PUBLICIDADE
Topo

Fluminense

Fluminense vê Carioca como 'chance de ouro' para Ganso e Miguel em 2021

Ganso e Miguel podem ser utilizados para o jogo contra o Resende, pela estreia no Carioca - Mailson Santana/Fluminense FC
Ganso e Miguel podem ser utilizados para o jogo contra o Resende, pela estreia no Carioca Imagem: Mailson Santana/Fluminense FC

Caio Blois

Do UOL, no Rio de Janeiro

03/03/2021 04h00

Classificação e Jogos

Ainda na torcida para ir à fase de grupos da Copa Libertadores, principal competição que disputará em 2021, o Fluminense volta seus olhos para o Campeonato Carioca a partir de amanhã (4), às 21h, quando o Tricolor estreia contra o Resende, no Maracanã. O Estadual é visto pelo clube como uma 'chance de ouro' para dois jogadores importantes para o elenco: o jovem Miguel e o experiente Paulo Henrique Ganso.

Os dois meias iniciam o "novo ano" no grupo comandado pelo auxiliar Aílton, que jogará as primeiras rodadas do Carioca. O objetivo, além de descansar titulares e reservas mais utilizados no Brasileirão, é aproveitar ao máximo o tempo do elenco com o novo técnico Roger Machado.

Caso o Palmeiras mantenha a vantagem e fique com o título da Copa do Brasil, a "pré-temporada" tende a ser esticada até a estreia na fase de grupos. Se o Grêmio reverter o placar do jogo de ida e for campeão, o Tricolor já entra em campo na terça (9), contra o Ayacucho (PER), pela Pré-Libertadores. Assim, Roger pode ter apenas uma semana antes da primeira partida no mata-mata continental.

Também por isso, o Estadual é a chance dos jogadores mostrarem trabalho. Tanto o jovem ainda valorizado como o veterano que precisa se provar no clube são esperanças para a competição.

Interesse em negociação e poucas chances

Em 2020, Miguel começou o Carioca, ainda antes da pandemia, como um dos destaques do time de Odair Hellmann, repleto de reservas. Na sequência da temporada, entretanto, decepcionou: entrou em campo apenas mais seis vezes entre a Copa do Brasil, a Sul-Americana e o Brasileirão. Tido com uma joia nas divisões de base de Xerém, o meia, que completa 18 anos no próximo dia 26, já tem no currículo duas temporadas entre os profissionais e muita pressão sob os ombros.

Ainda sem "explodir", Miguel viu sua geração fazer história na base em 2020 enquanto ficava muitas vezes fora até do banco de reservas no time de cima. Apesar de ter idade para disputar outras três categorias, seu estafe prefere o status atual no elenco principal, o que divide opiniões.

Miguel foi destaque do início de temporada do Fluminense em 2020; depois, decepcionou - Lucas Merçon/Fluminense FC - Lucas Merçon/Fluminense FC
Miguel foi destaque do início de temporada do Fluminense em 2020; depois, decepcionou
Imagem: Lucas Merçon/Fluminense FC

Seu pai e empresário, José Roberto, já se envolveu em problemas com treinadores e dirigentes no Flu e na Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Por isso, o jovem, que também tem cidadania portuguesa, não tem seu nome lembrado em convocações da seleção brasileira na base.

Para Miguel, o Carioca é também um teste de fogo. Com contrato até o fim de 2021, ele é uma das "bolas da vez" para ser negociado pelo Fluminense no mercado da bola, desejo de todos no clube. As boas atuações ajudariam e muito, assim como a maioridade que será alcançada ao fim do mês.

O interesse dos europeus é antigo. O Paris Saint-Germain por pouco não fechou sua contratação ainda antes de assinar seu primeiro contrato profissional. Antes e depois disso, Juventus, Manchester City e Bayer Leverkusen buscaram informações sobre ele. Agenciado pela TFM, a mesma empresa que cuida da carreira de Marcos Paulo, o jovem também quer atuar no futebol europeu. Já o Flu não quer perder mais uma joia de graça.

Lesões e 'recomeço' com novo treinador

Paulo Henrique Ganso chegou ao Fluminense em 2019 com muita festa da torcida, que lotou o saguão do aeroporto Santos Dumont. De lá para cá, acumulou boas atuações, confusões, polêmicas e lesões. O bom 2020 do Tricolor não contou com muita contribuição de seu camisa 10, relegado ao banco de reservas e com muitos problemas físicos na temporada, como a apendicite que o tirou da reta final do Brasileirão.

Recuperado, o meia de 31 anos entra no terceiro de seus cinco anos de contrato já sem grandes esperanças do torcedor, mas com atenção redobrada do clube. Novo comandante, Roger Machado já falou a pessoas próximas o quanto gosta do futebol do jogador, e que conta com ele para a temporada.

Roger Machado com Ganso em "primeiro dia" de treinos do Fluminense - Mailson Santana/Fluminense FC - Mailson Santana/Fluminense FC
Roger Machado com Ganso em "primeiro dia" de treinos do Fluminense
Imagem: Mailson Santana/Fluminense FC

O recomeço de Ganso será com Ailton, técnico do sub-23 que iniciará o Estadual. No Campeonato Carioca, o camisa 10 terá tempo de jogo, oportunidades de liderar jovens e jogadores velozes, plano considerado "perfeito" internamente para que o meia recupere, sobretudo, a confiança em seu corpo, maltratado por lesões, e a mente, preocupada com a pressão externa e as críticas do torcedor que o abraçou em sua chegada.

Nenhum dos dois está confirmado no time que começa o jogo contra o Resende. Além deles, outros rostos conhecidos do Flu estarão em campo, como Marcos Paulo, que deixará o clube no meio do ano rumo ao Atlético de Madri. O jovem deve comandar o ataque que ainda terá John Kennedy e Samuel. Ainda há dúvidas na escalação, que foi bastante modificada nos amistosos que o Tricolor disputou em sua preparação — somou uma vitória, um empate e uma derrota em três jogos.

Fluminense