PUBLICIDADE
Topo

Cruzeiro

Cacá revela calote da diretoria do Cruzeiro: "falaram para ir à Justiça"

Zagueiro Cacá foi vendido pelo Cruzeiro ao Tokushima Vortis, do Japão, por R$ 10,7 milhões  - Gustavo Aleixo/Cruzeiro
Zagueiro Cacá foi vendido pelo Cruzeiro ao Tokushima Vortis, do Japão, por R$ 10,7 milhões Imagem: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Guilherme Piu

Do UOL, em Belo Horizonte

01/04/2021 21h47

O zagueiro Cacá, vendido pelo Cruzeiro ao Tokushima Vortis (JAP), usou o seu Instagram pessoal para revelar um calote que levou da atual diretoria da Raposa, que não acertou com o jogador pendências salariais conforme acordado antes da saída do defensor.

"Olá nação AZUL, hoje venho aqui bastante chateado pelo fato que vem ocorrendo por falta de compromisso dos responsáveis pela atual administração do Cruzeiro. Fiz um acordo do que seria meu por direito a receber e não me foi pago o que foi acordado", escreveu no começo do desabafo.

De acordo com Cacá, a diretoria do Cruzeiro havia prometido acertar os salários pendentes assim que recebesse a primeira parcela do pagamento pelo clube japonês. Ainda segundo o jogador, ele teria ouvido dos dirigentes para procurar seus direitos por meio da Justiça.

"Fiz um acordo com os dirigentes do Cruzeiro, que na primeira parcela do pagamento da minha venda ao Japão, eles me pagariam o que havia sido acordado. Assinamos o acordo no dia 24/02 a parcela foi paga no dia 16/03, há 20 dias aproximadamente, e não houve o pagamento. Estou indo embora para outro clube sem receber o acordado. E ainda ouvi que se quiser receber devo entrar na Justiça", completou.

Cacá deixou o Cruzeiro com 21 anos e jogará em um clube da primeira divisão japonesa. O acordo do zagueiro com o time nipônico terá duração de quatro anos e rendeu ao Cruzeiro algo em torno de 2 milhões de dólares (R$ 10,7 milhões). O balanço patrimonial celeste do período de 2020 indicava que o clube detinha 70% dos direitos do jogador.

"Sou chefe de família, trabalho para sustentar minha família e honrar com meus compromissos, Quando sai do Cruzeiro abri mão de 1/3 dos meus diretos econômicos que eu tinha por direito, aceitei a redução salarial em 25% no período da pandemia, fiquei desde setembro sem receber, fiz tudo pra favorecer ao clube por respeito e amor à camisa, Mas, infelizmente, eu cheguei a ficar 4 meses sem receber e podia ter saído através da Justiça, livre tendo total direito em qualquer negociação sem ter que passar algo ao clube. Mas meu respeito pelo Cruzeiro me fez acreditar que iriam ter o mesmo respiro por mim", contou.

"Estou desapontado e percebendo que eles não cumprem o que eles mesmos combinam. Enfim, lamento pelo enorme respeito que tenho ao Cruzeiro e também pelo torcedor, mas só estou buscando aquilo que é meu por direito e vou ter que ir pelo último caminho que eu não gostaria. Espero que todos tenham compreensão e entendam que não é Mercenarismo mas somente buscando o que é meu por direito", finalizou.

Por volta das 22h40 de hoje (1º de abril) o Cruzeiro emitiu nota para dar sua versão sobre os fatos. O clube afirma que o jogador "de forma irresponsável" alegou não ter recebido o que lhe era devido e se justificou.

Segundo a nota, o Cruzeiro fez dois pagamentos ao jogador: R$ 205.993,00 (17/2) e US$ 70 mil (R$ 385.630,00) em 23/3, mas assumiu que deve outra parte: R$ 251.443,04.

Leia na íntegra a nota do Cruzeiro

O Cruzeiro Esporte Clube informa que recebeu com surpresa e estranheza a publicação feita pelo atleta Cacá em suas redes sociais na noite desta quinta-feira (1º de abril de 2021), alegando que o Clube não cumpriu nada do que foi acordado em relação à sua recente saída para o futebol japonês.

Desta forma, em nome da transparência, o Cruzeiro esclarece que, no dia 17 de fevereiro de 2021, acertou parte considerável dos atrasados que eram de direito do atleta, na ordem de R$ 205.993,00.

O Clube também informa que, após a venda concretizada, no mês de março, repassou a Cacá e seu staff, com ciência de seu agente Leonardo, a quantia de US$ 70 mil (R$ 385.630,00 na conversão para Real), referentes à sua porcentagem na negociação. O pagamento foi efetuado no dia 23 de março de 2021.

Desta forma, mesmo em um momento de crise mundial com a pandemia, o Cruzeiro pagou ao atleta - que alegou de forma irresponsável não ter recebido nada - o valor de R$ 591.623,00 entre fevereiro e março de 2021, conforme demonstrado nos comprovantes ao final desta nota.

O Cruzeiro informa que ainda há pendente um pagamento de R$ 251.443,04 ao atleta, referente ao restante de seus atrasados, com vencimento previsto para esta sexta-feira, 2 de abril de 2021. O pagamento ainda não foi realizado somente devido a um bloqueio corrente nas contas do Clube, situação que infelizmente se tornou comum graças às dívidas acumuladas em gestões anteriores e desastrosas. O compromisso será cumprido assim que a conta esteja desbloqueada.

Por fim, o Cruzeiro lamenta o conteúdo inverídico da postagem de Cacá feita na noite desta quinta-feira e lamenta mais ainda a precipitação do seu ex-jogador, Cria da Toca, que talvez esteja sendo mal orientado, já que, mesmo tendo sido liberado pelo Clube para se apresentar dias após seus companheiros de elenco em fevereiro, preferiu não se apresentar na data combinada até que a venda fosse concretizada, se ausentando de diversos compromissos em um momento de contrato vigente com o Clube.

Cruzeiro