PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

'Passou um filme na cabeça', diz sobrevivente do Ninho após voltar a jogar

Jhonata Ventura, sobrevivente do incêndio no Ninho do Urubu, CT do Flamengo, voltou aos gramados após mais de dois anos - Marcelo Cortes / Flamengo
Jhonata Ventura, sobrevivente do incêndio no Ninho do Urubu, CT do Flamengo, voltou aos gramados após mais de dois anos Imagem: Marcelo Cortes / Flamengo

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

16/06/2021 17h08

Sobrevivente do incêndio no Ninho do Urubu, Jhonata Ventura voltou aos gramados no último sábado, mais de dois após a tragédia que deixou 10 mortos e três feridos. Ele entrou no decorrer do duelo entre o Flamengo e o América-MG, pelo Campeonato Brasileiro Sub-17. O retorno foi bastante celebrado pelo jovem.

Após a partida, o camisa 14 não escondeu que ficou ansioso ao ver que estava relacionado e poderia viver novamente o dia a dia juntamente com os companheiros.

"Desde que saiu a relação para o jogo, estava com frio na barriga enorme para estar aqui, ir para a concentração com com meus companheiros. Estava louco para voltar a jogar aqui. Do lado do campo, estava com saudade de estar na resenha com os moleques, ver o time jogando bem. Quero fazer parte disso. Passou filme na cabeça, não tenho o que falar. A sensação é muito boa de estar de volta, e, se Deus quiser, ajudar mais", disse, em entrevista à FlaTV.

O incidente no CT do Rubro-Negro aconteceu em fevereiro de 2019. Jhonata teve 30% do corpo queimado e recebeu alta hospitalar após mais de dois meses entre o Hospital Pedro II, em Santa Cruz, e o Hospital Vitória, na Barra da Tijuca.

"Muito feliz de estar de volta. Passei um momento muito difícil da minha carreira na base, que foi o acidente que aconteceu, mas estou aqui para falar que estou muito saudável, muito bem para jogar, competir", lembrou ele.

"Sou muito apegado à minha família, minha mãe, meu irmão. Minha família é do Espírito Santos. Tenho muito amigos e isso ajudou bastante. Sou muito para cima, sempre brincando. Neste período em que não pude ajudar a equipe, a rapaziada nunca me viu desmotivado. Sempre ter a cabeça boa é fundamental para quem está passando por algo muito difícil. Sempre tive fé em Deus. Se ele me permitiu estar vivo hoje, era para estar aqui, participando desse jogo, seguindo a vida", completou.

Francisco Dyogo e Jhonata Ventura, sobreviventes do incêndio no CT do Flamengo, em ação pelo Brasileiro Sub-17 - Marcelo Cortes / Flamengo - Marcelo Cortes / Flamengo
Imagem: Marcelo Cortes / Flamengo

Companheiro de time de Jhonata, Francisco Dyogo também sobreviveu ao incêndio e teve de ser hospitalizado. O goleiro lembrou um papo entre eles no vestiário, antes de a bola rolar.

"No vestiário, conversei com ele. Passa um filme na cabeça. Ele falou para mim que pensava que não ia voltar. Falei para ele: 'Fica tranquilo, você nasceu de novo. A gente está aqui por glória de Deus. Vamos continuar juntos, firmes e fortes, trabalhando. Tem muita coisa pela frente e vitórias para a gente'."

Flamengo