PUBLICIDADE
Topo

Série B - 2021

Vasco vence o Brusque em jogo com comemoração simbólica de Cano

Cano celebra gol do Vasco contra o Brusque, pela Série B do Brasileiro - NAYRA HALM/AGÊNCIA O DIA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO
Cano celebra gol do Vasco contra o Brusque, pela Série B do Brasileiro Imagem: NAYRA HALM/AGÊNCIA O DIA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO

Igor Siqueira

Do UOL, no Rio de Janeiro

27/06/2021 23h00

Classificação e Jogos

O Vasco pegou o elevador na Série B com uma vitória crucial e apertada diante do Brusque por 2 a 1, em São Januário. O jogo da noite deste domingo (27), pela sétima rodada, teve uma série de simbolismos, reencontros com o passado e emoção.

Fato é que os gols de Cano e Léo Matos levaram o Vasco ao sexto lugar da competição, com dez pontos, dois atrás que o Sampaio Corrêa, que hoje fecha o G4. A terceira vitória cruz-maltina fez com que o time do técnico Marcelo Cabo ultrapassasse o próprio Brusque

Na próxima rodada, o Vasco visita o Goiás, na Serrinha, quarta-feira (30), às 19h. Já o Brusque recebe o Brasil de Pelotas no mesmo dia, mas às 17h.

Cano: Melhor do Vasco

Um toque. O velho hábito de Germán Cano na hora de finalizar resume a capacidade do atacante de fazer gols. E foi assim que ele abriu o caminho para o bom resultado diante do Brusque. Para além da conclusão certeira no segundo tempo, ele já tinha criado oportunidades de perigo na etapa inicial. Em uma delas, serviu Morato, que, de cara, não conseguiu direcionar bem o chute.

A comemoração de Cano foi um episódio à parte. Vibrando muito, o argentino retirou e ergueu a bandeira do escanteio, que estava com as cores do arco-íris. O árbitro mostrou cartão amarelo para o centroavante vascaíno.

Orgulho na camisa e "respeito" na arquibancada

O Vasco foi a campo com o novo uniforme, em homenagem ao movimento LGBTQIA+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Queer, Intersexo, Assexual e +). A faixa transversal no peito vascaíno ganhou as cores do arco-íris. Mais cedo, o zagueiro e capitão Leandro Castan publicou no Instagram uma citação da Bíblia com a intenção de mostrar a origem do arco-íris, segundo o texto.

Indagado sobre o posicionamento do jogador, o Vasco respondeu "que se orgulha de ser um defensor histórico da diversidade, o que o torna, de fato, um clube de todos". Em nota, acrescentou que "a inclusão e acolhimento defendidos pelo Vasco pressupõem o respeito às individualidades e opiniões de seus atletas, colaboradores e torcedores". O Vasco ainda se disse "imbuído da missão de participar ativamente do debate acerca de temas importantes para a sociedade, o que não significa limitar a participação de quem quer que seja nessas discussões".

Na arquibancada, o Vasco fez um mosaico com a palavra "respeito". A letra "i" foi formada com as cores do arco-íris.

Situação do gramado

O campo de São Januário foi mais exigido do que de costume. O estádio recebeu mais cedo o duelo entre Fluminense e Corinthians, pela Série A. Coube ao dono do estádio, no entanto, receber um gramado já desgastado. São Januário, inclusive, tem abrigado algumas partidas dos clubes do Rio porque o Nilton Santos e o Maracanã estão cedidos à disputa da Copa América. A diretoria vascaína recentemente esteve na CBF para discutir esse cenário. A marcação de dois jogos no mesmo dia foi combinada previamente com a entidade.

Quatro pontos

O lateral esquerdo Riquelme foi substituído ainda aos 41 minutos do primeiro tempo depois de ser atingido com o braço do meia Diego Mathias. O jogador do Brusque foi quem sofreu a falta na disputa, mas levou amarelo mesmo assim. Com sangramento no nariz, Riquelme precisou deixar a partida. O lateral levou quatro pontos no local. Marcelo Cabo optou por deslocar o meio-campo MT para a lateral, lançando Sarrafiore no jogo.

Cria do Vasco brilha pelo Busque

O gol de empate do Brusque, marcado aos 34 minutos do segundo tempo, veio com um jogador que já conhecia bem a Colina: o atacante Edu. Hoje com 29 anos, ele passou pela base vascaína entre 2004 e 2009. Na Série B atual, chegou ao quinto gol, sendo o principal responsável pelas bolas na rede do time. O Brusque tem sete gols na competição. Quando Edu empatou o jogo, o pai do jogador, que é vascaíno e estava entre os convidados do time visitante no estádio, caiu em lágrimas.

Desprotegido

O gol de empate do Brusque saiu instantes depois de o técnico Marcelo Cabo alertar os volantes Andrey e Galarza para não afrouxar a marcação. Castan, inclusive, teve uma conversa mais direta com o paraguaio para que a linha defensiva não ficasse tão desguarnecida.

Salvação no fim

Coube a Léo Matos, já aos 42 minutos do segundo tempo, fazer o gol que deu a vitória ao Vasco. A jogada teve participação de Leandro Castan, que ganhou a disputa pelo alto, fazendo com que a bola chegasse para o lateral na área. Ele estava livre e não perdeu a oportunidade. Mas a escalação de Léo Matos coincide com um episódio triste para Zeca, que fora titular no jogo anterior, contra o Cruzeiro. Como perdeu um tio, ele não foi relacionado para o jogo contra o Brusque.

FICHA TÉCNICA:

VASCO 2 x 1 BRUSQUE
Competição: Brasileirão Série B, 7ª rodada
Local: estádio São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 27 de junho de 2021 (domingo), às 21h (de Brasília)
Árbitro: Salim Fende Chavez (SP)
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse e Daniel Paulo Ziolli (SP)
Cartões amarelos: Cano, Léo Matos, Castán, Daniel Amorin e MT (Vasco); Diego Mathias, Thiago Alagoano e Bruno Lopes (BRU)
Gols: Cano, 17'/2ºT (1-0); Edu, 34'/2ºT (1-1); Léo Matos, 42'/2ºT (2-1)

VASCO: Lucão; Léo Matos, Ernando, Leandro Castan e Riquelme (Sarrafiore); Andrey, Galarza (Gabriel Pec), MT (João Pedro), Marquinhos Gabriel (Daniel Amorim) e Morato (Léo Jabá); Germán Cano. Técnico: Marcelo Cabo

BRUSQUE: Jefferson Paulino; Toty, Claudinho, Ianson e Airton; Fillipe Soutto (Jhon Cley), Zé Mateus, Diego Mathias (Gabriel Taliari) e Alex Ruan (Bruno Lopes); Thiago Alagoano e Edu (Juliano). Técnico: Jerson Testoni