PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

Casares explica novo acordo para quitar pendências com elenco do São Paulo

Julio Casares, presidente do São Paulo, concede entrevista coletiva sobre os 100 primeiros dias de gestão - Rubens Chiri / saopaulofc.net
Julio Casares, presidente do São Paulo, concede entrevista coletiva sobre os 100 primeiros dias de gestão Imagem: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Thiago Fernandes

Do UOL, em São Paulo

30/04/2021 14h18

O São Paulo vive bom momento dentro das quatro linhas e tenta se livras dos problemas financeiros nos bastidores. O presidente Julio Casares concedeu entrevista coletiva na tarde de hoje (30) e falou sobre os números que preocupam a diretoria em 2021. Com uma dívida de R$ 580 milhões, o clube conseguiu reduzir gastos em 10% no primeiro trimestre de 2021 e ainda ajustou o acordo com o elenco para quitar a pendência por causa do corte nos salários em meio à pandemia do novo coronavírus durante a temporada passada.

"Na verdade, o que assumimos de dívida está presente no balanço, principalmente de dívidas a curto prazo, algumas na Fifa. O São Paulo teve que trabalhar olhando para o campo e de forma técnica. Conversamos e propusemos algo aos credores. Algumas dívidas quitamos, até pelo caráter emergencial. Logo no primeiro trimestre, acertamos uma diminuição de custos de 10% das nossas despesas. Isso é importante, porque desafoga o produto fim, que é o futebol. Vamos aguardar o patrocínio para valorizar a marca. Para valorizar, você tem que recomeçar, zerar e reiniciar grandes negociações. Em paralelo, fizemos uma engenharia financeira para manter um time competitivo. É um conjunto de situações que requer disciplina financeira ao lado de uma ousadia na área do futebol", declarou o mandatário.

Outro aspecto que contou com o cuidado da gestão é o acordo firmado pela administração de Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco. No início da pandemia, houve corte de parte dos salários do elenco e ficou acertado que os valores seriam pagos a partir de março de 2021. Em crise financeira, o clube precisou renegociar a situação com os atletas. A ideia é tratá-los como sócios em receitas futuras para que o valor seja quitado.

"Nós fizemos um planejamento, houve uma conversa com os atletas capitaneada pelo Belmonte, Muricy, Rui, Fernando e Nelsinho. Tevemos uma dívida com os atletas pelo direito de imagem do ano passado. Os direitos deste ano, de janeiro, fevereiro e março, estão em dia. Abrimos para os atletas para que eles sejam nossos sócios em futuras receitas. Quando voltar bilheteria, vai para esse bolsão de pendências, quando vendemos um jogador para o exterior ou tivermos o benefício da solidariedade, esse percentual também vai para os atletas. Firmamos isso com os atletas, e eles gostaram muito. O São Paulo vai honrar cada parceiro. As dívidas do São Paulo serão pagas. Se amanhã eu tiver uma receita que extrapole o meu cotidiano, vamos resolver essa pendência", afirmou Julio Casares.

O São Paulo tenta se reestruturar financeiramente depois de um déficit de R$ 126,9 milhões em 2020. A ideia é que o clube consiga reduzir gastos e sanear a elevada dívida nos bastidores.

Confira, abaixo, outros trechos da entrevista coletiva de Casares no Morumbi:

Marketing para Daniel Alves: "Nós temos uma área que está profissionalizada. O Eduardo Toni trabalhou bem e temos uma boa equipe de marketing. A questão de Daniel Alves deveria preceder o planejamento para depois vir o nome. Mantemos diálogo com o Daniel e com a equipe dele. Estamos tentando recuperar isso. Ele participa e tem uma boa vontade muito grande. Teremos notícias importantes em breve com a participação do Daniel. É um grande produto de marketing, de mercado, o maior lateral do mundo. Teremos, em breve, a questão do Daniel liquidada e também com os demais atletas".

