PUBLICIDADE
Topo

Mundial de Clubes - 2020

Brasileiro Wendell, do Leverkusen, conta o que fazer para derrubar o Bayern

Ex-lateral do Grêmio, Wendell está no Bayer Leverkusen há quase sete anos - Revierfoto/picture alliance via Getty Images
Ex-lateral do Grêmio, Wendell está no Bayer Leverkusen há quase sete anos Imagem: Revierfoto/picture alliance via Getty Images

Eder Traskini

Do UOL, em Santos (SP)

11/02/2021 04h00

Classificação e Jogos

A dica era para ser para o Palmeiras: como bater o Bayern de Munique, atual campeão da Liga dos Campeões e finalista do Mundial de Clubes. O lateral esquerdo Wendell atua no Bayer Leverkusen, um dos únicos quatro clubes que conseguiram derrubar o gigante alemão, e explicou qual estratégia o Tigres (MEX), algoz do Verdão na semifinal, deve usar na decisão de hoje (11), às 15h (de Brasília).

Desde que Hans-Dieter Flick assumiu o comando técnico do Bayern de Munique, a equipe só foi derrotada em quatro oportunidades: uma vez para o Leverkusen, uma para o Hoffenheim e duas diante do Borussia Mönchengladbach. Quem completa o quarteto dos clubes que conseguiu a proeza é o modesto Holstein Kiel, equipe da segunda divisão que empatou por 0 a 0 com um Bayern alternativo na Copa do Alemanha e eliminou, nos pênaltis, o atual campeão do torneio local.

"A melhor maneira para ganhar de um time que ganha tudo é tirar eles da zona de conforto, é isso que procuramos fazer a cada jogo contra o Bayern. Se você ver o último jogo com o Leverkusen, que perdemos de 2 a 1, fomos superiores em toda a partida. É competir de igual para igual, acreditar em cada bola, pressionar bastante. Se você deixar eles jogarem com tranquilidade durante os 90 minutos, sem pressionar, vão deitar e rolar em qualquer outro time", explicou o lateral ao UOL Esporte.

Como nós temos uma maneira de jogar, de pressionar bastante durante os 90 minutos, incomodamos eles. Te garanto que se você é um time que pressiona bastante, que consegue fazer isso durante o jogo todo como nós fazemos, como o M'gladbach, o Hoffenheim um pouco menos. É tirar a maneira como eles gostam de jogar. Difícil vai ser, ninguém está falando que vai ser fácil", acrescentou.

Na era Hans Flick, o Leverkusen venceu uma partida e perdeu duas para o Bayern na Bundesliga, além da derrota na final da Copa da Alemanha do ano passado. O M'gladbach conseguiu bater os gigantes duas vezes em três jogos — o outro foi vencido pelo Bayern. Já o Hoffenheim ganhou uma e foi superado em outras três.

"No começo da temporada, o Bayern tinha caído de produção, mas quando eles encaixam e o jogo começa a fluir, dificilmente perdem um jogo. Têm um poder de decisão muito grande, uma segurança defensiva muito consolidada, é um time que, posição por posição, sabe a hora certa de matar os jogos. Enquanto você tem chances e não consegue fazer, eles têm uma ou duas e guardam, pode ser qualquer jogo. Eles sabem que vão ter a chance e sabem que serão letais. Passaram aperto em muitos jogos na Bundesliga neste ano, mas quando eles estão na frente, dificilmente perdem um jogo", contou o lateral.

Apesar do início ruim, o Bayern de fato engatou uma sequência de bons resultados e 'sumiu' na liderança do Campeonato Alemão. A equipe de Munique tem 48 pontos em 20 rodadas, sete a mais que o vice-líder RB Leipzig. A campanha é seis pontos melhor do que na mesma altura da última temporada, quando o Bayern se sagrou campeão com duas rodadas de antecedência.