PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Messi ainda quer título pela Argentina e mira a Copa América: 'Maior sonho'

Messi dá coletiva na chegada da Argentina ao Rio para a Copa América - Reprodução/AFA
Messi dá coletiva na chegada da Argentina ao Rio para a Copa América Imagem: Reprodução/AFA

Do UOL, no Rio de Janeiro

13/06/2021 21h57

Classificação e Jogos

O que motiva quem alcançou por tantas vezes o topo? No caso de Lionel Messi, replicar com a camisa da seleção argentina ao menos um momento de glória já obtido pelo Barcelona ou nas premiações individuais. Melhor jogador do mundo por seis vezes, ele desembarcou no Rio na noite de hoje (13) já devidamente concentrado na estreia na Copa América, amanhã (14), contra o Chile, no Nilton Santos.

"Sempre estou disponível para tentar ser parte da seleção e dar o máximo. Meu maior sonho é conseguir um título com a seleção argentina. Estive perto muitas vezes e não deu. Tentarei seguir buscando até conseguir. Tive a sorte de ganhar tudo a nível de clubes e seria muito lindo poder conseguir isso na seleção", disse Messi.

O craque argentino chega a sua sexta Copa América. E bateu na trave em diversas ocasiões no torneio continental. Em 2007, foi vice-campeão diante do Brasil. Em 2015 e 2016, engatou dois vice-campeonatos diante do Chile. ambos perdendo a decisão nos pênaltis. Em 2011, a Argentina caiu nas quartas para o Uruguai. Em 2019, ficou na semifinal, perdendo para o Brasil.

Messi completará 34 anos durante o torneio (faz aniversário em 24 de junho) e tem como maior frustração pela seleção um jogo em solo brasileiro: a derrota na final da Copa 2014 para a Alemanha.

Apesar da disparidade técnica em relação a todos outros companheiros — referendada por tudo o que construiu na carreira —, o camisa 10 não vê a seleção dependendo dele.

"Em nenhum momento a seleção dependeu de mim. Sempre tentamos fazer um grupo forte, sempre dissemos que se não formos uma equipe forte, seria difícil ganhar e conseguir os objetivos. Creio que nos fizemos fortes como grupo, já estamos trabalhando há tempo com a maioria dos jogadores, já tivemos uma Copa América, a experiência que ela te dá. Seguimos em formação e creio que vamos por um caminho bom", avaliou.

Campo e bola à parte, o capitão argentino não esconde a preocupação com o contexto sanitário no qual a Copa América é realizada. Messi e seus companheiros teriam sido anfitriões do torneio se não fosse o avanço dos números do coronavírus na Argentina. O jeito é vir ao Brasil, inclusive em um esquema de bate-volta para cada partida: a base da seleção é em Ezeiza, nos arredores de Buenos Aires.

"É um risco para todos poder nos contagiar com a Covid-19. Nos preocupa, tentamos nos cuidar, fazer tudo que nos dizem. Não é fácil. Vamos enfrentar outras seleções, também há risco de contágio. Vamos fazer o possível para que não aconteça, mas muitas vezes não depende de nós. Pode acontecer", afirmou o craque.

A bola rola para o duelo Argentina x Chile amanhã, às 18h, no estádio Nilton Santos, pelo Grupo A, que ainda tem Paraguai, Uruguai e Bolívia.

Esporte