PUBLICIDADE
Topo

Mineiro - 2021

Governo de Minas veta jogos de futebol de outros estados em solo mineiro

Vista aérea do Mineirão, o maior estádio de Minas Gerais - Pléiades, © Cnes, Distribuição Airbus DS
Vista aérea do Mineirão, o maior estádio de Minas Gerais Imagem: Pléiades, © Cnes, Distribuição Airbus DS

Guilherme Piu

Do UOL, em Belo Horizonte

16/03/2021 08h47

Classificação e Jogos

O aumento dos casos de covid-19 em todo o país fez o governo de Minas Gerais decidir proibir a realização de partidas de futebol de outros estados em solo mineiro. O governador Romeu Zema (NOVO-MG) anunciou hoje (16) medidas de combate à pandemia e instituiu a onda roxa em todas as regiões de MG a partir de amanhã.

"Seria muito incoerente a gente tomar uma medida tão dura, tão restritiva como essa que estamos tomando no estado e permitir que jogos de outros estados acontecessem aqui em Minas Gerais, lembrando que, na onda roxa, os hotéis não podem receber turistas. Fica inviável o recebimento de jogos de outros estados na onda roxa. Por definição, ela não vai permitir essa circulação. Na circulação entre estados, as barreiras sanitárias vão abordar se estão indo para serviços essenciais ou não", disse o secretário de estado de Saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti, em entrevista coletiva concedida na sede do governo de Minas Gerais.

Há cinco partidas de outros estados pré-agendadas para estádios mineiros nos próximos dias. Estão previstos para hoje dois jogos da Copa do Brasil sub-20: Trem-PA x Avaí e Real Ariquemes-RO x Náutico, no Sesc Venda Nova, em Belo Horizonte. Amanhã, aconteceria um duelo do Campeonato Paulista, entre São Bento e Palmeiras, e outros dois da Copa do Brasil: Marília x Cricúma, em Varginha, e Palmas x Avaí, em Belo Horizonte. Na quinta-feira, a Caldense receberia o Vasco em confronto válido pela Copa do Brasil.

"A onda roxa é obrigatória. Todo município precisa, sim, aderir à recomendação. Dessa forma, o futebol não poderá funcionar, pela obviedade do momento e de hotéis não funcionarem", pontuou Baccheretti.

"Lembrando que, na Onda Roxa, os hotéis não podem receber turistas, então fica inviável o recebimento de jogos de outro estado. A própria Onda Roxa, por definição, não vai permitir que haja essa circulação. As barreiras sanitárias irão impedir essas pessoas e ver se elas estão indo para serviços essenciais. Se estiverem indo para serviços essenciais, eles poderão prosseguir, se não serão notificados para retornar", reiterou o governador.

Apesar da decisão, ainda será preciso definir novas diretrizes sobre o Campeonato Mineiro, que também não tem garantia de continuidade no momento.

"Nós realmente consideramos incoerente a manutenção de qualquer tipo de jogo. Iremos discutir com as federações para achar alguma conclusão sobre isso. O jogo não é só a estada do jogador em campo e os riscos sanitários para isso. Vamos avaliar ao longo do dia sobre isso", completou o secretário.

Segundo apurou o UOL Esporte a Federação Mineira de Futebol (FMF) decide acatar o que determinar a Secretaria de Saúde de Minas Gerais (SES), que ainda não definiu se vai parar ou não o Campeonato Mineiro.