PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Estreia de Taison empolga e aumenta expectativa para temporada no Inter

Ricardo Duarte/SC Internacional
Imagem: Ricardo Duarte/SC Internacional

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

07/05/2021 04h00

A estreia de Taison empolgou. Na primeira chance que teve com a camisa do Inter em seu retorno, foram dos pés dele que surgiram repetidas chances de gol. A expectativa criada antes do jogo só cresceu e o agora capitão do time vive a possibilidade de catapultar a esperança do clube em 2021.

Taison esteve em campo por 72 minutos. Segundo estatísticas do Sofascore, acertou 84% dos passes que tentou. O aproveitamento ainda foi maior no campo do adversário, com 87%. Deu 48 toques na bola, criou duas grandes chances de gol e deu quatro passes decisivos na partida.

"Trabalhamos muito meu posicionamento. O mister (Ramírez) nos deixa falar, conversar, se sentir à vontade no campo. Isso é o mais importante. É uma pessoa que nos dá confiança para jogar. Fiquei 11 anos em um estilo diferente, na Europa, estou me adaptando, e todos me ajudaram muito. Vou seguir focado e trabalhando, que é o mais importante", disse o jogador.

O retorno dele teve uma representatividade ainda maior. Com a camisa 10, herdada de D'Alessandro, e a braçadeira de capitão cedida por Rodrigo Dourado, ele vive a expectativa de entregar ao clube o que todos no Inter esperam: uma nova perspectiva de títulos.

"O que o Taison representa é muito grande. Ele traz um monte de soluções para o nosso jogo. Queremos produzir muitas opções ofensivas e que consigamos armar bem a bola para que chegue a ele nos lugares onde é perigoso. E ele faz o que fez hoje, causa muito dano ao rival, provoca muitas chegadas na área. Ele vai nos dar hierarquia", explicou Ramírez.

A capitania foi simbólica. Partiu de Dourado, dono do posto, a iniciativa de ceder posição ao novo companheiro, por tudo que Taison simboliza para o Inter. Cria da base do clube, foi campeão da Libertadores, da Sul-Americana, entre outros títulos, e voltou, após 11 anos, por amor ao local de onde partiu.

"Eu agradeço demais ao Rodrigo (Dourado) que chegou em mim e falou que eu seria o capitão. O respeito que ele tem por mim, que o grupo todo tem, me fez chegar da forma que cheguei. Me abraçaram e deixaram feliz demais para fazer o que eu gosto. Gostei do meu desempenho, do grupo todo. A palavra que fica é gratidão, por voltar a jogar no meu clube, pela vitória que tivemos", completou.

Amanhã, contra o Juventude, Taison não poderá estar em campo. Como não foi inscrito a tempo no Gauchão, o jogador irá aguardar o jogo contra o Deportivo Táchira, na próxima semana, para voltar a vestir a camisa que sempre lhe caiu tão bem.

Futebol