PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

São Paulo reduz gastos em 37% depois de mudanças na diretoria de futebol

Muricy Ramalho se tornou membro do departamento de futebol do São Paulo durante a gestão de Julio Casares - Divulgação/São Paulo
Muricy Ramalho se tornou membro do departamento de futebol do São Paulo durante a gestão de Julio Casares Imagem: Divulgação/São Paulo

Thiago Fernandes

Do UOL, em São Paulo

05/04/2021 04h00Atualizada em 05/04/2021 15h24

O São Paulo reduziu os gastos em 37% com as mudanças no departamento de futebol. Alexandre Pássaro, Diego Lugano e Raí deixaram o Morumbi para as entradas de Muricy Ramalho, Rui Costa e Marcos Biasotto no início da gestão de Julio Casares. As mudanças representaram uma economia significativa para o clube, que gastava cerca de R$ 380 mil por mês com o antigo trio somente com salários e levou esse valor para perto da casa de R$ 240 mil, conforme apurado pelo UOL Esporte.

Durante os três últimos anos da administração de Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, um grupo se responsabilizou pelo futebol: os ídolos Raí e Lugano e o gerente da pasta Alexandre Pássaro. Com a troca na presidência, eles deixaram o CT da Barra Funda. Dois outros nomes foram procurados para assumir o esporte profissional: Muricy Ramalho e Rui Costa. A dupla, contudo, tem salários bem inferiores aos antigos donos do cargo. Mesmo com a chegada de Marcos Biasotto para as divisões de base, os números seguem inferiores.

O São Paulo não se manifesta publicamente sobre o caso, mas o UOL Esporte apurou que a economia é de cerca de 37% em relação ao que era gasto com os antigos colaboradores somente em salários. O processo de redução de gastos faz parte do projeto apresentado por Casares após a sua eleição como mandatário. Ele pretende reduzir os custos de todos os setores do clube, inclusive do futebol, que é tratado como prioridade em sua gestão.

Em que pese a redução feita pelo São Paulo na diretoria de futebol, a folha salarial do futebol ficou 4% acima do que era nos dois primeiros meses durante março, com a chegada de reforços e a contratação da comissão técnica de Hernán Crespo.

O departamento de futebol durante a administração de Leco contava com Raí como executivo, Lugano como superintendente, Pássaro como gerente e Chapecó como diretor-adjunto. O último, por ser membro do Conselho Deliberativo, não tinha direito a remuneração, conforme o atual Estatuto Social do Tricolor paulista.

Na atual gestão, a área conta com Carlos Belmonte Sobrinho na direção. Também conselheiro, ele trabalha sem receber salários no Morumbi. Ao lado do diretor estatutário, ainda estão Rui Costa como executivo e Muricy Ramalho como coordenador técnico. Chapecó permanece como adjunto na pasta. Marcos Biasotto se responsabiliza pelas divisões de base do São Paulo.

O principal motivo para a redução de gastos no departamento de futebol é a elevada dívida herdada pela atual gestão são-paulina. O departamento financeiro estima que o clube deve cerca de R$ 580 milhões desde dezembro de 2020.

São Paulo