PUBLICIDADE
Topo

Mundial de Clubes - 2020

Palmeiras joga mal, perde para o Tigres na semi e segue sem Mundial da Fifa

Do UOL, em São Paulo

07/02/2021 16h55

Classificação e Jogos

O Palmeiras está fora da final do Mundial de Clubes 2020. Com um desempenho abaixo do esperado, o time alviverde perdeu por 1 a 0 para o Tigres (MEX), hoje (7), no estádio Education City, em Doha (Qatar). O francês Gignac, em cobrança de pênalti, fez o gol do triunfo mexicano.

Essa é a terceira vez que um time brasileiro para na semifinal do Mundial. A primeira delas aconteceu em 2010, quando o Internacional perdeu por 2 a 0 para o Mazembe, do Congo. Três anos depois, foi a vez de o Atlético-MG cair precocemente ao levar 3 a 1 o Raja Casablanca, do Marrocos.

É ainda a quinta vez que um time sul-americano deixa de disputar a decisão do Mundial. Juntam-se aos brasileiros o Nacional de Medellín, que caiu diante do Kashima Antlers, do Japão, em 2016, e o River Plate, que foi eliminado pelo Al Ain, dos Emirados Árabes, em 2018.

Com o resultado, o Palmeiras vai participar da disputa de terceiro lugar, que acontece na próxima quinta-feira (11). O adversário será o derrotado do duelo entre Bayern de Munique e Al Ahly, do Egito. No jogo principal do dia, às 15h, o Tigres enfrentará o vencedor desse confronto.

Além disso, o Palmeiras não conseguiu conquistar uma das obsessões de seu torcedor, o Mundial de Clubes organizado pela Fifa. O clube e a torcida contam o título da Copa Rio de 1951 como um título mundial.

O MELHOR: GIGNAC

O centroavante francês era considerado o jogador mais perigoso do Tigres. E provou isso não apenas pelo gol marcado. No primeiro tempo, ele foi a grande tormenta para o sistema defensivo do Palmeiras, obrigando o goleiro Weverton a fazer duas grandes defesas. Com três gols, Gignac é o artilheiro do Mundial de Clubes 2020.

O PIOR: LUAN

O conjunto palmeirense não funcionou diante do Tigres. Mas não dá para deixar de lado uma falha pontual que determinou o gol decisivo do Tigres. Ao cometer o pênalti sobre Carlos González, o zagueiro Luan deu a chance de os mexicanos abrirem o placar sem esperar o desfecho do lance.

GOLEIRO SALVADOR

Antes que a partida tomasse direção para qualquer lado, Weverton já havia aparecido. O goleiro foi a primeira grande figura do time alviverde com uma defesa salvadora logo aos 4 minutos. Após cruzamento da direita, Carlos González subiu livre no meio da zaga e cabeceou firme, e Weverton se esticou no canto direito para evitar o gol do Tigres.

PALMEIRAS DOMINA O CAMPO DE ATAQUE

Passados os primeiros 15 minutos, o Palmeiras começou a se soltar. Com o time mais posicionado à frente e marcação na saída de bola mexicana, o Alviverde já tinha a posse de bola a seu favor. E aos 19 minutos criou a primeira grande chance em um chute de fora da área de Rony. Guzmán defendeu bem no canto esquerdo.

O FRANCÊS É PERIGOSO

Apesar de dominar a posse de bola, faltou efetividade ao Palmeiras, que não conseguiu entrar na área mexicana para finalizar. Essa postura atraiu o Tigres para tentar o gol. E novamente Weverton entrou em ação. Aos 34 minutos, Gignac apareceu livre em uma tabela pelo lado esquerdo da área e finalizou no canto esquerdo. O goleiro espalmou para escanteio. Aos 37min, um novo cruzamento encontrou Gignac. O francês cabeceou para outra defesa do palmeirense.

FINAL MEXICANO

Embalado pelas oportunidades que criou, o Tigres inverteu a proposta de jogo e passou a controlar os minutos finais do primeiro tempo. Com toques curtos, só deixou o Palmeiras sair para o ataque na base do chutão ou em bolas longas. E elas não deram certo. Para alívio alviverde, faltava pouco para o intervalo chegar com um empate sem gols.

TIGRES RECOMEÇA NO DOMÍNIO

O time mexicano gostou do estilo que aplicou no fim do primeiro tempo e manteve o domínio na etapa final. E encontrou no lado direito seu melhor lugar. Logo no primeiro lance, Rodríguez deu passe para Carlos González, que foi derrubado por Luan dentro da área quando infiltrava na área. O árbitro marcou pênalti, e dessa vez não deu para Weverton. Gignac cobrou forte no canto direito e abriu o placar para o Tigres.

ALTERAÇÕES SEM EFEITO

Imediatamente após o gol do Tigres, o técnico Abel Ferreira promoveu duas mudanças no Palmeiras. Felipe Melo e Patrick de Paula entraram nos lugares de Danilo e Zé Rafael. Se as substituições foram feitas para recuperar o domínio do meio-campo, não deu certo. O time mexicano seguiu o dono do setor por pelo menos 20 minutos e foi mais perigoso no ataque.

MELHOR CHANCE ALVIVERDE

Com mais três mudanças, entre elas a entrada de Willian no lugar de Gabriel Menino, o Palmeiras mostrou que partiria para cima. E finalmente voltou a assustar o gol mexicano. Aos 33 minutos, Willian é lançado pelo lado direito e cruza para Luiz Adriano. O centroavante palmeirense fura e, ao tentar cortar, Rodríguez quase manda para o próprio gol.

DRAMA ALVIVERDE

Os últimos 10 minutos foram difíceis para o Palmeiras. Ao mesmo tempo que Willian se tornava a grande inspiração no ataque, o time sentia dificuldade para criar jogadas ofensivas. Em uma das chances, aos 38 minutos, o Bigode avançou pela esquerda e passou para Luiz Adriano arriscar da entrada da área. O chute saiu pelo alto. Mas a melhor aconteceu aos 50 minutos. Após bola alçada na área, ela sobrou para Viña, que arriscou chute, que desviou em um defensor e foi para escanteio.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 0 x 1 TIGRES

Motivo: Semifinal do Mundial de Clubes 2020
Local: Estádio Education City, em Doha (Qatar)
Horário: 15h (de Brasília)
Árbitro: Danny Makkelie (Holanda)
Assistentes: Mario Diks (Holanda) e Hessel Steegstra (Holanda)
VAR: Kevin Blom (Holanda)
Cartões amarelos: Gabriel Menino (Palmeiras) e Luan; Aquino e Guzmán (Tigres)
Gols: Gignac, aos 4min do segundo tempo

PALMEIRAS: Weverton; Marcos Rocha (Mayke), Luan, Gustavo Gómez e Viña; Danilo (Felipe Melo), Zé Rafael (Patrick de Paula), Gabriel Menino (Willian) e Raphael Veiga (Gustavo Scarpa); Rony e Luiz Adriano. Técnico: Abel Ferreira

TIGRES (MEX): Guzmán; Rodríguez, Reyes, Salcedo e Dueñas (Meza), Rafael Carioca, Pizarro, Quiñones (Fulgencio) e Aquino (Sierra); Carlos González e Gignac. Técnico: Tuca Ferretti