PUBLICIDADE
Topo

Santos

Estudioso no Santos, João Paulo revê jogos para aperfeiçoar saída do gol

João Paulo faz bonita defesa pelo Santos contra o Boca Juniors - Ivan Storti
João Paulo faz bonita defesa pelo Santos contra o Boca Juniors Imagem: Ivan Storti

Gabriela Brino

Colaboração para UOL, em Santos

15/05/2021 04h00

João Paulo ainda não sabe se será mantido no gol pelo técnico Fernando Diniz, mas por via das dúvidas tem estudado para ganhar sequência como titular. Em exclusiva ao UOL Esporte, o goleiro revelou que assiste a jogos antigos do Santos para corrigir alguns erros e aperfeiçoar o que já vem fazendo bem. A saída do gol é o que mais dá trabalho ao atleta.

Há dois jogos sem sofrer um gol, João acredita que vive seu melhor momento no Peixe. Seu objetivo nesta temporada é se firmar de vez no time de Fernando Diniz. Segundo o Sofascore, sua média de gol sofrido por jogo é de apenas um, e 73% dos chutes contra sua meta acabam defendidos.

"Me vejo muito bem e muito feliz de estar jogando em um clube gigante. Estou evoluindo jogo após jogo. Acho que sim [melhor momento]. A temporada está começando agora. Ano passado foi quase um início para mim. Meus primeiros jogos com sequência no profissional. Nessa temporada eu quero me firmar. Eu estou muito feliz", disse.

"Sempre procuro o pessoal de análise e desempenho. Eles me mandam meus lances, passes, defesas, saídas do gol, para eu me avaliar e poder melhorar. A evolução vem no dia a dia, procuro evoluir sempre. (A saída do gol) um ponto especial que tenho que dar um pouco mais de atenção. Estamos tomando alguns gols de bolas alçadas. Aos poucos estamos corrigindo, são dois jogos sem tomar gol e isso nos dá confiança", acrescenta.

Além de estudar para melhorar seu desempenho no Santos, João também auxilia a molecada. É o caso de Kaiky, recém-chegado a defesa do Santos, que busca alguns ensinamentos dos jogadores mais experientes. O goleiro rasgou elogios ao menino de 17 anos, que já ganhou a vaga de titular ao lado de Luan Peres.

"Kaiky não tem muito o que falar dele, não. Kaiky é craque, será um grande jogador. É um menino que escuta bastante, eu, Luan e Pará também falam bastante com ele. Ele sempre procura escutar e evoluir cada vez mais. Prova disso são os resultados dos últimos jogos. Vai ser um grande jogador, com certeza. Ele tem um coração enorme, é muito gente boa", conta.

Veja mais respostas de João Paulo

UOL: Como tem sido essa primeira semana sob o comando do técnico Fernando Diniz? Quais foram as primeiras impressões?

JP: Ele conversou comigo um pouco, com o John, Arzul (treinador de goleiro do Santos). Coisas tranquilas, nada mais do que questões de treinos. Ele e o pessoal da comissão sempre buscam saber se estamos bem, como passamos nossa noite. É importante, querem entrosar mesmo. E é muito importante para nossa equipe como um todo para evoluir.

UOL: Diniz já conversou com os goleiros para propor revezamento?

JP: Tivemos poucos dias de treinos, mas mostrou que gosta de um trabalho bem intensivo, bem pegado. Fora do campo é um cara tranquilo, nos deixou à vontade. Parece ter um coração enorme. Ele ainda não teve esse tipo de conversa [revezamento] ou se a posição está definida.

UOL: Por que o Santos sofre tanto com a bola aérea? O que falta para corrigir e encaixar?

JP: Temos um time muito leve, muito rápido. E em contrapartida um time um pouco mais baixo. Tirando o Luan, que é o nosso jogador mais alto. Temos que encurtar os espaços e ficar sempre atentos.

UOL: É um novo momento para o Santos após o quase rebaixamento?

Chegamos nessa situação porque tínhamos feito um planejamento, tivemos os jogos pré-Libertadores e estávamos focados nisso. Eu joguei três jogos pelo Paulista, porque estávamos focados na Libertadores. Graças a Deus conseguimos classificar. Mas as coisas não saíram como a gente gostaria no Paulista, mas deu tudo certo. Conseguimos manter o clube na primeira divisão. Agora é trabalhar para o resto da temporada.

UOL: Como está a preparação para o jogo contra o The Strongest? Como irão lidar com a dificuldade da altitude em um jogo que pode trazer garantias para o Santos na Libertadores?

JP: Procuramos trabalhar com bastante intensidade nos treinamentos, né? para chegar na altitude com o preparo físico em dia, que será o mais importante. É um jogo de decisão para a gente. A partir do momento que tivemos duas derrotas na Libertadores nós fizemos um campeonato à parte, nesses últimos quatro jogos. Graças a Deus conseguimos duas vitórias e agora vamos buscar a terceira, contra o The Strongest.

Santos