PUBLICIDADE
Topo

Cruzeiro

Críticos da atual gestão do Cruzeiro registram B.O. após ameaças 'anônimas'

Torcedores do Cruzeiro fizeram boletim de ocorrência por ameaças recebidas - Bruno Haddad/Cruzeiro
Torcedores do Cruzeiro fizeram boletim de ocorrência por ameaças recebidas Imagem: Bruno Haddad/Cruzeiro

Guilherme Piu

Do UOL, em Belo Horizonte

23/06/2021 19h34

Classificação e Jogos

Os bastidores do Cruzeiro estão quentes e os torcedores em rota de colisão com os atuais comandantes do clube. Críticos ferrenhos do dirigente e da atual gestão, membros de um coletivo que representa torcedores da Raposa relatam ameaças recebidas após aumentarem o tom de críticas contra os cartolas que comandam a Raposa.

Em contato com o UOL Esporte, torcedores contaram que receberam ligações de um mesmo número sem restrição com xingamentos e intimidações.

"Sem querer dar ibope, mas ontem (22) algumas pessoas foram ameaçadas por telefone, incluindo eu. Por segurança fiz um boletim. Parece que toda tentativa de me calar vem me dando mais voz, e se há incômodo, algo deve ter. Cuidado que pra gente poderosa é: vão-se os anéis ficam os dedos (sic)", publicou em sua conta particular no Twitter, Marcelo Aguiar, um dos críticos da atual diretoria.

Além disso, há relatos também de que na última segunda-feira (21) houve estouro de fogos de artifício na porta das residências de Marcelo Aguiar e Diego Fonseca, ambos membros do canal Somos Gigantes, no Youtube.

"Fizemos um boletim de ocorrência na Polícia Civil. O número que nos ligou para ameaçar foi citado no B.O., inclusive com a característica da foto usada no Whatsapp, a cara do Coringa, personagem dos filmes do Batman. E relatamos que na porta de nossas casas apareceram algumas pessoas soltando foguetes por volta de 23h. Na ligação, falaram com a minha mãe e disseram que me pegariam, e que era para ela me avisar para ter cuidado", relatou Diego ao UOL.

Conflitos

Nas últimas semanas vazaram áudios em que o presidente do Cruzeiro falava sobre os protestos contra sua administração. Pelas redes sociais e em manifestações nas ruas, grupos de torcedores pediam à renúncia de Sérgio Santos Rodrigues.

"Pelo contrário. Sabe por quê? Por que o que está na reta aqui, o mais de todos é o meu. Eu falei hoje, eu não saio, mesmo, até dezembro de 2023. 'Nego' achar que vai renunciar, protesto e o caral?? Eu estou cag? pra isso. Sabe por quê? Eu tenho [inaudível] patrimônio meu aqui. Você acha o que?", disse em um dos aúdios usando termos chulos.

Em uma das respostas dadas por Sérgio Rodrigues, o presidente chegou a falar em "tiros".

"A Fernanda [esposa do presidente] é preocupada, acha que vai gente lá em casa. Podem vir, os tiros vão ser de cima pra baixo, não tem problema algum", ameaçou o presidente na conversa.

Presidente sobre os protestos

Sobre o vazamento desses áudios, Sérgio Rodrigues chegou a dizer na semana passada que os conteúdos foram editados e publicados.

"Quanto aos áudios editados e publicados, tenho duas explicações. A primeira é dizer que também acho impróprias palavras e expressões expostas. Eu ou qualquer outra pessoa podemos mudar a forma de dizer algo quando estamos num ambiente informal e quando acreditamos estar em uma conversa franca com pessoas que damos confiança e respeito. Eu dei. Recebi e conversei abertamente com diversos grupos de torcedores recentemente, por várias horas, em nossa sede", comentou.

Já sobre as manifestações, Rodrigues disse que escutou o movimento com "muito respeito".

"Acompanhei de perto (os protestos). Escutei com muito respeito. Sabemos que nem todos são de coração ou isentos de interesses políticos internos do clube ou dos bastidores do universo do futebol, mas não cabe a mim julgar. Cabe ao presidente do Cruzeiro respeitar aos que protestam com o coração. Aproveito para divulgar que em breve vou dar uma entrevista para que possa esclarecer ao máximo dúvidas e desconfianças", falou na última semana.

Cruzeiro