PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Trajano: São Paulo não pode tomar dois gols como tomou do Cuiabá

Do UOL, em São Paulo

24/06/2021 11h52

Classificação e Jogos

O São Paulo chegou ao sexto jogo sem vitória no Campeonato Brasileiro ao empatar em 2 a 2 com o Cuiabá no Morumbi, com o time do técnico Hernán Crespo tendo finalizado mais ao gol adversário, mas sem conseguir acertar o gol no segundo tempo.

Em sua participação no programa UOL News Esporte, com Domitila Becker, José Trajano analisa o empate do São Paulo e a declaração de Crespo de que o São Paulo merecia ganhar do Cuiabá, e afirma que o time não poderia tomar dois gols do clube mato-grossense da forma como aconteceu.

"Merecer ganhar não existe na minha lista de falar sobre futebol, você tem que ir lá, encaçapar e fazer o gol. É aquela coisa, arranjando desculpas. O São Paulo não pode tomar dois gols como tomou do Cuiabá. Tomou dois gols e não teve competência de botar a bola para dentro e foi 2 a 2", diz Trajano.

O jornalista também cita a sequência sem vitórias no Campeonato Brasileiro como uma longa ressaca do Campeonato Paulista e vê o time são-paulino salvo por seus jogadores argentinos.

"Dois aspectos do São Paulo: essa ressaca do Campeonato Paulista é a maior ressaca da história, haja Alka-Seltzer, sal de frutas, Engov, Epocler, porque nada disso está resolvendo para acabar a ressaca são-paulina. E o São Paulo ainda tem que levantar as mãos para cima e agradecer a presença de dois argentinos, o Benítez e o que cruza muito bem, que acabou de chegar, o Rigoni", diz Trajano.

"Eu acho até que o Vasco merecia ganhar um dinheiro como os clubes que revelam jogadores, formador, ganham dinheiro quando o jogador é vendido, o Vasco deveria ganhar uma grana não sei de quem, talvez do São Paulo, por ter trazido o Benítez para o futebol brasileiro, porque é um dos poucos que se salva no time do São Paulo", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol