PUBLICIDADE
Topo

Esporte

"Alphaville ucraniano": brasileiros do Shakhtar moram todos no mesmo local

Agachados, da esquerda para a direira, Dodô, Alan Patrick, Marlos e Tetê. Em pé, Júnior Moraes (segundo da esq. para dir.) - Reprodução/FC Shakhtar
Agachados, da esquerda para a direira, Dodô, Alan Patrick, Marlos e Tetê. Em pé, Júnior Moraes (segundo da esq. para dir.) Imagem: Reprodução/FC Shakhtar

Eder Traskini

Do UOL, em Santos (SP)

04/03/2021 04h00

Dodô, Vitão, Ismaily, Maycon, Marcos Antônio, Alan Patrick, Marlos, Marquinhos Cipriano, Fernando, Tetê, Dentinho, Taison e Júnior Moraes. São 13 brasileiros em um mesmo clube, o Shakhtar Donetsk. Mais que isso. A trupe brasileira que comanda o time ucraniano não só atua junto, mas mora no mesmo condomínio em Kiev, capital do país e nova sede do clube.

As exceções são Marlos e Júnior Moraes, coincidentemente os dois naturalizados ucranianos. Os outros 11 atletas vivem no mesmo local, o que, claro, aumenta a união do grupo e abre espaço para ainda mais "resenha", como conta o lateral direito Dodô em entrevista ao UOL Esporte.

"Eu moro num prédio e do meu lado moram o Ismaily e o Maycon. Os outros jogadores moram afastados porque o condomínio é muito grande. Como é muito frio, cada um fica na sua casa. Quando é verão, vamos na casa do Marlos, ele faz uma carninha, junta os brasileiros lá, quando tem aniversário reuni todo mundo. O Taison toma o chimarrão dele à tarde aqui no condomínio, aí eu desço, ficamos resenhando na praça."

Segundo Dodô, o condomínio é uma espécie de Alphaville ucraniano. "É um condomínio de prédios, tipo um Alphaville. Tem tudo aqui: mercado, banco, três escolas... Única coisa que não tem é shopping. Tem até um hospital aqui do lado. Morar nesse centro aqui favorece pra nós e pra nossas famílias. É próximo ao CT também", explica.

Apesar de ainda ser jovem, com 22 anos, Dodô não é nem de perto o caçula da turma. No Shakhtar desde 2017, o lateral direito, que é titular da seleção brasileira olímpica, viu mais cinco brasileiros desembarcarem no país depois dele: Vitão, Marcos Antônio, Marquinhos Cipriano, Tetê e Fernando.

Titular absoluto e eleito para a seleção do Campeonato Ucraniano de 2020, Dodô conta que ter tantos brasileiros no vestiário o ajudou a se adaptar ao país do leste europeu.

"Dentro do vestiário é surreal. Todo mundo se ajuda. Quando cheguei, Taison e Marlos me ajudaram muito na adaptação. Nosso vestiário é muito unido. Como moramos no mesmo condomínio também, estamos sempre perto um do outro", afirma.

Revelado pelo Coritiba, Dodô já desperta atenção de gigantes europeus. O Bayern de Munique (ALE), campeão de tudo na temporada passada, chegou a fazer oferta para tirá-lo no Shakhtar na última temporada, mas não teve sucesso. O Paris Saint-Germain (FRA) também monitora o atleta.

Esporte