PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Palmeiras fura fila para estender contrato de Veiga; outros terminam antes

Raphael Veiga, Rony e Gustavo Scarpa comemoram gol do Palmeiras - Raphael Veiga/Palmeiras
Raphael Veiga, Rony e Gustavo Scarpa comemoram gol do Palmeiras Imagem: Raphael Veiga/Palmeiras

Diego Iwata Lima

De São Paulo

24/06/2021 04h00

Classificação e Jogos

Raphael Veiga passa atualmente pelo mesmo processo que já aconteceu com Rony. Embora tenha contrato válido por mais dois anos e meio, o Palmeiras se antecipou e já negocia para estender o vínculo do jogador até o fim de 2024 —no caso de Rony até o fim de 2025

O Palmeiras tem seus critérios ao ter escolhido Rony e agora Veiga para extensões. Vista como um processo natural, a ideia do clube é aumentar o vínculo dos jogadores mais jovens e com potencial de venda maior no mercado.

A estratégia, no entanto, não abarca alguns jogadores com contratos se encerrando antes ou ao mesmo tempo, que não recebem o mesmo tratamento —seja por não preencherem tais requisitos ou qualquer outro motivo.

Os casos de Jaílson e Felipe Melo são os mais notórios. Os dois veteranos têm vínculo com o Palmeiras até o fim deste ano apenas, mas ambos ainda não foram procurados pela diretoria para falar sobre renovação.

Willian, que tinha vínculo se encerrando como o do goleiro e o do capitão, já tem um novo contrato acertado, cuja renovação só não será anunciada agora justamente para não causar um desconforto ainda maior.

Em dezembro 2022, chegam ao fim os contratos de Victor Luís, Marcos Rocha, Gustavo Scarpa e Lucas Lima.

No fim de 2023, terminam os de Mayke, Zé Rafael, Dudu e Luiz Adriano. Além desses, os vínculos de Michel, Alanzinho e Gustavo Garcia, formados na base, também se encerram daqui a 30 meses.

Contratos longos amarram o clube

A atual diretoria entende que alguns vínculos firmados na gestão Alexandre Mattos, muito longos, acabaram sendo prejudiciais ao clube.

Um caso nominalmente citado é o de Lucas Lima, que tem ainda um ano e meio de um contrato firmado em 2017.

Já se avaliava ao fim de seu segundo ano no clube que a contratação não corresponderia às expectativas. Mas o longo vínculo mantinha o jogador atrelado ao Alviverde. A ideia da atual diretoria é tentar trabalhar vínculos mais curtos em alguns casos futuramente.

Futebol