão de apontar a boa atuação do Flamengo, apesar da derrota na Neo Química Arena, em São Paulo. O técnico valorizou a iniciativa e também lamentou pelo alto número de desfalques, principalmente nos setor do meio-campo.

"Nós sempre propusemos o jogo e tivemos a iniciativa, desde que chegamos aqui. Sempre criamos grandes oportunidades e, nem sempre concluir em gols. Temos vários jogadores na Seleção, esse é o sétimo jogo que fazemos com um elenco bem reduzido, curto. Nós jogávamos com quatro (camisa) '10' no meio, um foi embora, outro teve lesão e os outros dois estão na seleção e isso muda o sistema de jogo. Vejo um primeiro tempo bem superior e o segundo equilibrado", avaliou.

Confira os outros pontos da coletiva

Saída de João Gomes

Já era o minuto 65, 66, quando o João Gomes saiu. Estamos colocando o Maia, que estamos colocando com o passar do tempo para que ganhe ritmo. Tem jogo a cada três dias, essa é a única maneira. O João já tinha baixado um pouco de rendimento. Depois o deslocamos para ser o 10 e tentamos ser mais ofensivos possíveis e ganhar.

Bruno Henrique, Vitinho e Michael

Infelizmente, não tiveram tão bem tecnicamente no jogo hoje. O Bruno tentou alguns dribles, não conseguiu. O Pedro tentou alguns chutes. Acho que é uma coisa particular de jogadores que não renderam tão bem, como costumeiramente conseguem.

Derrota compromete?

Toda derrota, principalmente se tratando de Flamengo, compromete. O Flamengo sempre entra em campo com objetivo de vencer, nem fazemos contas de quem está fora. Ano passado vencemos o campeonato por apenas um ponto. Cada ponto que se deixa para trás, assim como cada vitória que você conquista, é muito importante. Dominamos o jogo mais uma vez, assim como quase em todas as paridas, mas a bola não entra, e nos acréscimos acaba sofrendo o gol que dá a vitória ao adversário.

O que fazer para melhorar?

Eu treino bastante finalização e eu quero continuar sendo sempre superior a todos adversários e ser propositivo, temos mais controle de jogo. Espero que, no momento correto, as chances que a gente cria sejam convertidas em gol.

Flamengo