PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Holan cita erros individuais que "custaram ampliação" para o Santos: "Dói"

Ariel Holan, técnico do Santos - Ivan Storti
Ariel Holan, técnico do Santos Imagem: Ivan Storti

Gabriela Brino

Colaboração para UOL, em Santos

06/03/2021 22h14

Classificação e Jogos

O técnico Ariel Holan não escondeu a chateação com a goleada por 4 a 0 que o Santos sofreu para o São Paulo neste noite, no Morumbi, pela terceira rodada do Campeonato Paulista. O argentino citou o gramado do estádio encharcado como uma consequência do desempenho da equipe, mas também ressaltou os erros individuais que custaram o avanço do Peixe no placar.

"Acho que o campo estava muito difícil para os dois times. No primeiro tempo, fizemos boa partida. No segundo tempo, sofremos gols aos três minutos em escanteio. E foi um golpe cedo e nos custou reagir. Tivemos erros individuais que custaram a ampliação do resultado. O começo não é o desejado, mas só começamos. Dói perder assim, mas vamos trabalhar duro para melhorar", disse Holan em entrevista coletiva.

"O Santos não conseguiu encontrar a maneira de jogar. O resultado, para primeiro jogo e clássico, obviamente não é o desejado, mas claramente foi uma partida depois de pouco treinamento e fim de folga necessária. Tivemos três ou quatro treinos praticamente e, realmente, o primeiro tempo nos deixou satisfeitos pela atitude. E no segundo tempo, depois do gol cedo, nos desacomodamos. Não voltamos ao jogo depois do segundo gol. 47 minutos com boa atitude, o Santos que queremos e jogando como se pode num campo assim. E no segundo tempo estranho e São Paulo aproveitou bem", complementou.

O Peixe esteve acima da média na primeira etapa, justamente quando o campo do Morumbi tinha pontos de alagamento e poças de água devido ao grande volume de chuva na capital. Porém, no retorno do intervalo o time sofreu o gol logo no início e se desestabilizou.

Em contrapartida, o argentino se mostrou otimista com o trabalho para a temporada e afirmou que "só começou" e que ainda trabalhará muito para ajustar o time titular.

"Presidente foi claro quando disse que o primeiro semestre será duro. Temos que trabalhar muito e estamos seguros e convencidos que, trabalhando muito, vamos melhorar para fazermos jogos como o Santos pode e precisa. Começo não é o desejado, mas só começamos", concluiu.

Futebol