PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Clássico mineiro: time na Série B nunca venceu duelo Atlético-MG x Cruzeiro

Galo e Raposa se enfrentaram apenas uma vez em 2020; Alvinegro levou a melhor ao vencer por 2 a 1 - Gustavo Aleixo/Cruzeiro
Galo e Raposa se enfrentaram apenas uma vez em 2020; Alvinegro levou a melhor ao vencer por 2 a 1 Imagem: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Guilherme Piu

Do UOL, em Belo Horizonte

09/04/2021 04h00

Classificação e Jogos

O fim de semana em Belo Horizonte será de clássico, com Cruzeiro e Atlético-MG ficando frente a frente pela primeira vez na temporada. Como as duas equipes estão em divisões diferentes do futebol brasileiro, o Galo na Série A e a Raposa na Série B, a partida deste domingo (11), às 16h, no Mineirão, pela nona rodada do Campeonato Mineiro, pode ser a única entre os arquirrivais no ano em que o confronto completará seu centenário.

Uma curiosidade marca o duelo Estadual, que pela quinta vez terá essa dicotomia dos dois clubes jogarem divisões diferentes no futebol nacional. Historicamente, nunca o arquirrival que estava na segunda divisão do Brasileirão triunfou no clássico. Até hoje foram quatro jogos disputados nessa condição, três em 2006 — quando o Galo jogou a Série B — e um em 2020 — ano posterior à queda da Raposa.

Em 2006, era o Atlético-MG que jogava o clássico na condição de time rebaixado. Na ocasião o Alvinegro perdeu uma partida (2 a 0) e as outras duas terminaram empatadas (1 x 1 e 2 x 2, respectivamente). Naquela temporada aconteceram três clássicos por que mesmo em pior fase o Galo conseguiu classificar às semifinais, enfrentando o próprio Cruzeiro, que terminaria o Campeonato Mineiro como campeão.

Em 2020, com o Cruzeiro sendo o time de Série B, o Galo fez 2 a 1 de virada no Mineirão, com gol da vitória nos acréscimos. A equipe estrelada, completamente desmantelada após o rebaixamento, com jogadores deixando o clube por meio da Justiça, não conseguiu classificação às semifinais ao terminar a primeira fase na quinta colocação.

Mais clássicos no ano

Para 2021 não repetir a temporada passada com apenas um jogo entre Cruzeiro e Atlético-MG, as duas equipes precisam passar às semifinais do Estadual. Dependendo da classificação — posição de cada clube na tabela ao término da primeira fase —, os rivais podem se enfrentar mais duas vezes.

O Atlético-MG está praticamente garantido na semifinal. Como tem 21 pontos e o atual quarto colocado, a URT, só pode chegar aos mesmos 21 — isso se vencer as três partidas restantes —, o líder Galo se classifica à próxima fase com um empate. Já o Cruzeiro está na terceira posição com 14 pontos e ainda não confirmou sua passagem às semifinais.

Outra grande diferença

Além de estarem em divisões diferentes no futebol nacional, os arquirrivais mineiros mostram outras diferenças. O Galo investiu mais de R$ 400 milhões em seu departamento de futebol, entre 2020 e 2021, impulsionado por empréstimos feitos por mecenas que têm ajudado o clube. Estrelas do futebol mundial como o atacante Hulk e o meia argentino Nacho Fernández, que começou a temporada em alta, foram as duas principais contratações até aqui.

O Cruzeiro, por outro lado, fez investimentos modestos, procurou jogadores destaques em outras equipes da Série B ou que estavam sem espaço em clubes da elite do Nacional. Chegaram, dentre outros, os meias Bruno José (ex-Internacional, mas que despontou no Brasil de Pelotas) e Marcinho (ex-Sampaio Corrêa).

Favoritismo

Tanta disparidade faz o favoritismo pender mais para o lado atleticano, mesmo que um importante personagem atleticano diga o contrário.

"Clássico é Gre-Nal, Fla-Flu, Palmeiras x Corinthians. Já disputei todos eles. Aqui não é diferente de nenhum. Quando você está envolvido numa cidade grande, tão importante no cenário nacional e tem um clássico, não importa se o adversário vive um momento pior, se vive melhor, os caras vão deixar tudo dentro de campo. Você não espere diferente, que o Cruzeiro vai deixar tudo e que o Atlético-MG vai deixar tudo dentro do campo", garantiu o técnico Cuca, deixando de lado o favoritismo, mas admitindo ter melhor conjunto de atletas que o rival.

"Lógico que a gente tem um time com conjunto melhor, mas tem que prevalecer o jogo, dentro do jogo. Não adianta falar que tem obrigação, que vai ganhar. O jogo é jogado, vamos lá para os 90 minutos disputar com o maior respeito que a gente tem, como fizemos com o América-MG no domingo, como a gente tem com o Cruzeiro. Vamos fazer o nosso melhor no domingo também", acrescentou.

O azarão

Técnico do Cruzeiro, Felipe Conceição joga todo o favoritismo para o lado contrário, mas garante que sua equipe lutará bravamente pela vitória.

"Essa sequência positiva [duas vitórias nos dois últimos jogos] nos dá confiança e vamos usar isso no domingo. É um clássico, e vamos entrar para ganhar. Do outro lado tem um processo de longo prazo e um investimento maior. Vamos com a significância que tem o Cruzeiro para um clássico da cidade para buscar a vitória com todo respeito ao adversário", afirmou.

Futebol