Naming rights do Morumbi: "Quando você olha o que está acontecendo no mundo ou na pandemia, vê que a situação está difícil. Não tenho perspectiva muito grande no primeiro ano em razão da economia e da pandemia. A questão do patrocínio é para valorizar a nossa marca. Embora eu respeite as empresas parceiras e que foram corretas, elas terão a oportunidade de entrar na nossa jornada. É um São Paulo diferente que passa também pela ativação do estádio".

Necessidade de venda de jogadores: "A venda de jogador é algo que está prevista em orçamento. O ideal é que a gente não precisasse de dinheiro da venda de jogador. Se você pegar um co-irmão, ele vem há um, dois anos vendendo um jogador por ano. O São Paulo alargou o elenco e promove jogadores da base. Estão lá o Talles, o Gabriel Sara, o Igor Gomes, o Luan, o Vitinho, o Natan... Com esse elenco largo, você pode abrir mão de um ou dois jogadores, como fizemos com o Brenner, quando a proposta é muito boa. Nós queremos conquistas, mas temos que ser inteligentes. Vamos vender atletas quando for necessário, mas sem negligenciar a busca por títulos".

Escolha por Crespo: "O nosso processo de seleção foi extremamente profissional. Hernán Crespo e a sua comissão estão felizes e nós também. Pela técnica, pela fidelidade, estamos felizes pela filosofia de jogo. O mercado existe, a pretensão existe. É normal no mundo do futebol, mas temos convicção de que o Hernán e sua comissão altamente confiantes estão muito envolvidos no São Paulo. Ele faz com que todos estejam motivados. Teremos uma vida muito longa, com ele nos respeitando, a gente o respeitando. Ele tem perfil de respeito e equilíbrio. Entram times com o mesmo perfil. É sinal de trabalho, uma comissão que trabalha em dia de jogo, mas tem, sobretudo, o comprometimento com o grupo".

Crespo no dia a dia do São Paulo: "Ele é uma pessoa que tem uma simplicidade, abre caminhos para diálogos, mostra através do exemplo como profissional e técnico o exemplo do trabalho. É uma pessoa que se esforça para respeitar a instituição. Está fazendo curso, tem falado um português bem apropriado. É uma pessoa que tem diálogo aberto com os atletas. Você não viu ainda o Crespo individualmente exaltar, ele enaltece o trabalho em grupo. Esse coletivo é o que nos dá a sensação e mostra que é uma visão, um perfil diferente. Ganhar ou perder é questão de jogo. É um trabalho que está se iniciando. Temos que ter humildade, pés no chão e compor, a cada dia, um tijolinho nessa construção. O São Paulo precisava de um líder, como é o Hernán Crespo. Tínhamos 17 jogadores formados em Cotia contra o Ituano. Ele está trabalhando muito bem com a nossa mão de obra, que é muito boa".

Contratação de grandes nomes: "Na minha visão, temos que ter um jogador experiente, jogadores fora de série, como Miranda, Daniel Alves, William, Eder... E você tem que fazer um mix, com jogadores como Benítez, Bruno Rodrigues e a força e a energia da base. O que não podemos é fazer um investimento muito alta e desequilibrar o elenco. O elenco do São Paulo tem equilíbrio. O São Paulo tem um elenco equilibrado e é capaz de enfrentar desafios. Esse equilíbrio do elenco é para que a gente possa ousar e usar estratégias diferentes. Foi um trabalho olhando o elenco, orçamento e a composição dos jogadores. É um equilíbrio, a média do São Paulo está entre 25, 26 anos. Veja o caso do Galeano, um jovem que estava aqui sem o contrato renovado e nós renovamos. As joias de Cotia são nossa prioridade. Teremos um elenco muito mais capacitado".

Situação de Galeano: "Todo grande jogador do elenco, o São Paulo vai trabalhar para que ele permaneça. O São Paulo trabalha com transparência e equilíbrio dentro do orçamento. Vou dar o exemplo do Gabriel Neves. Nós queríamos e não trouxemos, porque não cometeríamos o erro de fazer o investimento acima do que podemos. O Galeano continuará no São Paulo, assim como outros valores. Nós acreditamos que o Galeano, assim como fizemos o esforço lá atrás, vai continuar no São Paulo".

São Paulo