PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Colômbia: ataque soma 72 gols na temporada, mas só 3 gols na Copa América

Jogadores da Colômbia comemoram classificação na Copa América - Andressa Anholete/Getty Images
Jogadores da Colômbia comemoram classificação na Copa América Imagem: Andressa Anholete/Getty Images

Marinho Saldanha

Do UOL, em Brasília (DF)

04/07/2021 11h00

Classificação e Jogos

Muriel e Zapata jogam juntos na Atalanta, da Itália. O primeiro fez 26 gols em 46 partidas, o segundo marcou 19 vezes em 49 compromissos. Luis Diaz joga no Porto, de Portugal, e marcou 11 gols em 47 jogos. Já Borré, que foi pretendido por Grêmio e Palmeiras, cumpriu seu contrato com River Plate marcando 16 gols em 35 oportunidades. Somados, os quatros atacantes titulares da seleção da Colômbia na Copa América marcaram 72 gols na temporada que antecedeu o torneio no Brasil.

A lógica diria que quanto mais jogadores no setor ofensivo, mais gols. Mas a Colômbia de Reinaldo Rueda desafia essa lógica. Classificada para semifinal, a seleção atua com um quarteto de frente e marcou só três vezes no torneio, o menor número de gols entre os quatro times que restam na disputa pelo título.

O Brasil, do técnico Tite, famoso por formar sistemas defensivos sólidos, marcou 11 gols até agora. A Argentina, que repetidamente é criticada por ser "refém" de Messi, fez dez. E o Peru, que não é exatamente uma força do futebol sul-americano, já marcou oito gols. Nem mesmo o histórico colombiano, foi marcado pela força de ataque e berço de goleadores como Asprilla, Aristizábal e Falcão Garcia, ajuda.

"Realmente, temos este desafio de fazer os jogadores de ataque renderem na seleção o que eles costumam render em seus clubes", admitiu o técnico Reinaldo Rueda antes do jogo das quartas de final com o Uruguai. E o desafio segue, pois naquela partida os gols aconteceram só nas cobranças de pênalti.

Para tentar resolver o problema da falta de bolas na rede, Rueda empilha jogadores de frente. Contra o Uruguai, foram quatro desde o início. Borré começou aberto pela direita, Diaz pela esquerda, Muriel e Zapata centralizados. A movimentação só mudou um pouco quando Chará entrou na equipe, levando Borré para mais perto do gol rival.

"Não podemos dizer que foram quatro atacantes, por mais que sejam de fato jogadores de ataque. Diaz e Borre jogaram também como meias, até Muriel recuou um pouco", explicou Rueda.

A Colômbia encara a Argentina nesta terça-feira (3), no Mané Garrincha, às 22h (de Brasília), de olho em uma vaga na final da Copa América. Do outro lado da chave estão Brasil e Peru, que jogam hoje (2), às 20h (de Brasília).

Esporte