PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Messi vive jejum de gols e vitórias em possível despedida do "El Clásico"

Marcado por Casemiro, Messi tenta fazer jogada no clássico entre Real Madrid e Barcelona - Sergio Perez/Reuters
Marcado por Casemiro, Messi tenta fazer jogada no clássico entre Real Madrid e Barcelona Imagem: Sergio Perez/Reuters

Do UOL, em São Paulo

11/04/2021 04h00

Lionel Messi é o maior artilheiro do confronto entre Barcelona e Real Madrid e um dos grandes jogadores da história do "El Clásico". Porém, com a derrota dos catalães por 2 a 1, ontem (10), no estádio Alfredo di Stéfano, o craque argentino pode ter-se despedido do duelo com um histórico recente que não deixa boas recordações.

A começar pela derrota em um jogo-chave na disputa pelo título do Campeonato Espanhol. Além de ter quebrada uma sequência de cinco vitórias na competição, o Barcelona foi ultrapassado pelo Real Madrid na tabela de classificação. Os merengues somam 66 pontos contra 65 dos catalães. O Atlético de Madri, que também está no páreo, tem a mesma pontuação do Real.

O Espanhol é a única chance de Lionel conquistar um troféu em 2020-2021. E caso estes sejam realmente seus últimos momentos com a camisa do Barcelona e fique sem o título nacional, ele terá de se despedir do clube que o revelou sem nenhuma taça nas últimas duas temporadas.

A saída de Messi do Barcelona ainda não está definida. O argentino está em seu último ano de contrato e tem liberdade para acertar com qualquer clube sem que o clube catalão receba alguma compensação financeira. No fim da temporada passada, o argentino já havia manifestado o desejo de se transferir, mas não houve acordo para rescisão contratual. Caso a saída seja confirmada, Manchester City e Paris Saint-Germain são dois dos clubes interessados em bancar sua contratação.

Ao passar sem gol no jogo deste sábado, válido pela 30ª rodada do Campeonato Espanhol, Messi completou sete partidas sem marcar contra o Real Madrid. O último gol do argentino contra o arquirrival aconteceu no dia 6 de maio de 2018, no empate por 2 a 2, no Camp Nou. A data coincide com a última vez em que ele duelou contra Cristiano Ronaldo no superclássico.

Desde esse dia, Barcelona e Real se enfrentaram oito vezes, mas Messi ficou fora de um deles -goleada catalã por 5 a 1. Foram três vitórias do Barça, três derrotas e dois empates. Nos jogos em que Messi atuou, o Barcelona marcou sete gols e ganhou duas vezes. Recentemente, porém, o domínio tem sido todo dos madrilenos. O time merengue venceu as últimas três partidas e não sabe o que é perder o confronto desde março de 2019.

O histórico recente de Messi diante do Real Madrid se contrapõe aos bons momentos já vividos pelo argentino no futebol espanhol. Ele é o maior artilheiro do superclássico, com 26 gols, e ainda contribuiu com 13 assistências.

Desde a estreia no "El Clássico", em 2005, no jogo em que Ronaldinho Gaúcho foi aplaudido em pleno estádio Santiago Bernabeu -vitória do Barcelona por 3 a 0-, Messi participou de 45 jogos. Foram 19 vitórias, 11 empates e 15 derrotas.

Ao mesmo tempo em que teve sucesso no jogo mais importante da Espanha, Messi colecionou troféus e ajudou a formar um dos grandes times da história durante a época em que Josep Guardiola foi o treinador. O argentino ganhou a Liga dos Campeões da Europa (4 vezes), o Mundial de Clubes (3), a Supercopa da Europa (3), o Campeonato Espanhol (10), a Copa do Rey (6) e a Supercopa da Espanha (8).

Futebol