PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

Gestão Leco teve déficit acumulado de R$ 262,5 milhões no São Paulo

Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, foi o presidente do São Paulo entre 2015 e 2020 - Marcello Zambrana/AGIF
Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, foi o presidente do São Paulo entre 2015 e 2020 Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

Thiago Fernandes

Do UOL, em São Paulo

29/04/2021 12h00

A administração de Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, registrou prejuízo acumulado de R$ 262,57 milhões nas cinco temporadas em que ele esteve à frente do São Paulo. O valor é referente à soma dos resultados dos balanços anuais da gestão do antigo presidente, publicados pelo clube.

O ex-dirigente iniciou sua passagem pela presidência em 13 de outubro de 2015, logo após a renúncia de Carlos Miguel Aidar. Depois disso, teve cinco anos completos na principal cadeira do Morumbi. Colocou o São Paulo no azul nas três primeiras temporadas, mas mesmo assim acumulou déficit elevado.

O ano de 2016, o primeiro de Carlos Augusto Barros e Silva no poder, terminou com superavit de R$ 822 mil. As duas temporadas seguintes também tiveram números positivos: foram R$ 15,1 milhões de superavit em 2017 e R$ 7,2 milhões em 2018.

Mas os balanços superavitários foram substituídos por déficits elevados, que culminaram em resultado negativo acumulado. Leco teve prejuízo de 156,1 milhões em 2019, recorde na história são-paulina.

Em seu último ano no comando do Tricolor paulista, registrou prejuízo de R$ 126,9 milhões. Na soma de todos os resultados da gestão Leco, o déficit é de R$ 262,5 milhões.

Resultados dos exercícios da era Leco no São Paulo

2020 - 129,6 milhões de déficit
2019 - 156,1 milhões de déficit
2018 - 7,2 milhões de superavit
2017 - 15,1 milhões de superavit
2016 - 822 mil de superavit

São Paulo