PUBLICIDADE
Topo

Futebol

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

RMP: Flamengo voltou para a briga e a jogar bem, mas falta muita coisa

Do UOL, em São Paulo

05/02/2021 01h04

O Flamengo venceu o clássico diante do Vasco no Maracanã por 2 a 0 e conseguiu reduzir a apenas dois pontos a diferença para o líder Internacional, que empatou sem gols com o Athletico-PR em Curitiba, passando o time comandado por Rogério Ceni a depender apenas de suas próprias forças para conquistar o Brasileirão, considerando que ainda haverá o confronto direto na penúltima rodada.

No Fim de Papo, live pós-rodada do UOL Esporte — com os jornalistas Vinicius Mesquita, Renato Maurício Prado, Alicia Klein e José Trajano —, a vitória do Flamengo e a briga mais acirrada na reta final são os assuntos principais, com a questão se o favoritismo voltou para o clube rubro-negro após uma rodada favorável

Para Renato Maurício Prado, o Flamengo voltou definitivamente para a briga pelo título, mas ainda é difícil de ser apontado como favorito por ter na próxima rodada um jogo fora de casa contra o Red Bull Bragantino, enquanto o Internacional recebe o Sport em Porto Alegre. Levando em consideração a boa campanha do time de Bragança Paulista e a má do pernambucano, ele vê ainda a chance de a vantagem colorada ser novamente quatro pontos.

"O Flamengo ainda sim esta chegando em uma situação muito boa. Pode ser campeão? Pode, mas eu ainda não considero favorito absoluto, os jogos que tem pela frente são muito complicados, hoje o Flamengo descontou dois pontos, mas na próxima rodada pode o Flamengo empatar e o Inter ganhar, e voltar os quatro pontos, que aí dependem de outros resultados. O Flamengo voltou para a briga, o Flamengo voltou a jogar bem, mas ainda falta muita coisa", afirma Renato (no vídeo a partir de 14:35).

O jornalista lembra que o atual campeão era apontado como o maior favorito antes de iniciar o Brasileirão, mas perdeu Jorge Jesus, teve insucesso com Domènec Torrent e oscilações com Rogério Ceni, que agora vai retomando o bom futebol do time, com bons momentos nas últimas partidas.

"O Flamengo tem que se manter jogando como ele conseguiu em alguns momentos dos últimos jogos, o Flamengo não foi brilhante nos 90 minutos dos últimos jogos, o Flamengo fez um belíssimo segundo tempo contra o Grêmio na Arena, fez um belíssimo primeiro tempo contra o Sport e hoje jogou novamente muito bem no primeiro tempo. O Flamengo tem problemas na defesa, há três jogos não toma gol, o que é um fenômeno, porque o Flamengo nesse Campeonato Brasileiro inteiro, até quando jogava bem e ganhava, ele tomava um golzinho", diz Renato.

Meio com Gerson e Diego é acerto de Rogério Ceni

Rogério Ceni chegou a ser criticado pelos torcedores e também alguns analistas pela escalação de Willian Arão como zagueiro, o que abriu a possibilidade de ter um meio de campo contando com Gerson e Diego. Renato Maurício Prado ainda não tem segurança em Arão atuando na linha de defesa, mas considera um acerto do treinador o fato de contar com dois jogadores mais técnicos ocupando o lugar de volantes, o que melhorou a saída de bola do Flamengo.

"No meio-campo, talvez esteja o principal mérito do Rogério Ceni, para não dizer o único, nessa armação do Flamengo. Com aquela história de botar o Arão para zagueiro, ele conseguiu botar também o Diego no time e passou a ter Arão, Diego e Gerson, uma saída de bola um pouco mais segura, porque antigamente, com Gustavo Henrique, Léo Pereira e até mesmo quando jogava o Rodrigo Caio, mas tinha somente um volante, o Arão e o Gerson, a saída era complicada", afirma Renato.

"O meio-campo do Flamengo com o Diego e com o Gerson melhorou, inegavelmente melhorou, o Rogério Ceni acertou. A zaga com o Arão eu ainda vou pagar para ver, porque andou tomando sufoco do Vasco em determinado momento. O que o Flamengo tem que fazer, o Flamengo tem que jogar sempre, ele não pode deixar, sendo atacado o Flamengo é frágil. Agora, quando joga como jogou o primeiro tempo hoje, lá em cima do time do Vasco, ele não dá nem oportunidade de a zaga dele se expor. Era um pouco como jogava o Flamengo do Jorge Jesus", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol