PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras

Herói do CRB, Diogo Silva conviveu com rótulo de vilão em queda do Vasco

Alexandre Araújo e Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

09/06/2021 22h10

Classificação e Jogos

Herói da classificação do CRB sobre o Palmeiras, na Copa do Brasil, ao fazer dez defesas no tempo normal, pegar três pênaltis e ainda converter um, o goleiro Diogo Silva sabe bem o que é viver os dois lados da moeda no futebol. Há oito anos, ele foi considerado pela torcida do Vasco um dos vilões do rebaixamento de 2013, um fardo que dividiu com os outros dois arqueiros daquele plantel: Alessandro e Michel Alves.

Naquela temporada, o trio se revezou no gol vascaíno, mas nenhum dos três conseguiu se firmar. Diogo Silva e Alessandro somaram mais partidas, 24. Já Michel Alves atuou em 12. As falhas, porém, ficaram muito marcadas e os goleiros tiveram dificuldades na sequência da carreira, sendo Diogo o que melhor conseguiu se reerguer.

Alves, por exemplo, ficou dois anos desempregado. Em seguida, foi contratado pelo Botafogo da Paraíba em 2016 e por lá voltou a ter sequência, disputando 91 partidas até 2017. No ano seguinte, foi para o Novo Hamburgo onde jogou dez vezes e se aposentou em 2018 no CRAC, mas sem chegar a atuar.

Já Alessandro, após o rebaixamento, foi emprestado ao Náutico na temporada seguinte, disputou 30 partidas, mas não chegou a se firmar, retornando ao Vasco em 2015, onde não foi aproveitado e acabou sendo contratado pelo Aimoré (RS) em 2016. Jogou oito partidas pelo clube gaúcho e em seguida foi se aventurar no futebol do Irã, país em que defendeu três clubes. Sua última equipe foi o Cruzeiro (RS), em 2019.

Diogo Silva foi ídolo no Luverdense e teve sequência no Ceará

Dos três, Diogo Silva foi o que melhor conseguiu se reerguer na carreira. Após o rebaixamento, foi o único do trio mantido no elenco do Vasco, onde ficou em 2014 e disputou 14 partidas. Porém, sem ambiente, chegou a sofrer um "abaixo-assinado" virtual da torcida cruzmaltina e foi emprestado ao XV de Piracicaba.

No entanto, o ano do início da redenção do goleiro foi mesmo em 2016, quando acabou sendo contratado pelo Luverdense e por lá ganhou o status de ídolo. Foram quatro temporadas no clube de Mato Grosso, até ser adquirido pelo Ceará.

No Vozão também permaneceu por quatro anos, mas teve uma grande sequência somente em 2019. Sua chegada ao CRB foi nesta temporada, onde é titular.

Vasco ficou devendo R$ 1 milhão por Diogo Silva

Diogo Silva chamou a atenção do Vasco após o Campeonato Carioca de 2011 que disputou pelo Nova Iguaçu. Inicialmente, foi adquirido por empréstimo, mas o Cruzmaltino decidiu por comprá-lo mediante o pagamento de dez parcelas de R$ 100 mil.

A diretoria de São Januário, porém, não pagou o clube da Baixada Fluminense, que se viu obrigado a ingressar na Justiça, até que a pendência fosse solucionada.

Zoação com os parentes palmeirenses

Herói da noite no Allianz Parque, Diogo Silva revelou que o CRB trabalhou bastante com a possibilidade da disputa ir para os pênaltis. Bem-humorado, o goleiro revelou que possui palmeirenses em sua família e que não iria poupar nas zoações.

"A gente sabia que para passar nessa noite ia ser difícil. Tinha nos nossos planos que tinha que ser aquele 1 a 0 no tempo normal e depois concentrar bem nas penalidades. Graças a Deus conseguimos a classificação. Agradecer a Deus, aos companheiros, à família que está em casa. Tenho muitos parentes palmeirenses. Tem dois especiais, Jefferson e Thiago. Daqui a pouco estou no grupo aí, me aguardem (risos)", declarou ao Sportv.

Palmeiras