PUBLICIDADE
Topo

Futebol

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Mauro: Flamengo negociará jogadores que tenham boas propostas, isso é certo

Do UOL, em São Paulo

01/03/2021 16h24

Nas últimas temporadas o torcedor do Flamengo se acostumou a grandes contratações, com o elenco mais caro do país e títulos conquistados, como o bicampeonato brasileiro em 2019 e 2020, mas para 2021 o clube deve ter uma mudança em relação ao seu perfil no mercado, com a possibilidade de perder até jogadores importantes no caso de boas propostas devido ao cenário atual do futebol na pandemia, com a arrecadação menor pela falta de público nos estádios.

No podcast Posse de Bola #104, Mauro Cezar Pereira explica como deve ser a postura do Flamengo em relação a contratações e vendas, com a necessidade de um número razoável de negociações em saídas para que seja possível manter os principais nomes do elenco, como Arrascaeta, Gabigol e Gerson.

"Acho que o Flamengo vai negociar jogadores que eventualmente tenham boas propostas, isso aí é certo. Talvez até um jogador grande até o meio do ano, vai ter que vender jogador. A não ser que consiga negociar bem alguns, uns três ou quatro, tipo, saem Vitinho, Michael, Léo Pereira e mais um, de repente rola uma grana que evita a necessidade de vender um Gerson, um Everton Ribeiro, um Arrascaeta, um Gabigol, um jogador desses", explica Mauro Cezar.

"Mas acho que se não tiver uma saída aí em quantidade de jogadores como esses que eu citei, possivelmente vão ter que vender um desses maiores assim, mas isso depende muito do mercado e não é para agora, é mais para o meio do ano talvez que o mercado possa colocar esse tipo de proposta à mesa. Mas necessário vai ser porque a queda de receitas é inevitável, sem bilheteria e com sócio-torcedor consequentemente proporcional a uma renda muito menor", completa.

O jornalista afirma que, diferentemente de temporadas anteriores, quando conseguiu vendas significativas de jogadores revelados pelas categorias de base, o Flamengo não tem hoje a possibilidade de uma negociação do tipo, como foi com Vinícius Júnior, atualmente no Real Madrid.

"Não tem esse ano o Flamengo nem um Vinícius Júnior, Paquetá, Reinier para vender por 35, 45 milhões de euros para time europeu, esse é um outro ponto também importante, tem que pagar o Pedro, uma contratação cara mas acho que importante, um investimento até importante pela juventude e pelo potencial do atleta, acabou sendo um negócio acho que até de ocasião pelo que ele pode representar para o clube no médio e longo prazo", diz Mauro Cezar.

"Mas o torcedor que se acostume porque não deve ser o Flamengo indo para o mercado, não vai ter grana para isso, a não ser em negociações eventuais, como o Rafinha, que nessa semana voltará a conversar com o clube", completa.

O colunista do UOL destaca ainda a volta de Thiago Maia, afastado por lesão, e considera que o clube precisará também de uma reformulação devido à idade de alguns jogadores do elenco.

"Vai ter o Thiago Maia nos próximos meses, que vai voltar de lesão, vai ser importante essa volta, mas eu acho que é necessário que o Flamengo comece durante a temporada pensar em reformulação, em chegadas e partidas até porque alguns jogadores já são jogadores com 30 e poucos anos, o próprio Rafinha se voltar é um cara de 35 anos, para poder manter uma certa competitividade", conclui.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas e sextas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter).

A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts. Você pode ouvir, por exemplo, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e Youtube --neste último, também em vídeo. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol