PUBLICIDADE
Topo

Futebol

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Mauro: Parte de críticas ao Vinícius Jr tem clubismo e até racismo embutido

Do UOL, em São Paulo

25/02/2021 04h00

Classificação e Jogos

Escalado como titular por Zinedine Zidane na vitória do Real Madrid sobre a Atalanta, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões, o atacante brasileiro Vinícius Júnior teve uma atuação discreta, ainda sem demonstrar o amadurecimento esperado enquanto também busca uma sequência na equipe merengue e sofre críticas acirradas em alguns momentos por torcedores no Brasil, onde tem o passado de jogador revelado pelo Flamengo.

No Fim de Papo, live pós-rodada do UOL Esporte, Mauro Cezar Pereira analisa a demora no processo de amadurecimento do jogador, mas vê uma crítica contaminada por parte de muitos torcedores brasileiros, com clubismo e até racismo, com um jogador de origem humilde e que foi muito cedo para o futebol europeu, como uma aposta do Real Madrid.

"As análises de torcedores envolvendo o Vinícius Júnior, acho que elas envolvem várias coisas, ela envolve clubismo, isso é das coisas mais abjetas que a gente tem aqui entre os torcedores brasileiros, os caras torcem contra um jogador, um garoto pobre, que sai lá da periferia, que está jogando no Real Madrid, quer dizer, o cara já é um vencedor na vida, convenhamos. Só porque ele jogou em um time que eles não gostam, não são capazes essas pessoas de separar as coisas", diz Mauro Cezar.

"O cara pode detestar o Flamengo com todas as suas forças, mas por que torcer contra o menino? Por que ser contra? As pessoas torcem contra. Eu acho que aí tem inveja, tem clubismo, tem até racismo em alguns casos, tem tudo isso aí embutido. Então, as críticas ao Vinícius Júnior, partindo de torcedores, elas são muitas vezes contaminadas pelos piores sentimentos que um ser humano pode ter", completa.

Julio Gomes afirma que também há o contrário, de torcedores do Flamengo que saem em defesa de Vinícius Júnior quando o jogador é criticado por não ter jogado bem em uma partida, o que Mauro Cezar afirma que existe também no caso de outros jogadores revelados pelos clubes brasileiros, como Gabriel Jesus, ex-Palmeiras.

"Estou com o Mauro, inclusive para o outro lado, porque a partir da hora em que algumas pessoas veem críticas ao Vinícius Júnior, também já passam a defendê-lo", afirma Julio.

"O cara é torcedor do Flamengo e acha que tem que defender o Vinícius incondicionalmente, também é outra babaquice, não tem nada a ver uma coisa com a outra. Ele jogou no Flamengo, e daí? Jogou nada, é criticado. Jogou bem, é elogiado. Não importa a camisa que ele vista. E isso acontece com o Gabriel Jesus também, você fala 'o Jesus não jogou bem', 'ah você fala isso porque ele não jogou no Palmeiras'. Não tem nada a ver com o Palmeiras, ele não joga mais no Palmeiras, o Vinícius não joga mais no Flamengo, o Rodrygo não joga mais no Santos", conclui.

Em relação ao futebol jogado pelo atacante, Mauro Cezar afirma que o processo de amadurecimento dele realmente está mais lento do que se esperava e que Vinícius pode ser um melhor jogador com melhores escolhas no momento de definir as jogadas.

"Eu acho que esse processo de amadurecimento, que é natural, porque, de fato, em geral os jogadores aqui no Brasil quando saem muito jovens, como é o caso dele, eles não são tão bem preparados como poderiam na base, então você percebe de fato que ele é um jogador que tem características e qualidades que se ele tivesse melhores escolhas na definição das jogadas e finalizasse melhor, ele seria um jogador hoje bem melhor", diz Mauro Cezar.

"Ele precisa progredir. Eu acho que esse progresso me parece um pouco lento, poderia ser um pouco mais acelerado, ao mesmo tempo, ele está sempre nessa situação de que nem sempre o Zidane parece muito disposto a contar com ele, então tem momentos em que ele joga, não joga, é sacado, enfim. E você vê, quando ele jogava no Flamengo com 17 anos, ele decidia jogos, o que era bom aqui com 17 anos, alguns anos depois no futebol europeu, ficam evidentes as suas deficiências", completa.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol