PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Milton Mendes explica passagem por time sub-23: "não conhecem a história"

Milton Mendes é o técnico do Marítimo, time em alta no Campeonato Português - Divulgação
Milton Mendes é o técnico do Marítimo, time em alta no Campeonato Português Imagem: Divulgação

Eder Traskini

Do UOL, em Santos (SP)

08/04/2021 04h00

Campeão no Vasco e no Santa Cruz, passagens por Athletico-PR, Sport e Kashiwa Reysol (JAP). Foi com esse currículo que o técnico Milton Mendes decidiu, para a surpresa de muitos, assumir a equipe sub-23 do Marítimo, time modesto de Portugal. De lá, foi alçado três meses depois para a equipe principal, onde ficou por 17 partidas e pediu demissão no mês passado.

A opção de Milton Mendes por aceitar a proposta do Marítimo, porém, tem explicação. O catarinense de 55 anos fez carreira como jogador em terras portuguesas e também por lá iniciou a trajetória como técnico. Mais que isso: Mendes vive na Ilha da Madeira há mais de 30 anos.

"Já estava decidido que não sairia daqui da Ilha por causa da pandemia, mas encontrei o presidente do Marítimo em um restaurante e ele perguntou se eu tinha interesse. Eu pensei se não estaria dando um passo para trás em treinar um sub-23, mas não. Foi ótima a experiência e eu gosto de trabalhar. Tive até oportunidade de sair do Marítimo, mas agora não. As pessoas não conhecem a minha história. Moro aqui há mais de 30 anos. Pessoas devem imaginar que eu estou passando fome para pegar o sub-23 do Marítimo", contou em entrevista ao UOL Esporte.

O técnico estava com vaga encaminhada para levar o Marítimo às semifinais da Taça de Portugal, mas um gol aos 55 do segundo tempo acabou levando a partida para a prorrogação e eliminando o Marítimo. Para Mendes, foi ali que tudo desandou após o bom início. As cinco vitórias nos primeiros oito jogos foram substituídas por uma sequência de nove partidas sem vencer.

"Pedi demissão porque notei que precisavam de uma voz diferente. O treinador prepara a equipe psicologicamente e as jogadas, mas no momento de decisão é o individual de cada um. Eu senti que isso estava faltando. Os jogadores ficaram tristes, eu também, mas temos que entender que tem momentos que é hora de pegar o chapéu e ir embora. Tivemos alguns problemas de lesões com jogadores importantes. O Pinho, que até hoje é artilheiro do time, e o Zainadine. Mesmo assim, estávamos quase na semifinal da Copa quando tomamos um gol aos 97 minutos e acabamos perdendo na prorrogação. Isso foi um soco no estômago muito grande", lamentou.

Agora, Mendes pretende seguir na Ilha da Madeira até o fim da pandemia e diz que não pensa em retornar ao Brasil neste momento. Seu último trabalho no país foi no São Bento, time do interior de São Paulo, de onde pediu demissão após uma acusação de estupro no fim de 2019. No começo do ano passado, o inquérito foi arquivado e ele considerado inocente. O treinador está processando a funcionária do hotel que o acusou.

Futebol