PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

Ceni explica "all in" no Flamengo e festeja nome na história: "Peso grande"

Leo Burlá

Do UOL, em São Paulo

26/02/2021 01h52

Após a conquista do octacampeonato do Brasileiro, o técnico Rogério Ceni, do Flamengo, festejou muito o título do do Campeonato Brasileiro e ressaltou o fato de ter colocado o nome na história.

O treinador afirmou que segue normalmente seu trabalho no clube e explicou as dificuldades que foram superadas até a taça. Após levar um banho dos jogadores, ele recordou um momento chave para a conquista.

"Você chega num clube e precisa conhecer muita coisa. Demos um "all in" contra o Goiás, quando o Arão foi para a zaga. O Filipe jogando muito mais por dentro. O interesse de caras que ganharam na Europa. São caras que querem informação. A maior dificuldade foi o pouco tempo. Botar um Arão na zaga eu não descobri no primeiro dia", disse.

Rogério não negou o sabor especial pela taça conquistada no Morumbi, mas revelou estar chateado com a derrota por 2 a 1 para o São Paulo:

Não gosto de perder, não me conformo de ter perdido. Dominamos o jogo, São Paulo fez um gol num erro de arbitragem no primeiro tempo. Você acaba o jogo chateado pela derrota, mas o que vale é o todo. O Rio amanhece mais feliz e muito mais vermelho e preto.

Título no Morumbi

Esse local é especial para mim, comecei aqui, joguei 25 anos aqui, é uma história que não vai se apagar nunca. Sou eternamente grato. Agora, na segunda parte da minha vida, tenho esse presente que é ganhar um Brasileiro rubro-negro. Colocar uma estrela no peito nas cores vermelha e preta. Como atleta, fui jogador de um time só. Tenho maior orgulho e honra de estar num clube da grandeza do Flamengo. Ganhar pelo Flamengo tem um peso muito grande.

O jogo

Não gosto de perder, não me conformo de ter perdido. Dominamos o jogo, São Paulo fez um gol num erro de arbitragem no primeiro tempo. Você acaba o jogo chateado pela derrota, mas o que vale é o todo. O Rio amanhece mais feliz e muito mais vermelho e preto.

Melhorias para 21

Tem de vencer sempre, mas vamos ter um intervalo. Brasileiro dos mais equilibrados pela maneira como aconteceu. O time chegou numa situação de limite. Se a gente não parar, eles não vão ter o momento de retomada.

Brasileiro atípico e campanha

Você chega num clube e precisa conhecer muita coisa. Demos um "all in" contra o Goiás, quando o Arão foi para a zaga. Filipe jogando muito mais por dentro. O interesse de caras que ganharam na Europa. São caras que querem informação. A maior dificuldade foi o pouco tempo. Botar um Arão na zaga eu não descobri no primeiro dia.

Caiu a ficha?

É especial, fico no CT trabalhando e passo pelos corredores e vejo as fotos. Eu sempre disse que não ia embora sem colocar a minha foto na parede. Uma nova pintura vai estar lá na parede. Você fica eternizado em um clube que teve Zico, Nunes, Leandro, Junior, tantos caras importantes. Daqui a 40 anos Gabriel, Gerson e outros serão essa referência.

Seguro no cargo?

A derrota me constrange um pouco. Estou seguro que estou feliz e quero desfrutar. Com 4 anos de carreira, quero desfrutar ser campeão pelo Flamengo. Momento é de poucos dias de descanso. A pergunta tem de ser feita para as pessoas que comandam o clube.

Recado

Apesar de eu ter jogado a vida inteira no São Paulo, sempre fui o melhor cara que pude. Que isso nos aproxime. Quem tem 42 milhões de torcedores? Espero que a gente se aproxime.

Flamengo