PUBLICIDADE
Topo

Fluminense

Fred revela 'sonho' de Libertadores após críticas: 'Serviu para fortalecer'

Fred falou do "sonho" de classificar Fluminense à Libertadores em retorno ao clube - Lucas Merçon/Fluminense FC
Fred falou do 'sonho' de classificar Fluminense à Libertadores em retorno ao clube Imagem: Lucas Merçon/Fluminense FC

Caio Blois

Do UOL, no Rio de Janeiro

24/02/2021 13h13

De volta à Libertadores após oito anos, o Fluminense foi a grande surpresa da temporada. Se antes do início do Brasileirão era apontado como um candidato à luta contra o rebaixamento, o Tricolor chega à última rodada com chances de se classificar para a fase de grupos da competição continental, um sonho para o ídolo Fred em seu retorno ao clube.

"Muito feliz com tudo que está acontecendo com o Fluminense. Surpreendemos a todos. A forma que falavam da nossa equipe no início serviu para nos fortalecer e para tirar lição. Criamos um estilo de trabalhar, de levar pros jogos e tudo deu certo. Tem mais um jogo, uma grande final, vamos fazer de tudo para fechar com chave de ouro. Eu tinha um sonho e realizei, agora falta mais um para ficar perfeito", declarou o atacante em entrevista coletiva no CT Carlos Castilho.

Remanescente do grupo de 2013, o último a disputar a Libertadores pelo Flu, o camisa 9 comemorou a vaga, mas espera que comemore também, amanhã (25), contra o Fortaleza, a classificação direta.

"Realizei um sonho, já dormi de novo e tenho um novo sonho, espero acordar amanhã às onze e meia da noite e levar o Fluminense direto para a fase de grupos dessa Libertadores. Vamos tentar ser o mais natural possível para não ter pressão e continuar fazendo o que temos feito, que é agredir o adversário e marcar muito. O Fortaleza tem muita qualidade. Espero poder vibrar com um grande feito amanhã", disse.

Além do resultado esportivo, o Tricolor também se beneficiaria de diversas maneiras com a classificação para a fase de grupos da Libertadores. Isso porque a premiação aumenta e o elenco poderá ter mais tempo de descanso e trabalho com Roger Machado, novo técnico da equipe, que já assume o clube no sábado. O treinador foi elogiado pelo capitão Fred.

"Fiz uma pré-temporada com o Roger no Atlético-MG e todos os jogadores elogiaram o trabalho dele na época. Ele conseguiu implantar o conceito de jogo e deu resultado em campo. Temos que buscar de todo jeito essa vitória amanhã que, com a combinação de resultados, nos possibilitaria ir direto para a Libertadores. Seria muito importante termos mais tempo com a comissão nova. Participei de uma geração que virou Time de Guerreiros. Esse ano nós criamos uma identificação de um time comprometido para jogar e defender. Não vamos perder isso nunca. Vamos propor jogo que é o que o Roger gosta, mas não podemos perder nossa essência que é ser um time aguerrido", afirmou.

No meio da coletiva, Fred viu os companheiros Yago e Nino "invadirem" a sala de imprensa fantasiados, em momento de descontração que corroborou com as palavras do jogador sobre o elenco respondendo pergunta sobre uma possível rusga com o meia Nenê, negada mais uma vez:

"Enquanto eu estiver aqui vou fazer isso, não deixar o eu falar mais alto que o nós. Lembro dessa briga falsa que tentaram colocar [com Nenê]. Não precisa muita coisa para dizer que não tem nada disso. Se disser que não teve discussão é mentira, ano que vem vai ter mais também. É normal. Em casa tem também, discutimos para chegar a um equilíbrio. Importante é que a gente se gosta e quer o melhor para o Fluminense".

Ainda sobre o Campeonato Brasileiro, o atacante projetou a "decisão" contra o Fortaleza amanhã, às 21h30, no Maracanã. Para Fred, a classificação direta à Libertadores seria "um grande feito"

"Espero levar o Fluminense direto para a fase de grupos da Libertadores. Esse é o nosso objetivo, para a gente não trazer pressão para ninguém. É continuar fazendo o que temos feito, agredir o adversário em seu campo de defesa, marcar muito, porque o Fortaleza tem qualidade. Amanhã não vai ser título, como estamos acostumados com o Fluminense, mas será um grande feito".

O calendário modificado por conta da pandemia de coronavírus faz com que o futebol não tenha espaço entre o fim desta temporada e o início da próxima. Também por isso, Fred já tem objetivos para o 2021 que deve ser seu último ano completo no futebol. O camisa 9 revelou conversa com o presidente Mário Bittencourt e não escondeu que deseja conquistar um grande título pelo Fluminense.

"Eu disse: 'Presidente, esse ano a gente vai conseguir esse feito. Ano que vem vamos conquistar um título importante'. Teremos quatro competições. Vários clubes no Brasil hoje investem absurdamente, muito mais que os clubes "normais" fazem. Temos uma camisa pesada, um grupo comprometido, o Roger chegando com sede de títulos, e em uma semaninha ou duas estaremos todos juntos trabalhando com sede de conquistar títulos. Tomara que dê tudo certo, seria incrível", contou Fred.

Confira outras respostas da coletiva de Fred:

Dificuldade em retorno

"Eu tinha medo, dos anos que eu joguei aqui, eu me colocava pressão de ser melhor que o ano anterior. Fiquei com medo de não manter o nível lá em cima, me cobrei muito, mas deu muito certo graças a Deus mesmo com todo o medo e todas as dúvidas. A camisa do Fluminense ajudou, a camisa combina comigo."

Fim de carreira próximo

"Acabou meu contrato, como jogador, deu. Ano que vem se a gente classificar de novo e faltar pouco, sei lá, penso em ir até o final. A ideia é parar no aniversário do clube, porque vai ser simbólico para mim também. Não só pelo que o clube fez por mim como jogador, porque tive muita visibilidade para fora, joguei na seleção brasileira, mas também como ser humano, me moldou, meu caráter, aprendizado, com erros e acertos. A trajetória foi muito bacana."

Importância da vaga direta na Libertadores

"A gente leva todas as informações, o clube todo está mobilizado. Estamos de olho nos jogos que nos interessam, acompanhamos de tudo. A gente sabe que dependemos de um empate no Morumbi no mínimo para podermos ganhar aqui. Não vamos só olhar os outros, vamos fazer o nosso". Realidade diferente da primeira passagem "Peguei uma fase de muito investimento, outra fase com plantel qualificado mesmo sem tanto investimento e estou nessa fase muito prazerosa, porque estou vendo a molecada subindo com personalidade e dando conta do recado. O mais legal é poder orientar os moleques com nossa experiência, e eu estou aprendendo muito com eles. Sempre fui muito competitivo e meio chato em campo, mas essa molecada está me deixando uns 20 anos mais novo. Estamos vivendo o momento que a torcida esperava, com a reestruturação do clube e os meninos de Xerém em campo. A cereja do bolo que está faltando é a torcida no Maracanã. Espero que isso possa acontecer logo com todo mundo protegido".

Lembranças na Libertadores pelo Flu

"Quando vem Libertadores na memória com a camisa do Fluminense tenho dois momentos muito marcantes. O primeiro é a vitória sobre o Argentinos Juniors por 4 a 2, veio uma combinação de resultados e nos classificamos. Tinha muita coisa para estourar internamente, mas a vitória salvou tudo. Bati um pênalti aos 45, o mais tenso da minha carreira, nós comemoramos muito no vestiário. Tem a vitória sobre o Boca, na Bombonera também, que comandamos o jogo. Jogamos soltos lá. Deco deitou, Thiago Neves, Wellington Nem, foi outro momento muito marcante para a gente na Libertadores."

Dificuldades na pandemia

"Senti muito a falta da torcida, e também os jogadores que saíram. As peças, né? Perdemos treinador, Dodi, Gilberto, Digão e Evanílson. Imagina se tivéssemos esses cinco no plantel como estaríamos? Mas nessa dificuldade surgiu Calegari, Luiz Henrique, Martinelli, gratas surpresas para nós."

Evanílson

"Minha prioridade sempre foi fazer gols para o meu time ganhar jogos e ser campeão. Meu poço de vaidade já foi mais fundo há algum tempo. Sempre vou brigar de forma justa para ser titular, mas hoje o que eu mais prezo é que o Fluminense vença. Tive diversas situações dessa com o Evanílson e sempre achei que tinha que ser ele. Ele faria o time ser melhor. A gente tinha uma programação para eu jogar. Um ídolo, torcida quer ver, tínhamos planejado uma coisa. O Odair veio para conversar comigo e eu falei: "esquece, não seja burro, vão te criticar muito aí. Se der para arrumar espaço para os dois, ótimo, mas não tira o moleque, o momento é dele". Aliviei o homem (risos). Com uma atitude dessa posso cobrar."

'Briga' com Nenê não aconteceu

"Eu quero jogar o máximo possível, não gosto de ser substituído, mas pelo Fluminense vale. Quero cuidar do nosso ambiente. O papel que nós que já vivenciamos tantas coisas temos que fazer é blindar no vestiário, seja treinadores, jogadores, jovens. Não deixar chegar à diretoria certo tipo de problemas. Repreender problemas, evitar. Enquanto eu estiver aqui vou fazer isso, não deixar o eu falar mais alto que o nós. Lembro dessa briga falsa que tentaram colocar. Não precisa muita coisa para dizer que não tem nada disso. Se disser que não teve discussão é mentira, ano que vem vai ter mais também. É normal. Em casa tem também, discutimos para chegar a um equilíbrio. Com todas as diferenças a gente se respeita, se gosta. No caso do Nenê, somos muito amigos, muito próximos. Nunca teve nenhum tipo de problema. Ele me mandou mensagem na época, eu disse para ficar tranquilo. Em outro clube aqui do Rio aconteceu a mesma coisa na mesma época e eu tenho certeza que era mentira."

Fluminense